Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A guerra na Ucrânia é mais uma crise a pesar sobre o povo libanês

Libaneses são recebidos por seus parentes no Aeroporto Internacional de Beirute Rafic Hariri, em 6 de março de 2022 em Beirute, Líbano. [Houssam Shbaro - Agência Anadolu]

Os efeitos e repercussões da guerra na Ucrânia não estavam nos cálculos do povo libanês e a última coisa que eles precisavam eram as repercussões desta intervenção militar russa na Ucrânia, aumentando diariamente o sofrimento do povo, visto que já se encontra em crise econômica.

Em 24 de fevereiro, a Rússia lançou uma operação militar na Ucrânia, que foi seguida por reações internacionais furiosas e pela imposição de sanções econômicas e financeiras “duras” a Moscou.

Os efeitos da guerra foram sentidos em todo o mundo, inclusive no Líbano, que já sofre de uma situação descrita pelo Banco Mundial como “uma das crises globais mais graves”, “provavelmente entre os dez primeiros e possivelmente o terceiro episódio mais graves de crises no mundo desde meados do século XIX.”

Sinais das repercussões da guerra começaram a pairar sobre o Líbano, ameaçando uma crise de segurança alimentar se for prolongada.

Líbano, Rússia e Ucrânia

O Líbano precisa entre 550.000 e 650.000 toneladas de trigo anualmente, segundo dados do governo.

A empresa de pesquisa independente International Information afirmou que as importações da Ucrânia totalizaram US$ 354 milhões em média anual, durante os anos de 2012-2020.

Um relatório publicado no final de fevereiro mostrou que o trigo ocupa o primeiro lugar entre as commodities importadas pelo Líbano da Ucrânia, com um volume de 511.000 toneladas.

Além do trigo, o Líbano importa açúcar, gado, ovelhas, ferro e cevada da Ucrânia, segundo o estudo.

De acordo com dados alfandegários libaneses, a Rússia é uma das maiores fontes do Líbano para a importação de óleo de semente, além de óleos de petróleo, carvão e outras commodities.

O Líbano não pode armazenar grandes quantidades de trigo porque o porto de Beirute costumava abrigar os maiores silos do país, mas após a explosão em 4 de agosto de 2020 foi completamente destruído e perdeu seu estoque – cerca de 85% dos grãos e trigo do Líbano.

Nenhum novo silo foi garantido nem os anteriores foram reconstruídos. O trigo é armazenado nas 12 usinas libanesas, o suficiente para o consumo de um mês ou um pouco mais, ou o estado compra o trigo e o armazena após pagar seu preço aos países de onde o compra.

Estoque de trigo

Na semana passada, o Ministro da Economia Amin Salam disse que o estoque de trigo do Líbano é suficiente para cerca de 45 dias, e que o governo fez acordos para comprar quantidades adicionais, pedindo aos cidadãos que não entrem em pânico na compra.

Salientou que o Conselho de Ministros concordou em conceder à Direcção-Geral dos Cereais e Beterraba sacarina do Ministério da Economia a autorização para importar 50.000 toneladas de trigo, para garantir uma reserva para mais um mês.

Ele acrescentou que com a aproximação do mês sagrado do Ramadã, quando o consumo de alimentos aumentará, ouvimos falar de temores de escassez de alguns alimentos, como óleos e açúcar.

O ministro libanês revelou que foi feito um acordo com importadores, proprietários de centros comerciais, moinhos, fornos e negociantes de gado e aves, para “nos fornecer as quantidades que têm, e vamos continuar a cooperar com eles para que não haja perturbação nos mercados.”

Por outro lado, o chefe do Sindicato dos Importadores de Alimentos, Hani Bohsali, disse à Agência Anadolu: “Estamos em meio a uma crise, mas não chegamos a um desastre”.

“A crise que existe hoje está focada em encontrar alternativas para que as mercadorias sejam embarcadas rapidamente, porque o abastecimento parou repentinamente devido à guerra.”

“No momento, temos estoques de trigo e óleo suficientes para mais de um mês e meio, então é possível encontrar soluções alternativas nesse período.”

Bohsali disse que os EUA, Canadá, Austrália, Romênia e Bulgária podem ser fontes alternativas de trigo. “Costumávamos comprar trigo da Ucrânia porque era o mais econômico”, disse ele.

Ele não escondeu que “os preços das commodities alimentares vão subir no Líbano”, o que significa que os cidadãos sofrerão encargos adicionais sobre eles, em meio a uma queda significativa em seu poder de compra com o colapso da lira.

Etapas preventivas

No início deste mês, o governo formou um comitê ministerial para acompanhar a questão da segurança alimentar, para antecipar todos os problemas que possam resultar das repercussões da crise russo-ucraniana.

Os serviços de segurança também intervieram em lojas para combater qualquer monopólio de produtos alimentícios ou esforços para aumentar os preços.

O Líbano também aprovou uma lei para limitar o uso de farinha apenas para panificação, com o objetivo de preservar o trigo por mais tempo.

Setor de combustível

No fim de semana, os postos de combustível no Líbano testemunharam longas filas por medo de um aumento significativo no preço da gasolina à medida que os custos globais aumentam.

Depois de levantar os subsídios aos combustíveis no verão passado, o Ministério da Energia emite uma tabela de preços dos combustíveis duas vezes por semana, registrando uma queda ou um aumento, de acordo com dois fatores, o primeiro é a taxa de câmbio da lira em relação ao dólar, e o segundo é o preço global do barril de petróleo.

Hoje, o preço do barril de petróleo ultrapassa US$ 110, e no início desta semana chegou a US$ 138.

LEIA: Líbano conversa com Turquia e Índia sobre iminente escassez de trigo

O ministro da Energia e Água Walid Fayyad confirmou que “o gás está disponível nos mercados locais e não estamos em crise”.

Por sua vez, o presidente da Associação das Empresas Importadoras de Petróleo, Maroun Chammas, disse: “O desafio que temos hoje é continuar a garantir os mercados locais com combustível sem interrupção”.

Ele acrescentou: “O Líbano importa grandes quantidades de petróleo russo e hoje estamos procurando mercados alternativos, como os estados do Golfo ou a Turquia”.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoEuropa & RússiaLíbanoOpiniãoOriente MédioRússiaUcrânia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments