Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Da Bósnia à Ucrânia, a história se repete

Passageiros partem da estação ferroviária após desembarcar trens do leste em 11 de março de 2022 em Lviv, Ucrânia [Dan Kitwood /Getty Images]

Em 5 de março de 1992, Aida acordou com bombardeios e tiros quando o exército sérvio abriu fogo do icônico Holiday Inn Hotel e matou duas mulheres que protestavam na ponte de Vrbanja. Para continuar seus estudos de medicina, ela teve que fugir de sua amada cidade de Sarajevo para a Alemanha como resultado da ocupação sérvia. Hoje, o trauma que Aida experimentou durante o cerco de Sarajevo (5 de abril de 1992 a 29 de fevereiro de 1996) está se repetindo na Ucrânia.

Vinte e três anos depois, enquanto trabalhava na Embaixada da Turquia em Sarajevo, eu viveria o trauma da guerra e veria os muitos buracos de bala que eram visíveis nos prédios. Em Sarajevo, é difícil encontrar um prédio sem buracos de atiradores; as cicatrizes da guerra. Sarajevo me hospedou por mais de cinco anos, embora tenha sido agredida e ferida por uma guerra sangrenta. Como a capital da arte durante a antiga República da Iugoslávia, ainda inspira e exibe criatividade.

Como jornalista e acadêmico, concentrei-me na política energética e agora não posso ignorar ou minimizar a extensão em que a guerra na Ucrânia afetará a política do petróleo e os preços da energia. Mas o destino dos civis é muito mais ameaçador.

LEIA: Europa é novamente alvo de críticas, após a morte de refugiados devolvidos à Turquia

É incrível que no século 21 as cidades sejam arrasadas com bombas enquanto os civis imploram para serem evacuados. Trinta anos após o cerco e a destruição de Sarajevo, as cidades ucranianas sofrem o mesmo destino. Infelizmente, uma vez que esta guerra na Ucrânia termine, os sobreviventes serão deixados para reconstruir suas cidades como os bosinianos fizeram uma geração atrás.

Debates nas redes sociais destacam as mortes da guerra como parte do custo energético [Twitter]

Enquanto isso, continuaremos assistindo ao bombardeio da Ucrânia e debatendo como a guerra afetará os preços da energia. Cada bala ou míssil que tira a vida de bebês, crianças e outros civis foi comprado com a receita do gás russo, estimada em € 660 milhões (US$ 727,5 milhões) por dia. Esta é a realidade chocante da situação atual na Ucrânia. Laurence Tubiana, CEO da European Climate Foundation, twittou recentemente: “As sanções existentes já pressionam nossas economias, os preços da energia e também os preços dos alimentos. Este é o novo status quo. enquanto enviam ao presidente Putin US$ 700 milhões em dinheiro de sangue todos os dias”.

Ao continuar sua importação de gás russo, a Europa está pagando – intencionalmente ou não – para matar os bebês e crianças da Ucrânia. Segundo a Agência Internacional de Energia (AIE), em 2021 a Rússia vendeu aos compradores europeus 177 bilhões de metros cúbicos de gás natural, quase todo por gasoduto. Embora sem aviso prévio, está claro que esta guerra está claramente se tornando uma guerra de “energia” e “combustível fóssil”. Portanto, mais do que nunca parece evidente que livrar-se dos combustíveis fósseis russos e dos combustíveis fósseis, em geral, é essencial tanto para a luta contra as mudanças climáticas quanto para o presidente russo, Vladimir Putin.

LEIA: Imigrantes afegãos na Bósnia ainda esperam chegar à Europa, apesar do violento bloqueio

As guerras sempre podem redefinir as economias de energia de maneira negativa. Como exemplo, após a guerra, a Bósnia foi forçada a voltar ao uso do carvão. A estatal Elektroprivreda da Bósnia-Herzegovina foi obrigada a encerrar duas unidades de uma central térmica em Tuzla, no norte do país, devido aos problemas económicos herdados da guerra da Bósnia. No ano passado, os mineiros de carvão da Bósnia entraram em greve devido à falta de uma estratégia do governo. Eles estavam sendo pagos menos do que antes da guerra.

A Ucrânia pode testemunhar um destino semelhante, com futuras gerações de ucranianos herdando um país devastado pela guerra, onde um futuro sustentável e limpo permanece fora de alcance, como nos Bálcãs há três décadas.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoBósnia & HerzegovinaEuropa & RússiaOpiniãoRússiaSérviaUcrânia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments