Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Um artista explorando a luz e a percepção entre o impressionismo francês e a cultura dos Emirados Árabes

A artista dos Emirados, Alia Zaal, diz que seu trabalho foi inspirado pela visão fraca de seu pai, pois 'ele foi forçado a abordar a arte de maneira um pouco diferente, prestando muita atenção aos detalhes'
A artista e curadora Alia Zaal durante sua mostra [Acervo da artista]
A artista e curadora Alia Zaal durante sua mostra [Acervo da artista]

Há muitos artistas hoje inspirados pelo impressionismo francês do século XIX. Mas e se a  artista em questão vier dos Emirados Árabes Unidos? Como alguém que cresceu em um ambiente onde a luz extrema precisa ser sombreada por telas de janela e o clima é escaldante, interage com o trabalho de artistas de dois séculos atrás, imersos no clima nublado francês?

Trabalho da artista e curadora Alia Zaal [Acervo da artista]

Trabalho da artista e curadora Alia Zaal [Acervo da artista]

A resposta está no trabalho da artista e curadora Alia Zaal. Ela fará uma mostra recentemente – “I Saw Time Passing (I)” – no Foundry Downtown, Dubai, baseado em sua residência em andamento na antiga casa do mestre do impressionismo, Claude Monet, em Vétheuil, França.

Zaal estudou as paisagens naturais de Vétheuil, Abu Dhabi e Dubai, tanto em seus ecossistemas naturais quanto artificiais, encontrando conexões entre sua própria paisagem dos Emirados Árabes e o impressionismo. A artista reimagina cenas familiares do mar, do deserto e da cidade iluminada pelo sol, a lua e as luzes da rua.

Organizada por sua galeria Hunna, a residência ocorreu em duas estadias separadas ao longo de um ano. Isso porque a artista queria ver o local sob uma luz diferente, no espírito das pinturas de Monet, que costumavam representar os mesmos prédios em diferentes momentos do dia. “Eu gosto de Monet”, observa Zaal. “Entretanto, entre os impressionistas, o que eu mais amo é Cézanne, eu costumava copiá-lo muito. No entanto, a residência em Vétheuil me deu a chance de aprofundar o trabalho de Monet e aprender com ele.”

Um dos primeiros temas de interesse para ela em Vétheuil foi o salgueiro, um tema frequente nas pinturas de Monet; lembrou-lhe o ghaf, a árvore nacional dos Emirados Árabes Unidos. “O ghaf é um símbolo histórico e cultural de estabilidade e paz no ambiente desértico dos Emirados Árabes Unidos, mas nunca se apresentou tanto quanto a palmeira”, disse-me Zaal. “Após minhas explorações da ideia de percepção, acho interessante pintar uma árvore que você realmente não sabe se é do Oriente Médio ou da Europa. Você pode ver uma árvore ghaf ou um salgueiro dependendo da luz que eu representaria em.”

As influências do pai

Zaal começou a se interessar pela luz para entender melhor a visão fraca de seu pai, cujos desenhos a fascinam desde a infância. “Meu pai nasceu com talento para desenhar e fazer arte. Mas, por ter uma visão fraca, foi forçado a abordar a arte de forma um pouco diferente, prestando muita atenção aos detalhes.”

Seu pai Zaal, nome que ela adotou para si mesma em vez de seu sobrenome real Lootah, cresceu nas décadas de 1960 e 1970, numa época em que o ensino de arte estava em sua infância em Dubai, e eles teriam professores do Egito, Síria, Líbano ou Kuwait: “Depois de estudar arte, meu pai começou a trabalhar na televisão, pintando fundos. Ele também expôs seu trabalho, e fez parte da exposição mais antiga documentada nos Emirados Árabes Unidos nos anos 70. Então ele começou a trabalhar em outra coisa com meu avô , mas ele nunca desistiu da arte. Ele ainda desenhava todos os dias.”

A arte é, de fato, parte integrante da comunicação diária entre pai e filha: “Quando verifico nossas mensagens de WhatsApp, há desenhos todos os dias. É uma forma de comunicação entre nós”. A família inteira gosta de arte, pois o pai ensinou a esposa a desenhar, e os irmãos de Alia também são criativos: seu falecido irmão era escultor, uma irmã é designer gráfica e a outra é designer de moda.

Da artista e curadora Alia Zaal [Acervo da artista]

Da artista e curadora Alia Zaal [Acervo da artista]

Zaal lembra que a escola de arte em Sharjah, foi também interessante para o desenvolvimento da arte nos Emirados Árabes Unidos. O mundo da arte e as escolas de arte estavam tentando ser mais internacionais pela primeira vez e se aproximando de outras culturas. “Eu tive uma professora que foi muito influente para mim. Ela nos fez estudar arte islâmica e arte asiática lado a lado com a arte ocidental, e ela nos levava para visitar estúdios de artistas.”

No entanto, no processo de estabelecer uma cena artística internacional nos Emirados Árabes Unidos, Zaal acredita que muitos dos artistas pioneiros locais cujo trabalho não foi documentado de forma consistente – incluindo seu pai – correm o risco de serem esquecidos. É por isso que ela terá uma próxima exposição em Dubai, onde mostra seu próprio trabalho ao lado do pai pela primeira vez, traçando as influências dele em sua arte. O título de trabalho é “Através de seus olhos”.

“Anonimato” e “Fora da minha janela”

A exposição incluirá uma série inicial, “Anonymity” de 2008, que partiu de um conjunto de reflexões pessoais. “Crescendo nos Emirados Árabes Unidos, você está acostumado com o fato de que todos nós usamos as mesmas roupas, pretas ou brancas, e temos nomes semelhantes, como Alia, Ahmed e Mariam. Temos sobrenomes comuns como o meu, Lootah. eu me pergunto o que é que nos torna indivíduos. Nós não mostramos quem somos culturalmente.”

Uma inspiração adicional veio de alguns desenhos de seu pai. “Ele desenharia os filhos do governante de Dubai sem seus rostos, apenas o ghutra e o kandura e os bigodes, mas você definitivamente saberia quem é quem sem nenhum traço facial.”

Zaal começou então a emparelhar essas duas ideias, representando os membros de sua própria família, pixelizando seus traços faciais, para enfatizar essa ideia de identidade, identificação e percepção. Ela então desafiou o pai a reconhecer os familiares a partir de suas representações. Mesmo que os rostos estivessem embaçados, ele nunca deixava de identificar a pessoa certa por alguma proporção, ou capturar uma visão de conjunto.

A artista continuou explorando essas reflexões sobre a percepção, aplicando-as às cidades e não aos indivíduos. Ela os fez convergir em uma série chamada “Fora da minha janela”.

LEIA: Sem deixar rastro: Detenções arbitrárias continuam no Egito

“Na época eu estava me mudando entre Abu Dhabi – que fica perto do mar e eu morava em um prédio alto – e Dubai, onde minha casa fica mais perto do deserto e fica no térreo.” Apesar de as duas cidades serem relativamente próximas uma da outra, as duas paisagens pareciam tão radicalmente diferentes para a artista, por causa do posicionamento de suas casas, bem como das diferentes vistas.

Além disso, movendo-se entre as duas cidades, ela observava como as janelas de carros com cores diferentes refletiam uma paisagem diferente. O resultado dessas reflexões foi uma série de pinturas onde a paisagem urbana é nebulosa e nunca a mesma, deixando o espectador se perguntar sobre a natureza individual da percepção.

Uma abordagem holística para a curadoria

Ao lado de sua arte, Zaal também é curadora, trabalhando para grandes instituições e projetos independentes. “Minha experiência no Louvre Abu Dhabi, que aconteceu em seus primórdios, me ensinou que a forma como você monta uma exposição é um pouco como fazer uma pintura, mover coisas aqui e ali, mudar o posicionamento das obras da maneira que eles interagem uns com os outros”.

Recentemente, ela foi curadora de uma exposição individual de Hashel Al Lamki na Alserkal Avenue em Dubai, chamada “Pulse”. “Foi bom trabalhar com um único artista, ao invés de um show em grupo. Ele é um amigo meu, então pudemos dedicar um tempo para passar dez meses trabalhando na produção.”

Zaal não tem um cronograma definido para dividir seu trabalho curatorial de sua arte. “Está tudo interconectado. Se eu trabalho para uma instituição, é meu trabalho diário, mas quando faço isso com amigos, apenas passamos o tempo juntos à noite e conversamos sobre arte. Então é mais um fluxo de coisas.”

Junto com a mostra com seu pai, Alia Zaal também terá um nova exposição  no Foundry Downtown em Dubai, i chamada “I saw time passing II”, e um terceiro na França em dezembro.

LEIA: ‘Na cultura do Oriente Médio, comida e hospitalidade são uma linguagem de amor’

 

Categorias
ÁfricaEgitoEmirados Árabes UnidosEntrevistasEuropa & RússiaFrançaKuwaitLíbanoOriente MédioSíriaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments