Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Presença militar dos EUA no Golfo leva o Irã a dar “passo atrás”

Helicópteros militares transportam tropas de coalizão da sede do Comando de Operações Conjuntas de Nínive para várias partes de Mosul, em 19 de outubro de 2016. [Foto de arquivo]

O Irã deu um passo atrás para recalcular um possível ataque contra as forças dos EUA na região, depois que os EUA reforçaram seu poder de dissuasão no Golfo Pérsico, segundo o principal comandante militar americano para operações no Oriente Médio.

O general Frank McKenzie ,do Comando Central (Centcom) disse a repórteres da Associated Press que a instalação do grupo de ataque USS Abraham Lincoln, quatro bombardeiros B-52 e sistemas adicionais de defesa aérea levaram Teerã a reconsiderar sua “agressão”.

“É minha avaliação que isso fez com que os iranianos recuassem um pouco, mas não tenho certeza se eles estão recuando estrategicamente “, disse McKenzie mais tarde a repórteres em uma entrevista coletiva em Bagdá.

Quando questionado sobre sua estratégia, o general disse que os EUA estão “estabelecendo [a] dissuasão”, mas caminhando sobre uma “linha tênue” para não rovocar desnecessariamente a República Islâmica a uma guerra de larga escala.

“Tomamos medidas para mostrem aos iranianos que não brincamos com nossa capacidade de nos defender”, disse ele.

McKenzie acrescentou que acredita que a ameaça militar de Teerã ainda é “muito real” e que não “diminuiu”.

Ele não descartaria a possibilidade de fornecer mais apoio militar para combater a agressão iraniana.

As tensões entre os EUA e os Estados Unidos aumentaram no mês passado, um ano depois que os Estados Unidos abandonaram um acordo entre o Irã e as potências globais de contenção do programa nuclear de Teerã, em troca do levantamento de sanções.

Essas sanções econômicas alimentaram a perspectiva de confronto militar entre os dois países.

Em maio deste ano, dois petroleiros sauditas foram “sabotados” na costa de Fujairah, um dos Emirados Árabes Unidos (EAU). Ontem, os Emirados Árabes Unidos relataram que os responsáveis eram provavelmente um “ator de estado” devido à complexidade dos ataques, mas não deram nome a nenhum país.

Quando perguntado quem era o responsável, o conselheiro de segurança nacional dos EUA, John Bolton, disse aos repórteres “minas navais quase certamente do Irã”, sem fornecer evidências para apoiar sua acusação.

O New York Times também reportou em maio que uma das supostas ameaças eram imagens fotográficas de navios iranianos no Golfo da Arábia carregados com mísseis balísticos.

Suas fontes anônimas também revelaram que as milícias xiitas iraquianas estavam se preparando para atacar o pessoal do exército americano no Iraque.

“Isso tudo é uma falsa (informação de) inteligência”, disse à CNN o embaixador iraniano na ONU, Majid Takht Ravanchi.

“Essa inteligência é baseada em algumas agendas que provêem de mentalidade estreita, perseguidas por certas pessoas em Washington, bem como em nossa própria região.”

Ambos os lados repetiram comentários nas últimas semanas sobre possíveis conversas para resolver suas diferenças, afirmando que o outro lado deve agir primeiro.

As contínuas tensões entre o Irã e a Arábia Saudita – Cartoon [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

Categorias
Arábia SauditaÁsia & AméricasEmirados Árabes UnidosEUAIrãIraqueNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments