Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Interrogadores israelenses torturam e privam de sono detido palestino

Tarek Bargut foi submetido a interrogatórios que duravam de 27 a quase 48 horas 14 vezes

Um prisioneiro palestino foi submetido a interrogatórios de dias de duração 14 vezes enquanto era torturado pela agência de segurança israelense Shin Bet. Ele foi forçado a posições dolorosas de estresse, espancado e privado de sono.

No entanto, o Ministério da Justiça israelense se recusou a abrir um processo criminal investigando a tortura, a qual o prisioneiro palestino Tarek Bargut descreveu como “cruel, desumana e humilhante”.

Tarek, advogado criminal que representou muitos palestinos acusados ​​de ataques terroristas e outros crimes de segurança, foi preso em fevereiro de 2019 por, supostamente, atirar em veículos perto de Ramallah.

De acordo com uma queixa apresentada contra a Shin Bet em 29 de março de 2019, que o Ministério da Justiça de Israel ignorou, Tarek sofreu privação de sono e tortura psicológica, incluindo ver interrogadores prendendo sua esposa e forçando-o a vê-la ser levada algemada.

LEIA: UNRWA exige que Israel liberte imediatamente menino palestino detido

Tarek acrescentou que o interrogador da Shin Bet batia nele toda vez que ele adormecia e o xingava e gritava com ele durante o interrogatório.

Shlomi Abramson, chefe da Unidade de Investigações para Missões Especiais do serviço policial, confirmou que “o queixoso foi de fato privado de sono durante longos períodos de interrogatório”.

De acordo com os detalhes do relatório, Tarek foi inquirido 14 vezes em “interrogatórios prolongados”, com duração entre 27 horas e 47 horas e 55 minutos. Somente quando Tarek começou a aceitar a acusação contra ele sob pressão, os interrogatórios se tornaram mais curtos.

Uma pessoa próxima a Bargut disse ao Haaretz: “Sentado em uma cadeira quando suas mãos estão algemadas por dois dias e noites, e você é tratado brutalmente para acordá-lo, isso não deveria ser chamado de tortura? A prisão de familiares para obter uma confissão. Quando lhe mostraram sua esposa presa, pretendiam pressioná-lo ao vê-la chorando e tremendo”.

Apesar das descobertas, a Shin Bet disse: “Foi determinado que as descobertas não justificam o lançamento de uma investigação criminal ou a adoção de medidas disciplinares ou outras contra qualquer um dos interrogadores”.

“Tarek Bargut foi condenado por sua confissão no âmbito de um acordo de delação premiada por crimes graves de segurança e foi sentenciado a uma longa pena de prisão.”

O Ministério da Justiça israelense também respondeu: “Os supervisores de interrogatórios de segurança monitoraram o interrogatório de Tarek Bargut em vários segmentos de tempo. Nos segmentos que foram monitorados não foram encontradas irregularidades ou apoio às alegações do queixoso e eventos excepcionais não surgiram”.

As autoridades israelenses rotineiramente cometem violações flagrantes contra prisioneiros palestinos, inclusive privando-os do direito à saúde, proteção contra doenças infecciosas e não discriminação.

De acordo com ONGs palestinas, há 4.500 palestinos detidos em prisões israelenses, incluindo 34 mulheres e 180 crianças, e cerca de 500 estão sendo mantidos sob a política de detenção administrativa de Israel, que permite manter palestinos sem acusação ou julgamento.

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestinaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments