Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A Ascensão do BRICS: O gigante econômico que está enfrentando o Ocidente

O presidente da China Xi Jinping (esq.), o presidente da Rússia, Vladimir Putin (2º esq.), o presidente do Brasil Jair Bolsonaro (centro), o primeiro-ministro da Índia Narendra Modi (2º dir.) e o presidente da África do Sul Cyril Ramaphosa (dir.) participam de uma reunião com os membros do Conselho Empresarial e gestão do Novo Banco de Desenvolvimento durante a Cúpula do BRICS em Brasília, 14 de novembro de 2019. ( Pavel Golovkin / POOL / AFP via Getty Images)

A cúpula do G7 em Elmau, na Alemanha, de 26 a 28 de junho, e a cúpula da OTAN em Madri, na Espanha, dois dias depois, foram praticamente inúteis para fornecer soluções reais para as crises globais em curso – a guerra na Ucrânia, a fome iminente, o clima mudar e muito mais. Mas os dois eventos foram importantes, no entanto, pois fornecem um exemplo gritante da impotência do Ocidente, em meio à dinâmica global em rápida mudança.

Como foi o caso desde o início da guerra Rússia-Ucrânia, o Ocidente tentou demonstrar unidade, embora tenha se tornado repetidamente óbvio que tal unidade não existe. Enquanto França, Alemanha e Itália estão pagando um alto preço pela crise energética resultante da guerra, o britânico Boris Johnson está jogando lenha na fogueira na esperança de tornar seu país relevante no cenário global após a humilhação do Brexit. Enquanto isso, o governo Biden está explorando a guerra para restaurar a credibilidade e liderança de Washington sobre a OTAN – especialmente após o desastroso mandato de Donald Trump, que quase rompeu a aliança histórica.

Mesmo o fato de vários países africanos estarem se tornando vulneráveis ​​à fome – como resultado da interrupção do abastecimento de alimentos originários do Mar Negro e do consequente aumento dos preços – não pareceu perturbar os líderes de alguns dos países mais ricos do mundo. Eles ainda insistem em não interferir no mercado global de alimentos, embora a disparada dos preços já tenha empurrado dezenas de milhões de pessoas abaixo da linha da pobreza.

Embora o Ocidente tivesse pouca reserva de credibilidade para começar, a atual obsessão dos líderes ocidentais em manter milhares de sanções à Rússia, mais expansão da OTAN, despejar ainda mais ‘armas letais’ na Ucrânia e sustentar sua hegemonia global a qualquer custo, todos pressionaram sua credibilidade chegando a um novo patamar.

Desde o início da guerra na Ucrânia, o Ocidente defendeu o mesmo dilema “moral” levantado por George W. Bush no início de sua chamada “guerra ao terror”. “Ou você está conosco ou com o terrorista”, declarou ele em setembro de 2001. Mas o conflito Rússia-OTAN em curso não pode ser reduzido a clichês simples e egoístas. Pode-se, de fato, querer o fim da guerra e ainda se opor ao unilateralismo americano-ocidental. A razão pela qual os ditames americanos funcionaram no passado, porém, é que, ao contrário da atual atmosfera geopolítica, alguns ousaram se opor às políticas de Washington.

LEIA: Irã e Argentina solicitam ingresso no grupo dos Brics

Os tempos mudaram. Rússia, China, Índia, juntamente com muitos outros países da Ásia, Oriente Médio, África e América do Sul estão navegando em todos os espaços disponíveis para combater o sufocante domínio ocidental. Esses países deixaram claro que não participarão do isolamento da Rússia a serviço da agenda expansionista da OTAN. Ao contrário, eles deram muitos passos para desenvolver alternativas à economia global dominada pelo ocidente, e particularmente ao dólar americano que, por cinco décadas, serviu ao papel de uma mercadoria, não uma moeda, por si só. Esta última tem sido a arma mais eficaz de Washington, associada a muitas crises orquestradas pelos EUA, sanções e, como no caso do Iraque e da Venezuela, entre outros, fome em massa.

A China e outros entendem que o conflito atual não é sobre Ucrânia x Rússia, mas sobre algo muito mais conseqüente. Se Washington e a Europa saírem vitoriosos, e se Moscou for empurrada para trás da proverbial ‘cortina de ferro’, Pequim não terá outra opção a não ser fazer concessões dolorosas ao Ocidente ressurgido. Isso, por sua vez, colocaria um limite no crescimento econômico global da China e enfraqueceria seu caso em relação à política de Uma China.

A China não está errada. Quase imediatamente após o apoio militar ilimitado da OTAN à Ucrânia e a subsequente guerra econômica contra a Rússia, Washington e seus aliados começaram a ameaçar a China por causa de Taiwan. Muitas declarações provocativas, juntamente com manobras militares e visitas de alto nível de políticos dos EUA a Taipei, pretendiam enfatizar o domínio dos EUA no Pacífico.

Duas razões principais levaram o Ocidente a investir ainda mais na atual abordagem de confronto contra a China, em um momento em que, sem dúvida, teria sido mais benéfico exercer um grau de diplomacia e compromisso. Primeiro, o medo do Ocidente de que Pequim possa interpretar erroneamente sua ação como fraqueza e uma forma de apaziguamento; e, segundo, porque a relação histórica do Ocidente com a China sempre foi baseada na intimidação, se não na humilhação total. Da ocupação portuguesa de Macau no século XVI, às Guerras do Ópio britânicas em meados do século XIX, à guerra comercial de Trump contra a China, o Ocidente sempre viu a China como um sujeito, não um parceiro.

LEIA: Amorim: “Participação no BRICS e pré-sal trouxeram a guerra híbrida para o Brasil”

É precisamente por isso que Pequim não se juntou ao coro de condenações ocidentais à Rússia. Embora a guerra real na Ucrânia não seja de benefício direto para a China, os resultados geopolíticos da guerra podem ser críticos para o futuro da China como potência global.

Embora a OTAN continue insistindo na expansão para ilustrar sua durabilidade e unidade, é a ordem mundial alternativa liderada pela Rússia e pela China que merece atenção séria. Segundo o jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung, Pequim e Moscou estão trabalhando para desenvolver ainda mais o clube BRICS das principais economias emergentes para servir de contrapeso ao G7. O jornal alemão está correto. A última cúpula do BRICS em 23 de junho foi concebida como uma mensagem ao G7 de que o Ocidente não está mais no comando e que Rússia, China e Sul Global estão se preparando para uma longa luta contra o domínio ocidental.

LEIA: O posto de controle entre a liberdade acadêmica e Israel precisa ser levantado

Em seu discurso na cúpula do BRICS, o presidente russo, Vladimir Putin, propôs a criação de uma “moeda de reserva internacional baseada na cesta de moedas de nossos países”. O fato de que o rublo sozinho conseguiu sobreviver, de fato florescer, sob as recentes sanções ocidentais, dá esperança de que as moedas do BRICS combinadas possam eventualmente deixar de lado o dólar americano como a moeda dominante no mundo.

Alegadamente, foi o presidente chinês Xi Jinping quem solicitou que a data da cúpula do BRICS fosse alterada de 4 de julho para 23 de junho, para que não parecesse uma resposta à cúpula do G7 na Alemanha. Isso reforça ainda mais como os BRICS estão começando a se ver como um concorrente direto do G7. O fato de Argentina e Irã estarem se candidatando à adesão ao BRICS também ilustra que a aliança econômica está se transformando em uma entidade política, de fato geopolítica.

A luta global à frente é talvez a mais importante desde a Segunda Guerra Mundial. Enquanto a OTAN continuará lutando por relevância, Rússia, China e outros investirão em várias infraestruturas econômicas, políticas e até militares, na esperança de criar um contrapeso permanente e sustentável ao domínio ocidental. O resultado desse conflito provavelmente moldará o futuro da humanidade.

LEIA: O ‘novo’ equilíbrio do poder está na Eurásia e longe do G-7

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
AlemanhaArtigoÁsia & AméricasBrasilChinaEuropa & RússiaOpiniãoOrganizações InternacionaisOTANRússia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments