Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Grupos de direitos humanos apresentam novas evidências de que regime sírio usou armas químicas

Homens, membros da organização de defesa civil síria, Capacetes Brancos, soltam um pombo branco para pessoas que perderam a vida em um ataque químico em Damasco, Síria, em 22 de agosto de 2017 [Amer Almohibany/Agência Anadolu]
Homens, membros da organização de defesa civil síria, Capacetes Brancos, soltam um pombo branco para pessoas que perderam a vida em um ataque químico em Damasco, Síria, em 22 de agosto de 2017 [Amer Almohibany/Agência Anadolu]

Organizações de direitos humanos anunciaram ontem que apresentaram “provas adicionais” às autoridades de investigação e promotorias na Alemanha, França e Suécia de que o regime sírio usou armas químicas entre 2013 e 2017.

O Centro Sírio de Mídia e Liberdade de Expressão, o Arquivo Sírio, a Iniciativa de Justiça da Sociedade Aberta e os Defensores dos Direitos Civis disseram em um comunicado conjunto que enviaram os documentos “no quinto aniversário do ataque com gás sarin a Khan Sheikhoun”.

A declaração explicou que essa evidência inclui “videoclipes e entrevistas com testemunhas, vítimas, desertores e cooperadores”.

No seu comunicado as organizações recordaram que, a 4 de abril de 2017, “ocorreu o trágico ataque à cidade de Khan Sheikhoun, no qual as autoridades sírias utilizaram gás sarin, resultando na morte de mais de 100 pessoas, incluindo 32 crianças e 23 mulheres”.

Armas químicas foram usadas novamente em Douma, “que mataram dezenas de pessoas”.

De acordo com o comunicado: “Khan Sheikhoun e Douma não foram os dois primeiros locais onde as autoridades sírias usaram produtos químicos tóxicos contra os cidadãos, como já haviam sido usados ​​em Ghouta em agosto de 2013, matando mais de mil pessoas”.

A declaração apontou que, “em uma tentativa de incriminar os responsáveis ​​por esses crimes, o Centro Sírio para a Mídia e Liberdade de Expressão e o Arquivo Sírio coletaram evidências e informações adicionais relacionadas aos ataques químicos em Ghouta em agosto de 2013 e Khan Sheikhoun em 2017, a fim de apresentá-lo às autoridades da Alemanha, França e Suécia, onde as investigações criminais estão sendo conduzidas”.

O comunicado citou Mazen Darwish, presidente do Centro Sírio para a Mídia e Liberdade de Expressão, dizendo que, embora a Rússia enfrente acusações de tentar usar armas químicas contra a Ucrânia, “a comunidade internacional deve tomar medidas sérias nos próximos dias contra os envolvidos no uso de armas químicas na Síria e enviar uma mensagem clara de que a justiça os responsabilizará por seus crimes”.

Aida Samani, consultora jurídica da Civil Rights Defenders, disse: “O fracasso da comunidade internacional em lidar com o completo desrespeito do regime sírio pelos padrões internacionais e a perda de vidas de civis abriu caminho para atrocidades mais generalizadas cometidas pelo governo e seus aliados, na Síria e em outros lugares”.

Categorias
AlemanhaEuropa & RússiaFrançaNotíciaOriente MédioRússiaSíriaSuéciaUcrânia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments