Portuguese / English

Middle East Near You

De 120 palestinos em um massacre de Israel, a maioria era de uma única família

Membros da defesa civil palestina recuperam um corpo dos escombros de um prédio depois que ele foi atingido por um ataque israelense no campo de refugiados de Jabalia, no norte de Gaza, em 1º de junho de 2024 [Omar Al-Qattaa/AFP via Getty Images]

Quando o exército israelense bombardeou um complexo residencial no campo de refugiados de Jabalia, no norte da Faixa de Gaza, em novembro passado, matou pelo menos 120 palestinos. A maioria dos mortos, segundo o Monitor de Direitos Humanos da Euro-Med, era de uma única família.

A ONG realizou uma investigação de meses sobre as circunstâncias do massacre, que Israel cometeu usando bombas fabricadas nos EUA com enorme poder de destruição. Ele fez parte do que foi descrito como genocídio de Israel contra civis palestinos na Faixa de Gaza, em andamento desde 7 de outubro do ano passado.

A investigação foi baseada em várias visitas de campo ao local do ataque, depoimentos de sobreviventes, relatos de testemunhas oculares e imagens de satélite. De acordo com as conclusões, aproximadamente 120 pessoas – a maioria delas de uma única família – foram mortas em vários ataques aéreos israelenses que tiveram como alvo a Praça Abu Eida, uma praça residencial com edifícios que abrigam centenas de civis e pessoas deslocadas.

O ataque de 1º de novembro de 2023 foi um crime de guerra e um crime contra a humanidade cometido pelo exército israelense, insiste o Euro-Med Monitor.

LEIA: ‘Queimados vivos’: Israel bombardeia refugiados em ‘zona segura’ de Rafah

Embora alguns moradores do bairro tenham permanecido na área após o ataque, a maioria dos residentes foi deslocada à força devido à destruição generalizada. Os edifícios visados desabaram completamente ou sofreram danos significativos.

De acordo com entrevistas com testemunhas e outras fontes, havia mais de 500 moradores na área quando ela foi atacada, e a maioria deles pertencia à família Abu Eida. Esse número inclui tanto os residentes regulares quanto os deslocados que buscaram refúgio no local.

A investigação constatou que, por volta das 12h30 daquele dia fatídico, a força aérea israelense lançou de seis a oito bombas na praça residencial sem qualquer aviso prévio. As bombas tinham como alvo edifícios residenciais que variavam de um a cinco andares, bem como um jardim de infância.

Aparentemente, as bombas foram lançadas de forma rápida e inesperada no que é conhecido como “anel de fogo”, uma tática que o exército israelense tem usado em toda a Faixa de Gaza desde o início de sua ofensiva militar em outubro passado. Isso resultou em perdas humanas e materiais significativas, principalmente porque os moradores não puderam fugir.

LEIA: Palestinos são forçados a beber água suja sob os ataques de Israel

“Aeronaves israelenses atingiram um centro de comando e controle de facções palestinas em Jabalia no início de 1º de novembro de 2023, com base em informações precisas de inteligência”, afirmou o exército israelense. “Membros do Movimento Hamas foram eliminados no ataque”. Na mesma declaração, o exército alegou ter “instado os habitantes de Gaza [sic] dessa vizinhança a evacuar” como parte de seus esforços para “mitigar os danos aos civis” e que o exército “continua a pedir a todos os residentes do norte de Gaza e da Cidade de Gaza que evacuem para o sul, para uma área mais segura”.

A investigação da equipe do Monitor Euro-Med, no entanto, mostrou que o exército israelense não emitiu nenhum aviso ou alerta prévio antes de atacar essa área densamente povoada. Todos os sobreviventes e testemunhas oculares negaram ter recebido qualquer tipo de aviso prévio antes do início do bombardeio. Com a permissão dos moradores, a equipe do Euro-Med Monitor examinou seus telefones e não encontrou notificações, mensagens de texto ou evidências de ligações dizendo para eles evacuarem.

Na quarta-feira, 1º de novembro de 2023, o exército israelense divulgou imagens de vídeo de um ataque aéreo que, segundo ele, eliminou um membro do Hamas na área de Al-Faluga. No entanto, uma análise desse vídeo e uma comparação com imagens de satélite mostram que, em vez da Praça Abu Eida, o ataque ocorreu em um local diferente no campo de refugiados de Jabalia em 31 de outubro. Além disso, nenhum dos nomes dos indivíduos que o exército israelense alega ter visado apareceu quando o Euro-Med Monitor analisou os nomes das vítimas do massacre da Praça Abu Eida, levantando mais dúvidas sobre a veracidade do relato israelense sobre o ataque.

Todas as pessoas com quem o Euro-Med Monitor conversou negaram ter visto grupos armados ou conflitos militares na área antes do bombardeio. Eles confirmaram que havia famílias e pessoas deslocadas na área, a maioria das quais pertencia à mesma família. Na verdade, a equipe da ONG não encontrou nenhuma evidência de alvos militares ou elementos armados nas proximidades da praça residencial no momento do ataque israelense. Tratava-se claramente de uma área residencial civil densamente povoada.

Vários especialistas em armas e inspetores concluíram que as armas usadas no ataque de 31 de outubro eram bombas JDAM (Joint Direct Attack Munition). Essas bombas podem ter sido GBU 31 (Warhead Mark 84) ou GBU 56 (Warhead BLU 109/“fortification-piercing”) e pesavam aproximadamente 2.000 libras (cerca de 900 quilogramas). Essas bombas faziam parte do arsenal do exército israelense, que era fornecido pelos Estados Unidos, importado dos EUA ou produzido localmente sob licença.

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Palestina: quatro mil anos de história
Show Comments