Portuguese / English

Middle East Near You

Colonos israelenses invadem comunidade beduína perto de Jericó na Cisjordânia ocupada

A polícia israelense detém um homem enquanto beduínos protestam na aldeia de Sawe al-Atrash, no sul de Israel, no deserto de Neguev, contra um projeto de florestamento do Fundo Nacional Judaico (JNF), [Ahmad Gharabli/AFP via Getty Images].

Um grupo de colonos israelenses invadiu nesta manhã a comunidade beduína de Arab Al-Malihat, localizada a noroeste de Jericó, na Cisjordânia ocupada.

O supervisor geral da Organização Al-Baydar de Defesa dos Direitos dos Beduínos, Hassan Malihat, relatou que os colonos invadiram a comunidade duas vezes desde o amanhecer, com o objetivo de provocar e intimidar os moradores.

De acordo com a agência de notícias Wafa, os ataques incluem agressões físicas aos cidadãos, demolição de casas e confisco de terras, destruição de plantações, apreensão de propriedades, criação de emboscadas à noite para aterrorizar os cidadãos e impedir que os pastores tenham acesso aos pastos.

Malihat disse à Wafa que a comunidade árabe de Al-Malihat vem sofrendo cada vez mais ataques diários de colonos extremistas. Essas provocações se intensificaram recentemente, coincidindo com o crescimento de postos coloniais na área a noroeste de Jericó.

LEIA: Colonos incendeiam casa de família palestina em Nablus, na Cisjordânia

Ele acrescentou que as autoridades de ocupação e os colonos estão explorando a guerra em Gaza para realizar a maior operação de deslocamento coletivo contra as comunidades beduínas.

Israel confiscou ilegalmente cerca de 27.000 acres de terra na Cisjordânia ocupada e forçou a saída de 25 comunidades palestinas desde o início da guerra contra Gaza, em 7 de outubro passado, dando continuidade à sua apropriação de terras que já dura décadas, informou um órgão do governo palestino no mês passado.

Depois de 7 de outubro, quando a ofensiva de Israel começou, Moayya Sha’ban, chefe da Comissão de Colonização e Resistência ao Muro, disse que as autoridades de planejamento israelenses submeteram a estudo “um total de 52 planos estruturais com o objetivo de construir um total de 8.829 unidades coloniais em uma área de 6.852 decares, dos quais 1.895 unidades foram aprovadas”.

Sobre os ataques de colonos, ele disse que, desde 7 de outubro, os colonos israelenses realizaram um total de 1.156 ataques que resultaram na morte de 12 palestinos.

De acordo com a lei internacional, os assentamentos judaicos na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental são ilegais.

Israel é acusado de genocídio no Tribunal Internacional de Justiça (TIJ). Uma decisão provisória em janeiro ordenou que Tel Aviv parasse com os atos genocidas e tomasse medidas para garantir que a assistência humanitária fosse fornecida aos civis em Gaza.

.

Categorias
IsraelNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestinaTIJ
Show Comments
Palestina: quatro mil anos de história
Show Comments