Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

‘Cada vez que prendem Salah, ele fica mais forte’

Ativista franco-palestino Salah Hamouri [Palestinalibre.org‏/Twitter]

Elsa Lefort conheceu seu marido, Salah Hamouri, em 18 de dezembro de 2011, o dia em que ele saiu da prisão sob a troca de detentos Gilad Shalit. Como parte de seu comitê de apoio na França, Elsa estava lá quatro meses depois, quando Salah veio a Paris para participar de uma conferência. O casal se casou mais tarde e, em 2014, ela se mudou para Jerusalém para ficar com ele.

No início deste mês, Salah, um advogado, foi preso durante uma operação de madrugada em sua casa em Kufr Aqab, ao norte de Jerusalém, e detido no centro de detenção de Ofer, perto de Ramallah. É a mais recente de uma série de prisões que Elsa passou desde que conheceu seu marido há 11 anos. No entanto, apesar das tentativas das autoridades israelenses de silenciá-lo, Salah está se tornando mais resiliente.

“Toda vez que o prendem, ele fica mais forte”, diz Elsa. “Nas prisões israelenses, entre os presos políticos palestinos, há uma enorme solidariedade entre os detidos. Eles estão tentando impor uma punição coletiva, estão tentando destruí-lo. Ele é apenas um ativista que luta pela libertação de sua terra, mas também é um marido, um pai, um amigo, um filho. Cada vez que o prendem é mais difícil para ele e também para sua família e ele sabe que isso é difícil para todos nós, mas sua luta pela libertação de sua terra é mais forte que o assédio .”

Defensor de direitos humanos palestino e francês, Hamouri foi preso pela primeira vez durante a segunda Intifada, junto com vários outros jovens que eram politicamente ativos na Universidade de Belém, onde ele estudava. Quando Salah foi solto na troca de prisioneiros, ele trocou seu diploma de sociologia e seguiu a advocacia, em vez disso, acabou passando no exame da ordem e se tornando advogado da ONG Addameer, que apoia presos políticos.

LEIA: O colonialismo como marco interpretativo basilar do apartheid israelense: revisitando e ressignificando a questão

Mesmo fora da prisão, as autoridades israelenses dificultaram a vida de Salah, proibindo-o de passar por postos de controle, o que significa que ele não pode se encontrar com seus clientes no tribunal ou visitar sua família. No ano passado, uma investigação da Front Line Defenders descobriu que o software Pegasus foi instalado no telefone de Salah com o objetivo de extrair informações sobre seu trabalho, arquivos de prisioneiros e ativistas e políticos franceses que o apoiam. O objetivo, diz Elsa, é forçá-lo a deixar a Palestina.

“Tudo o que eles estão fazendo é forçá-lo a deixar a Palestina. Eles o estão usando como exemplo para mostrar o quão fundo eles podem ir se você planeja lutar contra a ocupação.”

“Eles devem saber que ele nunca vai sair. Ele vai ficar na Palestina. É uma guerra psicológica, dizer que vamos prendê-lo porque queremos que você saia. Mas Salah não vai sair sozinho. É direito dele viver Ele está lutando pelo direito de morar em Jerusalém comigo e com nossos filhos. Então, é claro, ele nunca decidirá ir embora.”

Em 2016 Elsa voltou à França para visitar a família, mas quando tentou retornar a Jerusalém, foi deportada e proibida de entrar por 10 anos. Ela era casada, grávida e enfrentava a perspectiva de anos longe do marido.

A princípio, Salah visitava sua esposa e família a cada três meses, até ser preso novamente e colocado em detenção administrativa. Nem as cartas de Elsa lhe foram passadas. Depois veio o Covid, as restrições de viagem e o espaço entre as visitas se estendeu infinitamente. Nos últimos dois anos, Elsa viu Salah por apenas 20 dias no total.

Salah Hamouri atrás das grades israelenses [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

A vida é difícil para as crianças, diz Elsa, mas, no caso delas, não é por questões familiares, mas por questões políticas. O filho deles tem seis anos agora e está começando a entender palavras como ocupação, mas, ao mesmo tempo, só quer passar um tempo com o pai e ser como outra família normal. A filha deles tem 11 meses e só vê o pai há 10 dias.

O caso de Elsa e Salah ecoa o de Ramy Shaath, o prisioneiro político palestino-egípcio que recentemente chegou à França após ser libertado de uma prisão egípcia após uma campanha de sua esposa Celine Lebruth-Shaath. Mas, ao contrário do caso de Ramy, onde o presidente francês Emmanuel Macron usou o Twitter e fez declarações públicas para pressionar o presidente do Egito, Sisi, a libertá-lo, o presidente francês não veio a público com o caso de Salah, por isso é difícil avaliar que ação eles estão realmente tomando.

LEIA: Israel pode impedir o mundo de dizer ‘apartheid’?

Na semana passada, Elsa teve uma reunião com diplomatas franceses que lhe disseram que a França está pedindo a Israel que liberte Salah e que Israel conceda a Elsa o direito de se juntar a ele e morar em Jerusalém. Na semana passada, o presidente israelense esteve na França e o gabinete de Macron disse a Elsa que levantaram o caso de Salah, mas que não podem contar nada a ela sobre o que aconteceu.

“O tratamento racista também é um fator”, acrescenta. “Posso imaginar que, se ele não fosse um Salah, mas um Pierre ou qualquer outra coisa, talvez o tratamento fosse diferente.”

Como o único franco-palestino preso em Israel, Salah é bem conhecido entre os ativistas na França, onde organizações pró-palestinas fizeram várias campanhas para ele. Tem sido convidado a falar em festivais e conferências sobre presos políticos. No entanto, apesar de gozar de grande visibilidade em certos círculos, a grande mídia não fala sobre seu caso.

Enquanto espera por sua libertação, Elsa dedicou sua vida a lutar não apenas por seu marido, mas por todos os prisioneiros palestinos e pela conscientização sobre o assédio diário que sofrem. “Há centenas de Salahs e centenas de famílias sofrendo com a ocupação”, diz ela. “Um dia, não sei quando, a justiça virá, então precisamos ser pacientes e fortes. Estou otimista. Na história, toda ocupação acaba um dia. Então, temos que ser otimistas.”

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaEgitoEntrevistasEuropa & RússiaFrançaOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments