Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Os fabricantes dos drones mortais de Israel continuam a escapar da justiça britânica

Ativistas da Ação Palestina ocupam a varanda dos escritórios da empresa de armas israelense Elbit Systems na Inglaterra, Reino Unido em 6 de agosto de 2021 [Guy Smallman/Getty Images]

É impossível distinguir um único ato de brutalidade cometido pelas forças de ocupação de Israel em detrimento de outro, porque houve tantos em oito décadas de luta palestina pela sobrevivência! Cada atrocidade traz as marcas de um crime contra a humanidade: Deir Yassin em 1948 — pelo menos 107 palestinos massacrados por terroristas sionistas; Qibya, 1953 – pelo menos 69 palestinos mortos por soldados israelenses liderados por Ariel Sharon; Kafr Qasim, 1956 — 48 palestinos mortos pela polícia israelense; Escola Primária Bahr El-Baqar, 1970 — 46 crianças egípcias mortas; Sabra e Shatila, 1982 – até 3.500 refugiados palestinos mortos pelos aliados de Israel, embora o próprio inquérito de Israel coloque a culpa em Ariel Sharon – sim, ele de novo – e as Forças de Defesa de Israel; e Wehda Street, Gaza, 2021 – rua residencial bombardeada por Israel, com 44 palestinos mortos. Estes são todos exemplos e uma lista longe de estar completa dos massacres de civis inocentes cometidos por Israel.

Um deles que me chama a atenção é o massacre de quatro estudantes de dez e onze anos enquanto jogavam futebol na praia de Gaza em 2014. O crime de guerra — como mais se pode chamar um ataque com mísseis a crianças brincando na areia? – se desenrolou diante de representantes da mídia mundial que testemunharam o assassinato dos primos da família Bakr.

Agora sabemos que as crianças foram mortas por mísseis lançados de um drone armado; possivelmente até mesmo um drone contendo peças fabricadas na Grã-Bretanha. Essa é apenas uma das razões pelas quais ativistas pertencentes à Ação Palestina têm como alvo fábricas de drones na Grã-Bretanha de propriedade da Elbit, a maior fabricante e fornecedora privada de armas de Israel.

LEIA: 83% dos cidadãos palestinos sofreram racismo de Estado

Também pode ser a razão pela qual nenhum ativista do grupo foi condenado por um crime, mesmo preso e acusado pela polícia. É possível que os fabricantes de armas não queiram testemunhar em um tribunal britânico, o que exporia a todos como eles conscientemente vendem seus produtos mortais para exércitos que usam suas armas contra civis, especialmente civis palestinos.

O ativismo direto efetivo da Ação Palestina foi recompensado no início deste ano quando surgiram notícias sobre o fechamento do site Elbit Ferranti em Oldham, Greater Manchester. A Elbit vendeu tecnologias Ferranti, pois suas operações em Oldham se tornaram inviáveis. Durante um período de 18 meses, ativistas ocuparam, bloquearam, pressionaram, interromperam e protestaram regularmente no local, e conseguiram encerrar a produção da Elbit de tecnologias militares especializadas para a frota de drones de combate de Israel.

Não satisfeitos em descansar sobre os louros, os ativistas retornaram ao local da fábrica de drones UAV Tactical Systems da Elbit System, nos arredores de Leicester, na manhã de segunda-feira. Eles prometeram não sair até que a Elbit fosse fechada para sempre.

Invadindo o local ao amanhecer, os ativistas interromperam as operações usando uma van para bloquear os portões da fábrica. Suas táticas de ação direta interromperam a fabricação dos drones Hermes/Watchkeeper da Elbit, que são vendidos para os militares israelenses e para outros países depois de serem “testados em batalha” em civis palestinos. A ação de hoje marca mais uma escalada na campanha para #ShutElbitDown, renovando as ocupações de fábricas de drones para forçar o fechamento de mais locais operados pela Elbit. A Ação Palestina diz que continuará essa ação direta até que a empresa cesse todas as operações no Reino Unido.

LEIA: Israel instrui soldados na Cisjordânia a compilar dados sobre os palestinos

Embora a polícia de Leicestershire tivesse o dever de fazer algo sobre os protestos, seria encorajador se uma força policial britânica – a Polícia Metropolitana de Londres, por exemplo – pudesse investigar as alegações de crimes de guerra e crimes contra a humanidade praticados. Israel; e então prender as pessoas neste país que ajudam e incentivam tais crimes. A Grã-Bretanha tem uma lei de jurisdição universal, mas nunca é usada para processar israelenses. De fato, o governo conservador mudou a lei para facilitar a entrada de políticos israelenses na Grã-Bretanha sem a ameaça de processo judicial. Mas e os fabricantes de armas, como a Elbit, usadas em crimes de guerra e crimes contra a humanidade? Por que nada é feito sobre eles?

As pessoas que desafiam a lei para evitar que um crime maior seja cometido devem ser aplaudidas e não presas. Ninguém em Israel foi ainda responsabilizado pelo assassinato dos estudantes de Gaza e das milhares de outras vítimas civis da brutal ocupação militar de Israel. Os aliados de Israel, incluindo os britânicos, também continuam escapando da justiça. É hora de os policiais os investigarem, em vez de prender ativistas envolvidos em algum vandalismo e danos à propriedade relativamente insignificantes.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoEuropa & RússiaIsraelOpiniãoOriente MédioReino Unido
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments