Portuguese / English

Middle East Near You

Ex-general de Israel diz que guerra de Gaza é “sem propósito” e gabinete de Netanyahu precisa demitir-se

O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu (C) posa para uma fotografia de grupo com membros do seu gabinete antes de uma reunião de gabinete no Museu das Terras Bíblicas em Jerusalém a 5 de junho de 2024 [Gil Cohen-MagenI/POOL/AFP via Getty Images]

O antigo major-general israelense, Itzhak Brik, voltou a criticar o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, o ministro da Defesa Yoav Gallant e o chefe do Estado-Maior Herzi Halevi e pediu a sua demissão por não terem liderado a guerra na Faixa de Gaza.

Num artigo publicado ontem pelo Maariv, intitulado “Uma guerra sem objetivo: enquanto os líderes mantêm as suas posições, as pessoas perdem os seus filhos”, Brik escreveu: “Em qualquer outro país democrático, eles [os três oficiais] seriam expulsos dos seus empregos e enviados para a prisão”.

Desde o início da guerra impiedosa de Israel contra a Faixa de Gaza sitiada, Brik tem criticado abertamente os líderes militares e políticos de Israel, acusando-os de não terem conseguido liderar a guerra.

“Já passou muito tempo desde que as nossas forças regressaram e atacaram repetidamente os locais que já tínhamos ocupado na Faixa de Gaza. A falta de forças não nos permite permanecer durante muito tempo nas terras que ocupamos e em cada ataque pagamos um preço muito elevado em termos de mortos e feridos”, afirmou.

LEIA: Israel perdeu a guerra contra o Hamas em Gaza, diz ex-comandante militar

Brik acrescentou que os soldados da ocupação não atacam os combatentes do Hamas porque estes “lutam em estilo de guerrilha e não querem uma batalha frente a frente”, mas os resistentes palestinos “montam armadilhas, fazem explodir edifícios, lançam foguetes e escondem-se em túneis, causando pesadas perdas ao exército israelense”.

Criticou também as táticas de guerra israelienses, que, segundo ele, “conduzem à morte e aos ferimentos dos soldados”.

De acordo com os dados oficiais do exército israelense, o número de soldados e oficiais mortos desde o início da guerra ascende a 650, dos quais 298 desde o lançamento da ofensiva terrestre no final de outubro do ano passado.

“A cada dia que passa, os nossos soldados são mortos quando entram em casas sitiadas, sem disciplina operacional, sem procedimentos básicos, sem aprender lições, sem controle e monitoramento de comandantes seniores e sem realizar exercícios básicos antes de entrar no edifício, como disparar um tanque ou um projétil de artilharia e enviar um avião, sem um drone ou um cão policial para verificar o edifício”, acrescentou.

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Palestina: quatro mil anos de história
Show Comments