Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Egito vêm agravando a violação dos direitos em fronteira de Rafah para Gaza, diz Observatório dos Direitos Humanos

Uma vista da entrada do ponto de passagem de Rafah em Gaza dia 29 de agosto de 2021 [Ali Jadallah/Anadolu Agency].

As políticas implementadas pelo governo egípcio na fronteira de Rafah com Gaza pioraram as condições de direitos humanos, de acordo com um novo relatório da Human Rights Watch.

Omar Shakir, diretor de Israel e Palestina da organização, diz que o Egito ajudou Israel a transformar Gaza em “uma prisão a céu aberto”.

Enquanto muitos começam a viajar novamente após dois anos da pandemia global do coronavírus, a população de Gaza permanece sob um bloqueio de 15 anos.

As autoridades israelenses bloquearam Gaza desde 2007, proibindo os palestinos de viajar através da passagem de Erez, que é controlada pelo exército israelense, e de utilizar um porto marítimo ou aeroporto na Faixa de Gaza.

O Egito intensificou este bloqueio restringindo e às vezes fechando totalmente a travessia Rafah para a Península do Sinai, que se tornou a única rota para os palestinos em Gaza viajarem para dentro e para fora.

Após a derrubada em 2013 do falecido Presidente Mohamed Morsi, o Egito exerceu controle sobre a passagem de Rafa e a manteve fechada por cinco anos.

Em 2018 as restrições foram reduzidas, mas a passagem permanece mais fechada do que antes do golpe de Estado.

LEIA: Sem caminhos para Gaza: o papel do Egito na manutenção do cerco e opressão do povo palestino

De acordo com as estatísticas fornecidas pela organização de vigilância, antes de 2013, uma média de 40.000 pessoas atravessavam todos os meses, enquanto em 2021 uma média de 15.077 atravessavam.

Se os palestinos são autorizados a viajar através de Rafah e a partir do Egito, eles devem pagar taxas altíssimas e propinas para tentar facilitar sua passagem.

Cinco palestinos entrevistados pela Human Rights Watch disseram que sofreram revistas abusivas na passagem e que oficiais egípcios confiscaram seus pertences.

A viagem de sete horas de Rafah ao aeroporto do Cairo pode levar até três dias devido aos postos de controle e outros atrasos e os passageiros são frequentemente impedidos de usar seus celulares.

“As autoridades egípcias devem tirar obstáculos irracionais que restrinjam os direitos dos palestinos e permitam o trânsito através de seu território, sob considerações de segurança”, diz o relatório da HRW. “E garantir que suas decisões sejam transparentes e não arbitrárias e levem em consideração os direitos humanos das pessoas afetadas”.

Por causa do bloqueio, os níveis de desemprego em Gaza estão entre os mais altos do mundo e há uma grave escassez de equipamentos médicos e medicamentos.

LEIA: Anistia está ‘indignada’ após tribunal egípcio conceder longas penas de prisão a 25 opositores

Categorias
ÁfricaEgitoHRWIsraelNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments