Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Mais de 100.000 pessoas assinam petição pela liberdade de Ramy Shaath

Político egípcio-palestino Rami Shaath, em 22 de agosto de 2019 [Facebook]

Ramy Shaath completou 50 anos dentro de uma prisão egípcia, 719 dias depois de ser detido pela primeira vez em sua casa no Cairo.

Ramy é um ativista egípcio-palestino que fundou o ramo egípcio do movimento de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) e é filho do oficial da Autoridade Palestina e do Fatah, Nabil Shaath.

Ele é uma das figuras mais proeminentes da revolução de janeiro de 2011, que depôs o ditador egípcio Hosni Mubarak.

Em abril de 2020, Ramy foi adicionado a uma lista de entidades terroristas e indivíduos e sua prisão preventiva foi renovada mais de 20 vezes desde que ele foi detido pela primeira vez.

De acordo com a lei egípcia, os detidos só podem ser mantidos em prisão preventiva por dois anos. No entanto, quando se aproximam do fim desse período, as autoridades egípcias costumam apresentar novas acusações contra eles para que possam ficar presos por mais tempo.

LEIA: HRW pede que Sisi do Egito comute sentenças de morte

Em 5 de julho, Ramy estará detido por dois anos e, se continuar na prisão por mais tempo, corre o risco de ter novas acusações contra ele.

“As autoridades egípcias devem ouvir nossa mensagem e libertar incondicionalmente meu marido, que está injustamente preso há dois anos”, disse sua esposa, Celine Lebrun-Shaath, que foi deportada de volta para a França após a prisão de seu marido.

“A liberdade de meu marido poderia ser concedida com um golpe de caneta. Um ativista de direitos humanos que nunca deveria ter sido detido; pedimos apenas que o judiciário egípcio observe suas próprias leis ao libertá-lo antes de 5 de julho.”

Nesta semana, a campanha de Free Ramy Shaath se reuniu para exigir sua liberdade e a de todos os prisioneiros políticos no Egito.

Em 23 de junho, a campanha entregou petições às embaixadas egípcias em capitais de todo o mundo, que alcançaram 100.000 assinaturas.

Os parceiros do evento incluem a Amnistia dos EUA, o Movimento Juvenil Palestiniano e o Students for Justice in Palestine UMD.

Em junho, mais de 180 parlamentares franceses e membros do conselho municipal assinaram uma carta pedindo ao presidente egípcio Abdel Fattah Al-Sisi que libertasse Shaath imediatamente e expressou suas preocupações sobre sua contínua detenção e a de milhares de outros prisioneiros de consciência.

LEIA: Novas sentenças de morte no Egito exigem que busquemos clemência para os acusados

Categorias
ÁfricaBDSEgitoIsraelNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments