Portuguese / English

Middle East Near You

Política de deportação de Ruanda está ‘morta e enterrada’, diz Keir Starmer, novo primeiro-ministro do Reino Unido

O líder do Partido Trabalhista, Sir Keir Starmer, faz seu primeiro discurso do lado de fora da 10 Downing Street depois de ser nomeado o 58º primeiro-ministro da Grã-Bretanha após uma vitória esmagadora nas eleições gerais em Londres, Reino Unido, em 05 de julho de 2024. [Wiktor Szymanowicz/ Agência Anadolu].

Em sua primeira coletiva de imprensa desde que assumiu o cargo, o primeiro-ministro do Reino Unido, Keir Starmer, anunciou o fim da polêmica política de deportação de Ruanda introduzida pelo antigo governo conservador, informa a Anadolu.

O esquema de envio de solicitantes de asilo para Kigali foi oficialmente eliminado, marcando uma mudança significativa na política do novo governo trabalhista.

Starmer enfatizou seu compromisso de acabar com o que ele descreveu como medidas de imigração ineficazes e desumanas.

“O esquema de Ruanda estava morto e enterrado antes de começar. Nunca foi um impedimento”, disse ele em Downing Street.

Ele apontou o número recorde de migrantes que cruzaram o Canal da Mancha no primeiro semestre de 2024 como prova do fracasso da política.

“As chances eram de não ir e não ser processado, e ficar aqui, portanto, em acomodações pagas por um tempo muito, muito longo. Isso teve o efeito completamente oposto e não estou preparado para continuar com artifícios que não funcionam como um impedimento”, acrescentou.

LEIA: Em campanha, Starmer promete reconhecer a Palestina como ‘parte do processo de paz’

O Partido Trabalhista havia se comprometido a interromper o plano de deportação de Ruanda “no primeiro dia”, caso fosse eleito, argumentando que a política não era apenas ineficaz, mas também cara e desumana.

A administração de Starmer agora está concentrada em abordar as causas fundamentais da imigração ilegal e melhorar o sistema de asilo do Reino Unido.

Para coibir as travessias do Canal da Mancha, Starmet delineou uma estratégia que envolve a contratação de investigadores especializados e a utilização de poderes antiterrorismo para desmantelar as gangues criminosas que facilitam as viagens perigosas.

O Partido Trabalhista planeja redirecionar os fundos atualmente alocados para o esquema de Ruanda para atividades de fiscalização. O partido propôs a criação de um novo “Comando de Segurança de Fronteira” para processar as gangues que operam rotas de pequenas embarcações e aumentar a cooperação de segurança com a UE.

Além disso, os trabalhistas pretendem dar poderes à polícia para revistar indivíduos suspeitos de contrabando de pessoas e conceder novos poderes para monitorar suas contas financeiras.

Categorias
ÁfricaEuropa & RússiaNotíciaReino UnidoRuanda
Show Comments
Palestina: quatro mil anos de história
Show Comments