Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Presidente da Comunidade Palestina do Chile enaltece embaixada como ‘gesto histórico’

Presidente do Chile Gabriel Boric participa de comemorações de Natal junto da comunidade palestina em Santiago, em dezembro de 2022 [Comunidade Palestina do Chile/MEMO]
Presidente do Chile Gabriel Boric participa de comemorações de Natal junto da comunidade palestina em Santiago, em dezembro de 2022 [Comunidade Palestina do Chile/MEMO]

Gabriel Boric, de 36 anos, o mais jovem presidente chileno a ser eleito e tomar posse, anunciou na véspera de Natal, 24 de dezembro, que seu país decidiu ampliar seu nível de representação nos territórios palestinos ocupados à grade de embaixada, com intuito de estabelecer relações bilaterais Palestina-Chile. Atualmente, o relacionamento é conduzido por meio de um escritório de negócios. Entre dez países latino-americanos, o Chile será o primeiro a abrir uma embaixada na Palestina, enquanto nações-irmãs têm apenas escritórios de representação ou consulados.

“Vamos elevar o caráter de nossa representação oficial na Palestina, atualmente instituída por meio de um escritório de negócios; vamos abrir uma embaixada de nosso governo para conferir a representação que lhe é devida”, declarou o presidente chileno.

Boric lamentou ainda que a Palestina não costuma aparecer nos mapas. “Sempre me perturba bastante ver o Oriente Médio e não ver a Palestina no Google Maps”, reafirmou. “Os palestinos são um povo que existe, que resiste, que tem sua história”.

LEIA: Boric do Chile desperdiçou oportunidade para Palestina na ONU

Presidente do Chile Gabriel Boric participa de comemorações de Natal junto da comunidade palestina em Santiago, em dezembro de 2022 [Comunidade Palestina do Chile/MEMO]

Presidente do Chile Gabriel Boric participa de comemorações de Natal junto da comunidade palestina em Santiago, em dezembro de 2022 [Comunidade Palestina do Chile/MEMO]

Boric fez seu anúncio em um discurso proferido durante as comemorações de Natal deste ano, junto da comunidade palestina da capital Santiago. O presidente compareceu a uma cerimônia para acender a árvore de Natal do Clube Palestino e reiterou seu apoio à causa palestina.

“Hoje, aqui no Clube Palestina, não podemos nos esquecer de uma comunidade que sofre com uma ocupação ilegal; que resiste, mas vê seus direitos e sua dignidade violados todo santo dia”, prosseguiu Boric. “É preciso dizer isso com todas as letras”.

A comemoração foi realizada no Clube Palestino da comuna de Las Condes, situada na província de Santiago. Autoridades e membros da comunidade estiveram presentes, incluindo a primeira-dama Irina Karamanos, a ministra Ana Lya Uriarte, os deputados Jorge Alessandri (UDI) e Helia Molina (PPD), a ex-senadora Marcela Sabat, a ex-ministra Isabel Plá e o ex-procurador-geral da República Sabas Chahuán.

A decisão de Boric de elevar o status da diplomacia para com a Palestina coloca o país ocupado em uma posição avançada na política externa e toma em consideração os territórios palestinos sob ocupação israelense. A decisão foi muito bem-recebida pela comunidade palestina do Chile, que se apressou para elogiá-la via declaração assinada pelo presidente Maurice Khamis Massu.

“Como chileno de origem palestina, agradeço nosso país por tal mensagem de esperança a um povo que vive sob ocupação brutal, crimes de guerra flagrantes, expansão dos assentamentos e regime de apartheid”, insistiu o comunicado. “Trata-se de um ato concreto de apoio ao direito de autodeterminação do povo palestino, de acordo com as leis internacionais … Quem opor-se-ia a tais medidas? Apenas aqueles que se opõem ao estabelecimento de um Estado Palestino, princípio básico a todos os palestinos nas terras ocupadas. Quem quer que objete tais medidas opõe-se rigorosamente a uma paz justa e duradoura na região”.

Publicações: Deportivo Palestino do Chile

Em entrevista concedida ao MEMO, Massu enalteceu a decisão do atual governo em Santiago: “Como comunidade, somos gratos pela convicção e pelo compromisso inegável de Boric à lei internacional e aos direitos humanos. Agradecemos profundamente o gesto histórico de elevar o nível de representação do Chile no Estado da Palestina … O Chile sempre mostrou tamanho apoio desde que os primeiros imigrantes chegaram da Palestina ao país, no fim do século XIX”.

Presidente da Comunidade Palestina do Chile Maurice Khamis Mas [Comunidade Palestina do Chile/MEMO]

Presidente da Comunidade Palestina do Chile Maurice Khamis Mas [Comunidade Palestina do Chile/MEMO]

Conforme Maher Pichara, diretor executivo da Comunidade Palestina, Boric “deixou bem claro que palavras bonitas não são suficientes e que é preciso ir muito além! O presidente reconhece o direito à autodeterminação do povo palestino, ao elevar as relações entre ambos os países ao mais alto nível de diplomacia, a despeito dos esforços de Israel de pressionar os países a tratar do assunto como uma dívida aberta”.

“O presidente do Chile continua a apoiar as relações chileno-palestinas de maneira que faz boa parte de sua população, quase meio milhão de chilenos de raízes palestinas, sentirem orgulho”, comentou Pichara ao MEMO. “Esperamos que esta medida tenha um efeito cascata em outros países da América Latina e de todo o mundo para que elevem sua representação diplomática na Palestina ocupada”.

O Chile abriga uma das maiores (e mais antigas) comunidades palestinas fora do mundo árabe. Quase meio milhão de pessoas com origem palestina vivem no país, de um total de 18 milhões de pessoa. Dia após dia, a postura de Boric sobre a causa palestina – mesmo após tomar posse como presidente – projeta uma sensação de renascimento aos palestinos do Chile, como uma nova era para o país e seus vizinhos na América do Sul.

LEIA: Presidentes latino-americanos falam abertamente dos direitos palestinos na ONU

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasChileIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments