Portuguese / English

Middle East Near You

Israel avança sobre Rafah e mata 17 nos campos de refugiados centrais

Palestinos que buscaram refúgio em Deir al-Balah depois que o exército israelense atacou barracas em Rafah, anteriormente declarada como uma "zona segura" por Israel, estão lutando para sobreviver entre os escombros de edifícios destruídos sob condições adversas em Deir Al Balah, Gaza, em 30 de maio de 2024. [Abed Rahim Khatib - Agência Anadolu]

Ataques aéreos israelenses mataram pelo menos 17 palestinos em dois dos campos de refugiados da Faixa de Gaza administrados pela ONU na terça-feira, informou a Reuters. Os tanques do Estado de ocupação também se aprofundaram na cidade de Rafah, no sul do enclave, segundo confirmaram moradores e médicos.

Os moradores relataram bombardeios pesados de tanques e aeronaves em várias áreas de Rafah, onde mais de um milhão de pessoas haviam se refugiado antes de maio. A maior parte da população fugiu para o norte desde então, quando as forças israelenses invadiram a cidade.

“Rafah está sendo bombardeada sem qualquer intervenção do mundo, a ocupação [Israel] está agindo livremente aqui”, disse um morador de Rafah e pai de seis filhos à Reuters por meio de um aplicativo de bate-papo.

Os tanques israelenses estavam operando nas áreas de Tel Al-Sultan, Al-Izba e Zurub, no oeste de Rafah, bem como em Shaboura, no centro da cidade. Eles também continuaram a ocupar os bairros e os arredores do leste, bem como a fronteira com o Egito e a passagem vital da fronteira de Rafah.

“Há forças israelenses na maioria das áreas, há resistência pesada também e eles estão fazendo com que paguem caro, mas a ocupação não é ética e eles estão destruindo a cidade e o campo de refugiados”, apontou o morador.

LEIA: Finalmente, a ocupação israelense e o Daesh estão na mesma lista negativa da ONU

Autoridades de saúde palestinas disseram que um homem foi morto pela manhã por fogo israelense no lado leste de Rafah. Os médicos disseram que acreditavam que muitos outros haviam sido mortos nos últimos dias e semanas, mas que as equipes de resgate não conseguiam chegar até eles.

Os militares israelenses disseram que continuavam com “atividades precisas e baseadas em inteligência” em Rafah, matando muitos homens armados palestinos no último dia em combates a curta distância e apreendendo armas. A força aérea atingiu dezenas de alvos em toda a Faixa de Gaza no último dia, acrescentou.

Na região central da Faixa de Gaza, dois ataques aéreos israelenses separados contra duas casas mataram 17 palestinos em Al-Nuseirat e Al-Bureij, dois campos de refugiados designados que abrigam famílias e descendentes de pessoas que foram etnicamente limpas e buscaram refúgio em Gaza na Nakba de 1948, quando Israel foi criado em suas terras, disseram médicos.

“A cada hora de atraso, Israel mata mais pessoas, queremos um cessar-fogo agora”, disse Khalil, 45 anos, um professor de Gaza, agora deslocado com sua família na cidade de Deir Al-Balah, na região central da Faixa de Gaza. “Chega do nosso sangue, eu digo isso a Israel, aos Estados Unidos e aos nossos líderes também. A guerra precisa parar”, disse ele à Reuters.

LEIA: O genocídio dos palestinos por meio de IA de Israel

A declaração militar israelense não comentou diretamente sobre as 17 mortes, mas disse que as forças continuaram a operar contra facções militantes [sic] nas áreas centrais de Gaza. O comandante de uma célula de franco-atiradores da Jihad Islâmica foi morto por um avião de guerra israelense, e as tropas também “eliminaram” uma célula militante [sic].

As alas armadas do Hamas e da Jihad Islâmica disseram que os combatentes confrontaram as forças israelenses nas zonas de combate com foguetes antitanque e bombas de morteiro e, em algumas áreas, detonaram dispositivos explosivos pré-plantados contra unidades do exército.

A última guerra israelense começou em 7 de outubro, quando o Hamas, o governo de fato em Gaza, cruzou a fronteira em uma incursão durante a qual 1.200 israelenses foram mortos, muitos deles por tanques e helicópteros das Forças de Defesa de Israel, de acordo com a mídia local. O movimento de resistência levou cerca de 250 pessoas de volta a Gaza como reféns.

A ofensiva subsequente de Israel não só matou pelo menos 38.000 palestinos – principalmente crianças e mulheres – como também feriu 80.000 pessoas e criou uma crise humanitária com escassez de alimentos, combustível e medicamentos, além de água, em um território cuja infraestrutura habitacional e civil agora é pouco mais que escombros.

Desde uma trégua de uma semana em novembro, as repetidas tentativas de organizar um cessar-fogo fracassaram, com o Hamas insistindo em um fim permanente da guerra e na retirada total de Israel de Gaza. O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu se recusa a encerrar a guerra antes que o Hamas seja erradicado e os reféns sejam libertados. Israel continua a manter milhares de palestinos em suas prisões e no que foi descrito como campos do tipo “Guantánamo”, a maioria deles sem acusação nem julgamento. Eles também são reféns, exceto no nome.

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Palestina: quatro mil anos de história
Show Comments