Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Por quanto tempo a Arábia Saudita irá se manter como virtual signatária dos Acordos de Abraham?

O ministro das Relações Exteriores do Bahrein Abdullatif bin Rashid al-Zayani (esq.), o ministro das Relações Exteriores de Israel Yair Lapid (2º dir.) eo secretário de Estado dos EUA Antony Blinken (dir.) ouvem o ministro das Relações Exteriores do Egito, Sameh Shoukry (2º esq.) falar durante a Cúpula do Negev no kibutz israelense de Sde Boker em 28 de março de 2022 [Jacqyelyn Martin/Pool//AFP via Getty Images]
O ministro das Relações Exteriores do Bahrein Abdullatif bin Rashid al-Zayani (esq.), o ministro das Relações Exteriores de Israel Yair Lapid (2º dir.) eo secretário de Estado dos EUA Antony Blinken (dir.) ouvem o ministro das Relações Exteriores do Egito, Sameh Shoukry (2º esq.) falar durante a Cúpula do Negev no kibutz israelense de Sde Boker em 28 de março de 2022 [Jacqyelyn Martin/Pool//AFP via Getty Images]

É inconcebível que a Cúpula do Negev da semana passada pudesse ter ocorrido sem que a Arábia Saudita não apenas soubesse da reunião, mas também a abençoasse. Desde que os Acordos de Abraão foram assinados, em nome da paz entre árabes e Israel, a Arábia Saudita tem sido a parte silenciosa e a signatária virtual dos Acordos, esperando o momento certo para tornar pública sua posição. Os Acordos, em parte, tratam tanto da construção de uma coalizão anti-Irã quanto da paz regional, ao mesmo tempo em que põem de lado os palestinos oprimidos. Para combater o Irã com a cooperação israelense, os sauditas não precisam normalizar abertamente os laços com Israel.

Uma das razões pelas quais o Reino ainda prefere ficar nas sombras por enquanto é o fato de ser o único país árabe cujo nome está associado à iniciativa de paz que foi adotada como uma ideia pan-árabe de paz permanente.

Mesmo Egito e Jordânia, como normalizadores anteriores, não ofereceram ao resto do mundo árabe seus modelos de paz com Israel, para serem adotados como uma política comum da Liga Árabe, mas os sauditas sim.

A Iniciativa de Paz Árabe entrou para a história como uma ideia saudita, adotada e apoiada pela maioria dos Estados Árabes em 2002, após a Cúpula da Liga Árabe de Beirute. À medida que mais Estados árabes se uniram em torno da iniciativa, ela ficou conhecida como a “Iniciativa de Paz Árabe”. No entanto, o plano de paz, ainda rejeitado por Israel, será sempre lembrado como uma iniciativa saudita, proposta inicialmente pelo ex-príncipe herdeiro – e depois rei – o falecido Fahad Bin Abdelaziz (1921-2005). Basicamente, oferece a Israel pleno reconhecimento e normalização por todos os estados árabes, em troca de sua retirada total de todas as terras árabes ocupadas e a criação de um Estado palestino.

LEIA: As batalhas entre Israel e grupos de direitos humanos terão fim?

Para os sauditas assinarem publicamente os Acordos de Abraão, nesta fase, é um recuo humilhante e inaceitável aos olhos das massas mundiais árabes e muçulmanas, cuja liderança o Reino reivindica. Afinal, a Arábia Saudita, para a maioria dos muçulmanos em todo o mundo, é mais do que apenas mais um país; é o Guardião dos Lugares Sagrados — um título que os reis sauditas vêm usando há décadas.

A ideia de normalizar com Israel é uma batata quente na Arábia Saudita, depois de décadas fornecendo a base religiosa que tornava difícil vender qualquer tentativa de normalização, não apenas para a opinião pública saudita, mas para além do próprio Reino. Estudiosos e pregadores religiosos sauditas, apoiados pelas instituições oficiais sauditas, há décadas retratam qualquer reaproximação com Israel como um pecado equivalente ao da apostasia. Mudar uma política de décadas em relação a Israel é quase impossível. Requer alguns preparativos de fundo.

Isso, em parte, explica o impulso do príncipe herdeiro e governante de fato, Mohammed Bin Salman, de abrir a sociedade saudita de uma forma que, ele espera, marginalizar os xeques e estudiosos que passaram décadas pregando contra Israel, tanto política quanto religiosidade.

Além disso, o Reino precisa de algum tipo de concessão/preço compensatório, em troca de mudar sua política israelense e Riad espera que tal oferta venha, não dos israelenses, mas dos americanos que gostariam de ver Riad se juntar ao bando de outros normalizadores árabes , mais cedo ou mais tarde. Os Estados Unidos ainda, dependendo de quem está na Casa Branca, reconhecem a solução de dois estados como o melhor acordo possível na Palestina – uma política saudita, até agora.

Os sauditas podem ficar tranquilos com a posição de Israel sobre o Irã e a segurança regional mais ampla. E Riad tem certeza de que quaisquer acordos secretos feitos a esse respeito incluem a Arábia Saudita sem a necessidade, ainda não, de normalizar publicamente os laços com o opressor Israel. A Arábia Saudita, dado seu status e papel na área e no mundo islâmico mais amplo, não está encorajada pelo que os normalizadores conseguiram alcançar para os palestinos, até agora.

Os ministros árabes, reunidos em Negev, não discutiram qualquer questão “sensível” com seus anfitriões. Eles nem mesmo, educadamente, sussurraram para seu colega israelense que os palestinos presos sem julgamento devem ser libertados, muito menos que a ocupação da terra palestina deve terminar. Eles nem mesmo levantaram a outra “questão sensível” dos direitos humanos. Por que eles iriam, já que seus próprios governos pisoteiam esses direitos todos os dias, e não há diferença entre eles e Israel.

Os normalizadores não têm absolutamente nenhuma influência, como resultado de suas políticas israelenses, para mostrar a outros encorajá-los, particularmente os sauditas, a se juntarem a eles. Alavancagem embaraçosamente zero! Qualquer um dos quatro ministros árabes, que participaram da cúpula do Negev, não pode ajudar a libertar um único palestino que definha ilegalmente na prisão israelense, não pode impedir a demolição de uma única casa palestina, não pode nem protestar contra o próximo ataque a qualquer aldeia palestina, quanto mais pleitear, com seus amigos israelenses, a situação humanitária em Gaza sitiada.

Mesmo como grupo, eles não têm a posição unida que pressionaria Israel para não acabar com sua ocupação, mas suavizar sua barbárie, para dizer o mínimo. Ao mesmo tempo, todos eles deram as costas a todos os compromissos assumidos, ao longo das décadas, com seus irmãos palestinos. Humilhante, mesmo!

Por uma questão de princípio, ter qualquer tipo de vínculo com Israel, com seu terrível histórico de direitos humanos, a ocupação contínua de terras palestinas e árabes deve ter um preço para Israel. Não apenas por causa dos palestinos, mas por causa da segurança regional, porque Israel, com armas nucleares e em constante expansão, é uma ameaça à segurança de todo o Oriente Médio.

Enquanto o Reino, sem dúvida, encoraja seus países “irmãos” menores a fortalecer ainda mais os laços com Israel, ainda não viu nenhuma necessidade de se juntar a eles. Israel e Arábia Saudita compartilham a visão de que o Irã é seu inimigo comum e ainda podem trabalhar juntos e coordenar suas respostas a Teerã, sem se abraçar publicamente.

Nesse sentido, a Cúpula do Negev, que reuniu Bahrein, Emirados Árabes Unidos, Marrocos e Egito, foi um show político e uma oportunidade fotográfica voltada para o Irã, mais do que sobre a paz na Palestina. Se há alguma substância por trás do show, então os sauditas já fazem parte dele e o que quer que seja, aparentemente, ainda não é suficiente para eles se juntarem à demonstração pública de “amor” pelo opressivo Israel.

No contexto regional, Riad poderia continuar sendo o único signatário mais importante dos Acordos de Abraham, porém, virtualmente, sem perder nenhum dos benefícios da normalização, mesmo que não os tenha cobrado publicamente.

LEIA: A fobia de Israel sobre o Ramadã

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaIsraelLíbiaOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments