Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Tornar ministro um cofundador do Al-Shabaab é um movimento bem-vindo do governo somali

O cofundador e porta-voz da Al-Shabaab, Mukhtar Robow em Mogadíscio, Somália, em 15 de agosto de 2017 [MOHAMED ABDIWAHAB/AFP/Getty Images]

A notícia da nomeação ministerial de um cofundador e porta-voz da Al-Shabaab, Mukhtar Robow, pelo primeiro-ministro somali Hamza Abdi Barre é uma notícia bem-vinda. A medida parece bem calculada e deve ser vista como um ramo de oliveira para os radicais do Al-Shabaab com a mensagem de que, caso desejem retornar ao constitucionalismo e ao estado de direito, a porta está aberta.

Robow tinha uma recompensa de US$ 5 milhões colocadapor sua cabeça pelos EUA antes de se separar do Al-Shabaab em 2013. Barre disse que agora servirá como Ministro de Assuntos Religiosos. Dada a natureza religiosa da Somália, o posto é realmente muito poderoso. A nomeação visa reforçar e cumprir a visão do presidente Hassan Sheikh Mohamud de um governo somali unido que não deixará para trás nenhum cidadão ou região, mas se unirá como uma nação e reconstruirá a Somália.

“Depois de muita deliberação com o presidente e o público, nomeei ministros que têm educação e experiência e eles cumprirão seus deveres”, explicou Barre antes de anunciar seus nomeados para o gabinete. “Peço ao parlamento que aprove o gabinete.”

Esperava-se inicialmente que Barre nomeasse um gabinete dentro de 30 dias após sua nomeação em 25 de junho. O atraso, disse ele, deve-se ao processo eleitoral demorado do país que culminou com a escolha de Mohamud como presidente em maio.

LEIA: O golpe em Burkina Faso e o salafismo na África subsaariana

As nomeações de terça-feira incluem um vice-primeiro-ministro, 25 ministros, 24 ministros de Estado e vice-ministros em uma equipe de 75 membros. O Parlamento tem agora de votar os nomeados.

O novo governo enfrenta uma série de desafios, incluindo uma fome iminente e a insurgência islâmica. Uma seca paralisante no Chifre da África deixou cerca de 7,1 milhões de somalis – quase metade da população – lutando contra a fome. Segundo a ONU, mais de 200.000 estão à beira da fome.

Agora podemos esperar uma nova dispensação que seja inclusiva e busque trazer todos a bordo na Somália. Gostaria, portanto, de exortar todos os somalis a ajudarem o presidente Mohamud a alcançar o sucesso em seu nobre esforço de levar a Somália à prosperidade e ao desenvolvimento para todos. Igualmente, a União Africana (UA) e as Nações Unidas devem continuar a ajudar a Somália a desenvolver capacidades e a implementar mecanismos que assegurem que todos os somalis possam sentar-se sob o mesmo teto e conversar, a fim de alcançar uma paz duradoura.

Embora este movimento de Mohamud deva ser elogiado, é apenas o começo. Agora ele precisa ser construído.

Robow está em prisão domiciliar há três anos. Além de fundador, ele foi vice-líder da Al-Shabaab, que está ligada à Al-Qaeda. Em dezembro de 2018, ele estava no Estado do Sudoeste da Somália em campanha para a presidência regional. Os protestos que se seguiram foram reprimidos com força mortal quando o pessoal de segurança atirou em pelo menos onze pessoas, após o que Robow foi preso.

Alguns analistas especulam que o homem de 53 anos, que há muito denunciou o Al-Shabaab, poderia ajudar a fortalecer as forças do governo em sua região natal de Bakool, onde o grupo detém quantidades substanciais de território. Os opositores o acusaram de “organizar uma milícia” em Baidoa, capital da região sudoeste da baía, e de tentar “minar a estabilidade”.

LEIA: Combatentes do Al-Shabaab são mortos na Somália após explosão de área usada para fabricar bombas

Sua elevação ao status de ministro ocorre semanas depois que o presidente recém-eleito Mohamud sugeriu a disposição de seu governo de negociar com o Al-Shabaab quando for a hora certa.

O Al-Shabaab tem travado uma sangrenta insurreição contra o frágil governo central da Somália há quinze anos e continua a ser uma força potente apesar de uma operação da União Africana contra o grupo. Seus combatentes foram expulsos da capital da Somália, Mogadíscio, em 2011, mas continuam atacando alvos militares, governamentais e civis.

Mohamud disse no mês passado que acabar com a insurgência violenta requer mais do que uma abordagem militar. Aguardo com expectativa um gesto recíproco do Al-Shabaab que pare a guerra e una a nação. A luta continua!

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoOpiniãoSomália
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments