Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Exército de Israel diz não achar “evidências” de que matou manifestante deficiente em Gaza

Ibrahim Abu-Thurayya, 29, morto por um atirador israelense durante um protesto de palestinos contra o anúncio de Trump sobre Jerusalém, que foi alvo de táticas de dispersão israelenses violentas na fronteira entre Gaza e Israel, na sexta-feira, 15 de dezembro de 2017 [Middle East Monitor]

Uma investigação do exército israelense não encontrou “nenhuma evidência” de que tenha matado o palestino Ibrahim Abu Tharayya, que foi morto a tiros durante um protesto na Faixa de Gaza em dezembro de 2017.

A divisão de investigação criminal do exército israelense fechou na sexta-feira sua investigação sobre o assassinato de Abu Tharayya, de 29 anos, alegando que ele foi morto em uma “violenta revolta” na Faixa de Gaza sitiada . O porta-voz do Exército israelense disse que a divisão “interrogou soldados e comandantes que testemunharam o incidente e também examinaram imagens do fato, mas não encontraram evidências de que Abu Thuraya foi morto por disparos diretos do exército israelense”, informou o Haaretz.

O exército também afirmou que “tentou obter a bala que matou Abu Thurayeh” como parte de sua investigação, mas as autoridades em Gaza “negaram seu pedido”, segundo o Times de Israel.

O encerramento da investigação não surpreenderá, dada a repetida negação do exército de irregularidades em relação à morte de Abu Tharayya.

Poucos dias depois de Abu Tharayya ter sido morto em 15 de dezembro, o Exército anunciou que não tinha “responsabilidade”, dizendo em um comunicado que “a investigação inicial indica que não foram identificadas falhas morais ou profissionais”. Acrescentou que “nenhum tiro foi dirigido a [Abu Thurayya]” e foi “impossível determinar” exatamente “o que causou a sua morte”.

Organizações de direitos humanos e autoridades palestinas, no entanto, contradizem a versão israelense dos acontecimentos, afirmando que Abu Tharayya foi baleado por um atirador israelense. De acordo com registros médicos obtidos pela Associated Press (AP) em janeiro de 2018, o rapaz de 29 anos “morreu de hemorragia no cérebro após uma bala atingir sua cabeça”.

A publicação desses registros médicos pela Autoridade Palestina (AP) levou o exército israelense a abrir uma investigação sobre os eventos de 15 de dezembro, citando “a significativa disparidade entre as apurações do inquérito militar sobre o incidente e aquelas dos grupos palestinos dentro da Faixa de Gaza”.

A conclusão da AP era consistente com a da organização palestina de direitos humanos Al-Haq, que escreveu, logo após a morte de Abu Thurayya,que “ele foi baleado na testa, no que parece ter sido um ato deliberado”. O texto de Al-Haq continua:

Sob a lei humanitária internacional e de direitos humanos, Abu Thurayya tinha direito à proteção especial, não apenas como um civil sob o controle da potência ocupante, mas também como uma pessoa com deficiência que, além disso, perdera as pernas em conseqüência de um ataque anterior Israel na Faixa de Gaza.

Sua morte “pode significar não apenas uma privação arbitrária da vida, mas também um ato de tortura ou maus-tratos”, acrescentou Al-Haq.

Abu Tharayya era uma figura ícone em Gaza, participando regularmente de protestos, apesar de estar em cadeira de rodas desde que perdeu as duas pernas em um ataque israelense durante a guerra de 2008. Em 15 de dezembro, ele se juntou a milhares de habitantes de Gaza para protestar contra o anúncio do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de que ele mudaria a embaixada dos EUA para Jerusalém e reconheceria a cidade sagrada como a capital de Israel.

Após a morte de Abu Tharayya, palestinos com deficiência realizaram um protesto perto do Portão da cidade de Damasco, para condenar tanto seu assassinato quanto as ações dos EUA em Jerusalém. Manifestantes gritavam slogans contra a violência de Israel, mas foram atacados pelas forças israelenses durante o protesto.

Nos meses que se seguiram, centenas de manifestantes palestinos foram mortos a tiros por em Israel, naquela que se tornou conhecida como a Grande Marcha de Retorno. Embora originalmente planejada para acontecer por seis semanas , a partir do Dia da Terra, em 30 de março, até Dia Nakba em 15 de maio, a marcha continua até hoje.

Entre 30 de março de 2018 e 14 de maio de 2019, 305 palestinos, incluindo 59 crianças, foram mortos pelas forças israelenses, segundo o Ministério da Saúde em Gaza. Outros 29.000 ficaram feridos e ou com lesões que mudaram suas vidas, informou o UN OCHA.

Categorias
IsraelNotíciaONUOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestine
Show Comments
Show Comments