Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Kiev, Gaza e resistência legítima

A ucraniana Viktoria Saidam (dir.) e seu marido palestino Ibrahim Saidam mostram seus passaportes na casa de sua família no campo de refugiados de Bureij, no centro da Faixa de Gaza, em 22 de março de 2022 [Said Khatib/AFP via Getty Images]
A ucraniana Viktoria Saidam (dir.) e seu marido palestino Ibrahim Saidam mostram seus passaportes na casa de sua família no campo de refugiados de Bureij, no centro da Faixa de Gaza, em 22 de março de 2022 [Said Khatib/AFP via Getty Images]

O importante não é como morremos, mas como vivemos. Essa conhecida máxima se encarna no povo quando persiste na resistência, sem saber da magnitude dos sacrifícios que faz no altar de sua liberdade. As imagens de resistência mais proeminentes nesse sentido são, sem dúvida, as da resistência do povo palestino, especialmente na Faixa de Gaza. As circunstâncias são semelhantes às de diferentes lugares e épocas e são uma inspiração para todos que se recusam a se submeter à tirania.

A firmeza vista em Gaza está sendo replicada em Kiev, apesar das diferentes dimensões geopolíticas e ideológicas do conflito. Quando a invasão russa da Ucrânia começou em fevereiro, a maioria dos analistas militares esperava que fosse um ataque esmagador e decisivo, dada a força comparativa das forças russas e ucranianas. Seis semanas depois, parece que o ataque perdeu força e as forças russas estão recuando em algumas frentes diante da forte resistência ucraniana.

Cobertura da crise de refugiados na Ucrânia é ‘racista’ – Charge [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Apesar do enorme poder destrutivo das armas usadas pelos russos, incluindo mísseis hipersônicos, que transformaram algumas cidades ucranianas em pilhas de ruínas, a resistência fez frente ao ataque e o número de baixas entre as forças russas atacantes é impressionante. Imagens da mídia mostram veículos do exército russo queimados nas ruas da Ucrânia.

LEIA: Não pode haver esporte normal em um mundo anormal

Os analistas militares enfatizam a estratégia geral russa, que depende, entre outras coisas, da força e intensidade do ataque, independentemente das perdas envolvidas. Este tem sido o caminho adotado por Moscou desde a Segunda Guerra Mundial, quando o Exército Vermelho soviético lançou um contra-ataque contra as forças invasoras alemãs e essencialmente virou a maré da guerra.

A resistência ucraniana quebrou o ímpeto da invasão da Rússia, e o plano de ocupar Kiev foi abandonado por Moscou, segundo um porta-voz do Pentágono. As conversações entre os dois países começaram em Istambul e já há indicações de que alguns progressos estão sendo feitos em torno da mesa de negociações.

Ao comparar a resistência ucraniana com a resistência na Palestina ocupada, podemos ver que os grupos palestinos podem retardar e até mesmo quebrar o ímpeto das ofensivas israelenses cada vez que são lançadas contra o povo em Gaza. As forças armadas israelenses têm as armas e equipamentos mais atualizados e as melhores capacidades tecnológicas do mundo apoiadas por um sistema de inteligência que é um dos mais poderosos da região, se não do mundo. E, no entanto, eles não foram capazes de derrotar os grupos de resistência palestinos, que confiam em sua engenhosidade, flexibilidade e capacidade de manobra para combater o poder de fogo israelense.

Mais notavelmente, os palestinos usam redes de túneis e mísseis antitanque contra o exército israelense, cuja blindagem pesada não pode avançar mais do que alguns metros em Gaza. Os grupos de resistência no enclave também levam a guerra israelense de volta às vilas e cidades de Israel, afetando todas as casas e indivíduos através do uso de seus próprios foguetes e mísseis pelos palestinos. As ofensivas militares israelenses contra os palestinos em Gaza são, portanto, geralmente limitadas ao que alcançam – se alcançam alguma coisa – e devem ser julgadas como fracassos, apesar de sua brutalidade.

Uma grande diferença entre a resistência na Palestina e na Ucrânia é que esta última recebe apoio militar, político e de inteligência de 27 países europeus e três potências nucleares da OTAN: EUA, França e Grã-Bretanha.

A Otan se recusou a fornecer aeronaves à Ucrânia e não colocou tropas em campo para evitar um confronto direto com a Rússia que poderia levar à Terceira Guerra Mundial. No entanto, de acordo com as declarações de funcionários do Pentágono e do chefe de Relações Exteriores e Política de Segurança da UE, Josep Borrell, a OTAN forneceu à Ucrânia armas para combater as forças russas.

Enquanto isso, na Palestina ocupada, um cerco em grande escala é imposto por Israel e seus aliados – EUA, França e Grã-Bretanha entre eles, bem como países da UE – na Faixa de Gaza, o que impede que qualquer ajuda militar chegue aos legítimos grupos de resistência.  O cerco até impede a importação dos chamados “materiais de dupla utilização”, de modo que são proibidos bens de uso diário essenciais para o desenvolvimento do enclave.

Além disso, países árabes supostamente “irmãos” também proibiram o envio de qualquer arma em apoio à resistência palestina. Infelizmente, em alguns países árabes, pessoas que tentaram “contrabandear” armas para Gaza foram julgadas e consideradas culpadas de ajudar “terroristas”, apesar da legitimidade internacional concedida à resistência contra a ocupação militar.

Em termos do grau de apoio e recursos disponíveis para os palestinos e ucranianos, portanto, é óbvio que os últimos superam os primeiros em firmeza e sucesso em frustrar os planos das forças invasoras e ocupantes.

LEIA: Com uma canetada, Joe Biden condenou um milhão de crianças à morte por fome

O direito internacional é muito claro ao permitir que as pessoas sob ocupação resistam a usar quaisquer meios à sua disposição para se proteger da colonização e da escravização. Este fato incontestável é ignorado pelos governos que consideram a resistência ucraniana aceitável e digna de imenso apoio, ao mesmo tempo que apoiam o apartheid, estado colonial do ilegítimo “direito de autodefesa” de Israel contra o povo cuja terra ocupa.

Artigo publicado originalmente em árabe no Centro de Informações Palestinos, em 6 de abril de 2022

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
Europa & RússiaIsraelOpiniãoOriente MédioOTANPalestinaRússiaUcrânia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments