Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Elizabeth II, a longeva monarca do Reino Unido que nunca visitou Israel

Elizabeth também foi a primeira monarca britânica a ver o jubileu de platina, homenageando seus 70 anos no trono.

A pergunta que ocupou a mídia israelense desde o anúncio da morte da Rainha Elizabeth II foi o porquê da monarca jamais ter visitado Israel. “Ela visitou a Jordânia, Egito e outros países do Oriente Médio e Norte da África – mas nunca Israel”, lembrou o Jerusalém Post, incluindo comentários simpáticos ao povo palestino feito pela rainha após viagem à Jordânia em 1984,

O jornal israelense observa que, durante um tempo, acreditava-se comumente que o Ministério das Relações Exteriores britânico, por medo de boicotes árabes, havia aconselhado a rainha a não visitar Israel, mas que mesmo depois que não havia mais nenhum medo real de boicotes e embargos de petróleo, a rainha ainda assim não rompeu o boicote.

“A recusa de décadas da família real em realizar uma visita oficial ao Estado de Israel – sem hesitar em viagens a monarquias autoritárias como Arábia Saudita e Catar – irritou muitos políticos israelenses e membros da comunidade judaica britânica.”, disse o Times of Israel, lembrando que, em 2015, um funcionário anônimo do governo britânico disse ao The Telegraph que “até que haja um acordo entre Israel e a Autoridade Palestina, a família real não pode realmente ir lá”.

O jornal Haaretz publicou artigo sobre o boicote e lembrou que, em 1986, a primeira-ministra Margareth Tatcher visitou Israel e respondeu a uma pergunta do jornalista David Landau, sobre o porquê do boicote da rainha. “Mas eu estou aqui” – disse ela, afirmando uma política de parceria que prosseguiu sem abalos. A midia israelense também recorda o fato de que a rainha recebeu presidentes israelenses e que seu marido, o duque de Edimburgo, seus filhos, o príncipe Edward e o príncipe Charles, visitaram Israel.

De fato, o cuidado da rainha em não visitar Israel pela falta de uma solução para os palestinos nunca significou a falta de apoio britânico aos interesses de Israel. A recente nomeação da nova primeira-ministra britânica, Liz Truss, indica que os laços tendem a se fortalecer, dadas as posições conhecidas da nova dirigente em favor do Estado de ocupação da Palestina.

LEIA: Vossa Majestade: peça desculpas para marcar seu Jubileu de Platina e ajude a acabar com essa história venenosa

Nascida em 21 de abril de 1926, a rainha Elizabeth II subiu ao trono após a morte de seu pai, o rei George VI, em 6 de fevereiro de 1952.

Em 2015, ela se tornou a monarca britânica mais antiga da história, superando até o reinado de sua tataravó, a rainha Vitória, que ficou no trono por 63 anos e sete meses.

Elizabeth também foi a primeira monarca britânica a ver o jubileu de platina, homenageando seus 70 anos no trono.

Ela foi a única mulher membro da família real a entrar nas forças armadas.

Elizabeth II foi a chefe de Estado que mais viajou no mundo, pois visitou mais de 110 países, mas nunca usou um passaporte porque não tinha um. Ela também era a única pessoa no Reino Unido que tinha permissão para dirigir um carro sem carteira de motorista.

Sua visita oficial à então Alemanha Ocidental em 1965 foi a primeira visita alemã de uma realeza britânica desde antes da eclosão da Primeira Guerra Mundial.

Elizabeth fez uma visita ao Brasil, em 1968, ainda durante a ditadura militar. Na ocasião, ela inaugurou o Museu de Arte de São Paulo, o MASP, na Avenida Paulista.

Núpcias e polêmicas

Em 21 de outubro de 1966, uma avalanche de lama e água de uma mina de carvão matou 116 crianças e 28 adultos na vila de Aberfan, no sul de Gales. Uma semana depois, a rainha visitou o local, mas enfrentou críticas, pois alguns achavam que ela deveria ter ido mais cedo.

Em 29 de julho de 1981, cerca de 750 milhões de pessoas em 74 países foram assistir seu filho, o príncipe Charles, se casar com Lady Diana Spencer na Catedral de St. Paul, em Londres.

Em outra novidade para um monarca britânico, Elizabeth visitou o continente chinês em 1986.

LEIA: Defensora declarada da ocupação israelense, Liz Truss se torna a 3ª premier feminina do Reino Unido

A rainha e a família real também enfrentaram críticas públicas após a morte da princesa Diana em 1997 em um acidente de carro em Paris. Elizabeth se recusou a permitir que a bandeira fosse hasteada a meio mastro sobre o Palácio de Buckingham ou se dirigisse à nação enlutada sobre a amada princesa.

Mas ela logo revisou sua posição sobre a bandeira, cumprimentou multidões de enlutados e fez um raro discurso televisionado.

Alguns desenvolvimentos internacionais de grande importância durante o reinado da rainha incluem a crise do Suez de 1956, a crise dos mísseis cubanos de 1962, a Guerra dos Seis Dias de 1967 (Guerra Árabe-Israelense), o pouso na lua de 1969, a Revolução Iraniana de 1979, a queda do muro de Berlim em 1989, o intervalo de 1991. -up da União Soviética, Tratado de Maastricht de 1992 (Tratado da UE), genocídio de Ruanda em 1994, eleição de Nelson Mandela como presidente da África do Sul em 1994, ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 nos EUA, votação do Brexit em 2016 e pandemia de coronavírus em 2020.

Quando Elizabeth II assumiu o trono em 1952, o líder da URSS era Joseph Stalin e o presidente dos EUA era Harry S Truman.

O Reino Unido viu 15 primeiros-ministros sob o longo reinado de Elizabeth, desde o majestoso mas controverso Winston Churchill até a mais nova líder conservadora, Liz Truss.

A monarca de 96 anos foi chefe de Estado de 15 países da Comunidade Britânica, incluindo Austrália, Canadá, Nova Zelândia, Antígua e Barbuda, Bahamas, Belize, Granada, Jamaica, Papua Nova Guiné, Santa Lúcia, Ilhas Salomão , São Cristóvão e Nevis e São Vicente e Granadinas e os Estados Não Comunitários de Gibraltar, Ilhas Malvinas, Bermudas e Ilhas Cayman.

Com Agência Anadolu

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
BlogBlogs - PoliticsEuropa & RússiaIsraelOpiniãoOriente MédioPalestinaPerfisReino UnidoVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments