Portuguese / English

Middle East Near You

Especialista da ONU em crianças e conflitos armados rebate críticas ao ‘silêncio’ sobre Gaza

Reunião de imprensa da Representante Especial do Secretário-Geral para Crianças e Conflitos Armados, Virginia Gamba, na sede da ONU [Lev Radin/Pacific Press/LightRocket via Getty Images]

A Representante Especial da ONU para Crianças e Conflitos Armados, Virginia Gamba, rebateu nesta quinta-feira as críticas sobre o “relativo silêncio” em relação à crise na Faixa de Gaza, afirmando que ela “falou publicamente” sobre o assunto várias vezes, informa a Agência Anadolu.

Gamba deu uma entrevista coletiva na ONU, em Nova York, que se concentrou no último “Children and Armed Conflict Report” (Relatório sobre Crianças e Conflitos Armados), que contém dados de 2023 e foi obtido anteriormente pela Anadolu.

Em resposta à pergunta da Anadolu sobre “por que a senhora não se manifestou mais abertamente sobre a terrível situação das crianças em Gaza após o dia 7 de outubro” e seu “relativo silêncio” sobre o assunto, Gamba disse: “Ouvi falar muito sobre o fato de eu não ter me manifestado ou não sobre a questão de Gaza. Sinceramente, acho que essas observações são motivo de preocupação para mim porque, claramente, falei publicamente mais de sete vezes sobre o assunto, com declarações públicas que não parecem ser registradas”.

Gamba realizou uma coletiva de imprensa na ONU, em Nova York, com foco no último “Children and Armed Conflict Report” (Relatório sobre crianças e conflitos armados), que contém dados de 2023 e foi obtido anteriormente pela Anadolu.

LEIA: ‘Queimados vivos’: Israel bombardeia refugiados em ‘zona segura’ de Rafah

Em resposta à pergunta da Anadolu sobre “por que a senhora não se manifestou mais abertamente sobre a terrível situação das crianças em Gaza após o dia 7 de outubro” e seu “relativo silêncio” sobre o assunto, Gamba disse: “Ouvi falar muito sobre o fato de eu não ter me manifestado ou não sobre a questão de Gaza. Sinceramente, acho que essas observações são motivo de preocupação para mim porque, claramente, falei publicamente mais de sete vezes sobre o assunto, com declarações públicas que não parecem ser registradas”.

Gamba disse que, durante a sessão do Conselho de Segurança sobre “crianças e conflitos armados” em 3 de abril, ela foi solicitada por Malta, o organizador, a abordar a questão em termos gerais.

Ela disse que todos os membros do Conselho foram informados sobre o conteúdo da sessão com um mês de antecedência.

Portanto, as críticas dirigidas a ela por não mencionar Gaza foram “indelicadas”.Ela argumentou que as críticas lançam uma sombra sobre sua objetividade e imparcialidade, “o que eu realmente não aceito”, disse ela.

Mais tarde, a especialista da ONU agradeceu à Anadolu por apontar que as informações oficiais sobre Gamba mencionando Gaza sete vezes em seus comentários não foram encontradas em lugar algum. “Porque às vezes é bom para mim saber disso”, disse ela.

LEIA: Israel mata mais de 210 em massacre planejado para resgatar 4 reféns

Enfatizando que seu escritório tem 12 funcionários trabalhando em mais de 100 conflitos, ela disse que eles não recebem “fundos extra-orçamentários para nenhuma das necessidades” que solicitaram.

Em resposta a uma pergunta sobre por que ela nunca esteve em Gaza, Gamba disse que essa questão é uma prioridade para as unidades humanitárias da ONU. “Não foi minha decisão não ir a Gaza. Eu vou quando me pedem para ir”, disse ela.Perguntada se ela ficou comovida com as imagens que encontrou em Gaza, Gamba disse:”Se eu ficasse comovida com cada uma dessas imagens, eu pedi demissão do meu trabalho hoje. Estou comovida. Eu guardo isso para mim, porque alguém tem que fazer o trabalho, e você não pode fazer o trabalho se estiver chorando no chão”, disse ela.

Categorias
IsraelNotíciaONUOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Palestina: quatro mil anos de história
Show Comments