Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Como o chanceler do Egito criou uma tempestade em seu próprio copo d’água

O ministro das Relações Exteriores egípcio Sameh Shokry faz um discurso na capital Cairo, em 24 de julho de 2022[Foto de Khaled Desouki/AFP via Getty Images]

A delegação egípcia, chefiada pelo ministro das Relações Exteriores, Sameh Shoukry, retirou-se da 158ª reunião ministerial da Liga dos Estados Árabes (LAS) em 6 de setembro, um raro passo diplomático egípcio. A reunião da LAS foi presidida pela Ministra das Relações Exteriores da Líbia, Najla Al-Mangoush, quando seu país assumiu a posição do Líbano.

A saída de Shoukry da reunião foi uma surpresa para muitos, incluindo seus outros 21 colegas e representantes dos estados membros da LAS – nenhum se juntou a ele em sua paralisação.

Procurando explicar o que aconteceu no dia seguinte, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Ahmed Abuzaid, disse que seu chefe deixou a reunião como um “protesto” contra Al-Mangoush assumindo a presidência da reunião. Por quê? Porque o “mandato” do Governo de Unidade Nacional (GNU) que ela representa expirou, o que significa que o GNU não é mais um representante legítimo da Líbia—membro do LAS. Abuzaid parecia insinuar que seu governo não reconhece o GNU, sem realmente dizê-lo. Ele passou a questionar a legitimidade da própria reunião ministerial do LAS, sugerindo ainda que outros ministros do LAS apoiaram a posição de seu chefe. No entanto, a ministra Al-Mangoush contradisse isso diretamente quando, em sua declaração de abertura, agradeceu a seus colegas por “apoiar” o direito de seu país de assumir a presidência da reunião. Além disso, nenhum representante dos outros 21 membros da LAS saiu da reunião, exceto o Sr. Shoukry.

Além disso, o Cairo nunca retirou oficialmente seu reconhecimento do GNU como o governo legítimo na Líbia. Independentemente de quão legal seja o GNU, ou quão legítima seja sua representação da Líbia no cenário internacional, ainda é o único governo aceito internacionnalmente. Além disso, o embaixador da Líbia no Egito, seu cônsul-geral em Alexandria e seu representante permanente na LAS são todos nomeados pelo GNU e se reportam diretamente à ministra Al-Manghoush como ministra das Relações Exteriores.

Se o governo egípcio não reconhecer o GNU como o governo legítimo da Líbia, o procedimento normal teria sido interromper todo contato com o GNU, incluindo a retirada do embaixador do Cairo de Trípoli.

LEIA: Egito ‘restringe severamente’ trabalho ambiental, alerta HRW

De fato, em fevereiro passado, o Parlamento da Líbia, sediado no leste da Líbia, nomeou Fathi Bashaga como primeiro-ministro em vez de Abdul Hamid Dbeibah, que perdeu o voto de confiança em setembro de 2021. Mas Bashaga não conseguiu, até agora, ser aceito como primeiro-ministro por qualquer outro estado, ou a ONU. Ele não é tratado nessa capacidade, nem mesmo pelo Ministério das Relações Exteriores de Shoukry.

A reunião dos ministros das Relações Exteriores da LAS geralmente ocorre após várias reuniões políticas técnicas e preparatórias presididas pelo mesmo país que lidera as reuniões ministeriais, ou seja, a Líbia neste caso. As delegações egípcias não boicotaram tais reuniões preparatórias, o que levanta outra questão: por que Sameh Shoukry escolheu agir de maneira tão embaraçosa e qual é o ponto que ele deseja transmitir? Se o Sr. Shoukry quis interromper a reunião, ele falhou e se sua mensagem foi sobre a unidade e solidariedade do LAS, então não conseguiu passar.

Fontes a par do ocorrido apontam que o próprio Shoukry queria presidir a reunião, dada a sua importância, ignorando a Líbia, já que o Egito vem depois da Líbia na ordem alfabética árabe, conforme adotado nas reuniões da LAS.

A reunião 158 é crítica porque ocorre antes da reunião dos ministros das Relações Exteriores da LAS-União Européia planejada para o final deste ano, e apenas dois meses antes da cúpula da LAS a ser realizada na Argélia em novembro próximo. A Sra. Al-Mangoush, que presidiu a última reunião dos ministros das Relações Exteriores árabes na semana passada, deve liderar as duas próximas reuniões, sempre que elas se reunirem.

Embora os líbios tenham muitas queixas contra o GNU e particularmente sua ministra das Relações Exteriores, Al-Mangoush, eles se uniram a ela, neste caso, porque viram o assunto como sendo sobre a Líbia como um país, e não sobre um governo em particular versus o outro. Eles também viram a ação egípcia como uma tempestade em copo d’água, mas no copo de Shoukry e não no deles.

A maioria dos comentaristas líbios, incluindo os críticos mais surpreendentes do GNU, criticaram a ação de Shoukry, apontando que o que aconteceu é mais uma prova de que o Egito está do lado de uma parte no conflito interno da Líbia em vez de ser neutro, como afirma.

As relações entre Cairo e Trípoli pareciam esquentar quando, em abril de 2021, o primeiro-ministro do Egito, Mostafa Madbouly, liderou uma grande delegação empresarial e política em uma visita a Trípoli, onde assinou uma dúzia de memorandos de entendimento bilaterais cobrindo relações trabalhistas, econômicas e diplomáticas .

Embora este não seja um grande tropeço de Sameh Shoukry, não é a primeira vez. Muitos observadores e diplomatas egípcios acreditam que o Ministério das Relações Exteriores de seu país é uma instituição falida, no momento em que é mais necessário.

LEIA: As violações trabalhistas nas políticas de emprego das empresas estatais do Egito

Um ex-embaixador egípcio em um dos vizinhos de seu país me disse que Shoukry tem sido “incapaz de fazer seu trabalho” corretamente enquanto o país enfrenta sérios problemas de relações exteriores, não apenas com a Líbia, mas também com muitos outros países africanos. O embaixador aponta o arquivo de reconciliação palestina entre Hamas e Fatah, que foi “monopolizado” pelo Ministério das Relações Exteriores do Cairo sem sucesso nas últimas três décadas. O embaixador, em tom triste, destaca como Shoukry lidou mal com a questão do compartilhamento de água do rio Nilo com a Etiópia, deixando-a para o último minuto, apenas para “falhar” em resolvê-la. Ele acrescentou que a decisão de Shoukry de encaminhar a disputa ao Conselho de Segurança da ONU foi “o maior” fracasso diplomático da política externa do Cairo. O embaixador concluiu dizendo que “o último tropeço de Shoukry é um constrangimento pessoal e um fracasso notável para uma potência diplomática outrora formidável”.

De acordo com muitos comentaristas egípcios com quem conversei, Sameh Shoukry deveria ser demitido, dado seu péssimo desempenho como ministro das Relações Exteriores nos últimos oito anos – desde que foi nomeado pela primeira vez em junho de 2014. Eles alegam que o homem não conseguiu reformar a instituição e tratou mal diferentes questões de política externa que importam para o Egito, particularmente seus laços regionais. Eles também apontam que o presidente Abdel Fattah El-Sisi, depois de ganhar um segundo mandato como presidente, deveria ter substituído o Sr. Shoukry como ministro das Relações Exteriores.

O Sr. Shoukry boicotará qualquer próxima reunião presidida pela Líbia? Saberemos a resposta muito em breve.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoEgitoLíbiaONUOpiniãoOrganizações Internacionais
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments