Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Polícia do Egito ‘maltrata’ refugiados sudaneses

Policiais egípcios [Amr Sayed/Apaimages]

O Human Rights Watch (HRW) acusou as forças policiais do Egito de “maltratar” requerentes de asilo e refugiados sudaneses entre dezembro de 2021 e o início de janeiro último. Ao menos 30 cidadãos sudaneses foram presos arbitrariamente neste período.

Segundo três refugiados e um membro de uma organização da sociedade civil sediada no Cairo, policiais à paisana detiveram os cidadãos sudaneses ao abordá-los em suas casas e em espaços públicos, entre 27 de dezembro de 5 de janeiro.

“A polícia os obrigou a descarregar caixas de caminhões enormes em depósitos”, relatou o HRW. “Os agentes utilizaram cassetetes para agredir aqueles que supostamente não levavam a sério a tarefa, além de proferirem ofensas raciais contra os refugiados”.

No dia seguinte, todos os cidadãos sudaneses foram libertados em uma intersecção rodoviária a leste da capital. Nenhuma acusação foi registrada contra eles.

“A procuradoria-geral deve investigar as prisões arbitrárias e os maus tratos contra requerentes de asilo e refugiados sudaneses e levar os responsáveis à justiça”, indicou Joe Stork, vice-diretor do HRW para Oriente Médio e Norte da África.

De acordo com o Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, mais de 52 mil cidadãos sudaneses são registrados como requerentes de asilo no Egito. Entre dois e cinco milhões sudaneses vivem no país.

Os refugiados têm direito a saúde e educação, mas ongs e redes de imprensa costumam reportar casos de racismo e discriminação no Egito.

LEIA: Anistia Internacional pede ao Egito que liberte jornalista aposentado

Categorias
ÁfricaEgitoHRWNotíciaOrganizações InternacionaisSudão
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments