Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Grupo Wagner da Rússia retira combatentes da Líbia para lutar na Ucrânia

Uma visão de um prédio destruído após ataques aéreos atingirem assentamentos civis enquanto os ataques russos continuam na Ucrânia em Dnipro, Ucrânia, em 11 de março de 2022 [Serviço de Emergência Estadual da Ucrânia/Agência Anadolu]

O Grupo Wagner da Rússia retirou cerca de 1.300 de seus mercenários da Líbia para a Rússia através da Síria para participar da operação militar russa na Ucrânia, de acordo com o especialista militar e estratégico coronel Adel Abdel Kafi.

Segundo Abdel Kafi, “o número total de mercenários Wagner russos presentes em solo líbio é de cerca de 2.200”.

Ele acrescentou: “Devido à sua guerra na Ucrânia, a Rússia decidiu retirar 1.300 mercenários Wagner, deixando apenas 900”, conforme relatou a Agência Anadolu.

Ele explicou que os caças Wagner foram retirados de seus postos na estrada que liga Sirte-Jufra, enquanto reforçavam suas posições nas bases aéreas estratégicas de Al-Jufra e Brak Al-Shati.

Em 22 de fevereiro, o canal Panorama, da Líbia, citou uma fonte não identificada revelando que 300 combatentes Wagner foram retirados de Sukanah e Wadan e destinados para o sul.

LEIA: Sudão nega presença do Grupo Wagner

Em 24 de fevereiro, a Rússia lançou uma operação militar contra sua vizinha Ucrânia, que levou capitais mundiais e organizações regionais e internacionais a impor sanções a Moscou que incluem vários setores, dentre eles diplomático, econômico, financeiro e esportivo.

O número de mercenários Wagner na Líbia varia de uma fonte para outra, mas o chefe do Conselho Supremo de Estado, Khaled Al-Mishri, estimou seu número em cerca de 7.000, juntamente com 30 aviões a jato.

Mercenários africanos

Abdel Kafi acrescentou: “Wagner agora conta com mercenários africanos, dos quais supervisionei o treinamento em vários locais”.

Ele continuou: “A pista de terra usada pelos mercenários de Wagner (no sul da Líbia) é guardada por mercenários chadianos, que foram treinados por Wagner meses atrás para realizar operações contra o Chade, como parte da estratégia da Rússia de estender a alguns países africanos ou ex-franceses colônias para tomá-los do controle francês”.

Abdel Kafi destacou: “Wagner continua agora a recrutar mercenários africanos para reforçar suas posições depois de retirar algumas armas pesadas, como os sistemas Pantsir (antiaéreos), para as bases aéreas de Al-Jufra e Brak Al-Shati”.

Sobre as nacionalidades dos mercenários africanos, Abdel Kafi compartilhou: “Wagner recrutou mercenários do Mali, Chade e Sudão, e eles foram encaminhados junto com os elementos sírios nas fileiras da empresa”.

Grupo Wagner na Líbia

Os mercenários Wagner estão na Líbia desde outubro de 2018, de acordo com um relatório das Nações Unidas publicado pela mídia ocidental em maio de 2020, que afirmou que seu número variava entre 800 e 1.000.

No entanto, o papel de Wagner se intensificou após sua participação na agressão liderada pelas forças do general Khalifa Haftar contra a capital, Trípoli, em abril de 2019. Sua retirada das frentes de combate no final de maio de 2020 levou ao colapso das forças do leste da Líbia lideradas por Haftar e ao recuo para a frente Sirte-Jufra.

Os mercenários Wagner estão atualmente ativos entre as províncias de Sirte (450 km a leste de Trípoli) e Jufra (600 km a sudeste de Trípoli) e estão baseados na Base Aérea de Ghardabiya em Sirte e seu porto marítimo. Eles também estão ativos na base aérea Al-Jufra e no sudoeste estendido, também com apoio na Base Aérea Brak Al-Shati (700 km ao sul de Trípoli).

O exército líbio monitorou várias vezes os movimentos de mercenários Wagner nas bases aéreas de Sirte e Al-Jufra, e também anunciou repetidamente o monitoramento da chegada de voos com mercenários de diferentes nacionalidades.

Apesar do acordo das partes líbias em 23 de outubro de 2020, para expulsar mercenários estrangeiros liderados por Wagner de seu país dentro de três meses a partir dessa data, isso não foi alcançado no terreno.

Os governos e analistas ocidentais acusam o grupo Wagner de cometer violações dos direitos humanos na África e de estar envolvido em conflitos na Síria, na Líbia, na República Centro-Africana, no Chade e, recentemente, em Mali.

LEIA: Trezentos mercenários estrangeiros deixam a Líbia a pedido da França

Categorias
ÁfricaEuropa & RússiaLíbiaNotíciaRússiaUcrânia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments