Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Professor pró-palestinos da Universidade de Manchester é pressionado a demitir-se e funcionários protestam

Estudantes pró-Palestina costumam fazer protestos na Wentworth Art Hall. O registro da foto é de agosto de 2021 [Forensic Architecture]

O jornal britânico “The Guardian” revelou, em reportagem elaborada pela correspondente de Artes e Cultura Nadia Komani, que trabalhadores da Universidade de Manchester assinaram uma carta na qual apoiam o diretor do Wentworth Art Hall, Alistair Hudson, depois que foi solicitado seu afastamento.

De acordo com o Guardian, Hudson foi convidado a deixar seu emprego na universidade em meio a uma discussão sobre uma declaração de solidariedade com a luta pela liberdade da Palestina, que foi retirada uma exposição de trabalhos do grupo de direitos investigativos Forensic Architecture.

O texto colocado na entrada da exposição se referia à  guerra de 11 dias de Israel em Gaza em maio passado. “Honramos a coragem dos palestinos que continuam a documentar e narrar eventos no terreno e a lutar contra essa violência, apartheid e colonização … Acreditamos que essa luta de libertação é inseparável de outras lutas globais contra o racismo, a supremacia branca, o antissemitismo e a violência colonial dos colonos e reconhecemos seu envolvimento particularmente próximo com a luta de libertação negra em todo o mundo.”

A censura à declaração foi seguida de reclamações e a mensagem voltou a ser colocada na exposição, o que gerou mais protestos de um grupo de lobby pró-Israel que se autodenomina “Advogados Britânicos para Israel” contra o professor e o pedido de seu afastamento.

LEIA: Advogados contestam Londres por permitir entrada de parlamentar israelense de extrema-direita

100 funcionários da Universidade de Manchester assinaram uma carta aberta rejeitando a tentativa de forçar o diretor da Whitworth Art Gallery a deixar o emprego. Os ativistas descreveram o incidente como uma “grave violação da liberdade de expressão artística e acadêmica”.

Post do Art Newspaper relata a perseguição [Twitter]

Em carta aberta, trabalhadores dos vários departamentos exigem que “a Universidade de Manchester restaure Alistair Hudson em sua posição e peça desculpas à Whitworth Art Gallery, à equipe e aos alunos da universidade por essa grave violação dos princípios da liberdade acadêmica e artística”.”Também estendemos nossas mãos em solidariedade ao povo palestino e seu direito de viver em liberdade e dignidade”, disseram.

A universidade havia dito em um comunicado anterior que questões relacionadas a funcionários são assuntos internos, e se recusou a comentar sobre a demissão de Hudson, a quem se referiu como o “atual diretor de Wentworth”.

Categorias
Europa & RússiaNotíciaReino Unido
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments