Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Shireen Abu Akleh é assassinada pela segunda vez

1
Centenas se reúnem em Bay Ridge of Brooklyn ​​​​​​​ em Nova York, Estados Unidos, em 15 de maio de 2022 [Tayfun Coşkun - Anadolu Agency]

Os EUA assassinaram a mártir Shireen Abu Akleh mais uma vez e encobriram os crimes hediondos da ocupação, protegendo o terrorismo de Israel. A administração americana não emitiu uma única condenação ao que aconteceu, como se estivesse vivendo em outro planeta. Na verdade, não condenou nenhuma das ações do exército de ocupação durante muitos anos contra os territórios palestinos ocupados, incluindo seus crimes. Eles não podem continuar calados e enganar o mundo novamente invertendo e falsificando os fatos. Os partidos palestinos devem assumir a responsabilidade de acompanhar o caso de assassinato em tribunais internacionais, especialmente o TPI, considerando que o Estado de ocupação é responsável por essa morte e deve arcar com as consequências.

Estamos surpresos com a contínua falsificação e reversão de fatos pela mídia israelense, que divulga as notícias de forma politizada e não expressa nenhum conteúdo moral, ao invés disso, apoia a narrativa da ocupação. O papel americano se alinha com isso, apesar do crime hediondo testemunhado pelo mundo, e apesar das investigações da mídia internacional e da documentação de fatos com evidências irrefutáveis, o que é consistente com os resultados da investigação palestina supervisionada pelo Ministério Público Palestino. Apesar disso, o governo de ocupação ainda nega sua responsabilidade pelo assassinato de Shireen Abu Akleh.

A partida de Shireen deixou evidências claras e testemunhas dos crimes da ocupação, expondo a política de execução e assassinatos praticada pelo governo de ocupação. Expõe a mídia, o judiciário e a corrupção de segurança e moral em um exército, baseada na prática de matar e impor sua dominação pela força militar e seu uso exagerado contra um povo ocupado que reivindica seus direitos.

LEIA: Assassinato de jornalista por Israel é um desafio a Haia, alerta especialista

Através de seu crime hediondo, as forças de ocupação querem obscurecer a verdade e encobrir seus crimes, que visa o pensamento, a linguagem e o discurso jornalístico de Shireen, para assassinar a verdade e a câmera. Shireen morreu, deixando para trás provas claras para processar a ocupação por seus crimes e pôr fim à sua política de liquidação, pois a ocupação está bem ciente do importante papel desempenhado pela mídia em transmitir a verdade ao mundo e expor as suas graves violações.

Por todos os padrões, e dentro dos limites do que foi publicado sobre o caso do assassinato do jornalista Shireen Abu Akleh, o relatório americano provou que dá legitimidade à ocupação na continuação da política de assassinato e perseguição de jornalistas palestinos. Também justifica o ataque direto do exército de ocupação ao povo palestino, o que constitui um grave perigo e viola o direito internacional e os convênios que protegem os jornalistas. A administração norte-americana deve manter sua credibilidade e responsabilizar totalmente a ocupação pelo crime, porque os fatos, os acontecimentos e o ocorrido confirmam sua responsabilidade sem qualquer ambiguidade e sem descuidar da verdade.

O caso do assassinato da jornalista Shireen Abu Akleh não pode ser encerrado com um pedido de desculpas superficial por meio de um porta-voz da mídia israelense, e aqueles que cometeram o crime devem ser processados. Ao cometer este crime atroz, a ocupação quer intimidar e aterrorizar os jornalistas para impedi-los de relatar a verdade ao mundo, pensando que este plano poderia minar a vontade dos jornalistas, seu patriotismo e sua insistência em combater o ocupante, por mais tirânicas, injustas e agressivas que sejam suas práticas.

Há necessidade de ação internacional em todos os níveis para expor a ocupação e trabalhar para abrir uma investigação internacional neutra, independente e transparente, sob a supervisão do TPI, para investigar o crime. Há também a necessidade de lançar uma campanha internacional do Sindicato dos Jornalistas Palestinos, da Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) e das instituições palestinas e árabes de direitos humanos e organizações internacionais para responsabilizar os criminosos de guerra, a fim de evitar que os criminosos de guerra escapem da justiça.

LEIA: Hamas rejeita resultados da investigação dos EUA sobre o assassinato de Shireen Abu Akleh

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosIsraelOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestinaTPI
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments