Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Relatório da UE evita as origens coloniais de Israel

Palestinos realizam uma manifestação para marcar o 73º aniversário da Nakba, em 15 de maio de 2021, no bairro de Sheikh Jarrah, em Jerusalém Oriental. Forças israelenses intervieram na manifestação, atacando um grande número de mulheres [Mostafa Alkharouf/Agência Anadolu]

Outro relatório foi publicado, retratando como Israel está aumentando sua destruição de propriedade palestina e, como resultado, continuando o ciclo de desapropriação de palestinos. O recente “Relatório de um ano sobre demolições e apreensões na Cisjordânia, incluindo Jerusalém Oriental” da UE para todo o ano de 2021 mostrou um aumento de 6 por cento nas demolições e um aumento de 20 por cento na desapropriação em comparação com 2020.

Dos 904 edifícios destruídos, 140 foram financiados pela UE ou pelos seus Estados-membros. Israel foi criticado no passado por destruir habitações e estruturas financiadas pela UE. Em 2020, estimou-se que, entre 2014 e 2019, as forças israelenses destruíram aproximadamente 536 estruturas financiadas pela UE no valor de aproximadamente US$ 2 milhões. Em 2017, oito países europeus exigiram compensação de Israel pelo confisco de equipamentos e demolição de infraestrutura financiada pela UE. Inútil é dizer que Israel rejeitou a demanda por alegações de que a UE está ajudando ativamente os palestinos em atividades de desenvolvimento ilegal.

Em julho de 2021, o Jerusalem Post informou que desde que o primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, assumiu o cargo, as forças israelenses destruíram 159 estruturas palestinas, 28 delas financiadas por doadores.

O relatório recente da UE mostra claramente as discrepâncias na alocação de terras, com apenas 13 por cento da Jerusalém Oriental ocupada disponível para construção palestina, enquanto 57 por cento foram colonizadas por meio da expansão de assentamentos. Entre 2009 e 2018, apenas dois por cento das licenças de construção palestinas foram aprovadas.

LEIA: Congressista de Nova York Jamaal Bowman retira apoio a acordos de Abraão

O relatório também observa o aumento na demolição de estruturas palestinas sem aviso prévio – 90 por cento em fevereiro de 2021, quando comparado a dez por cento em 2016 e 2017, conforme indicado em referência em um relatório do Escritório das Nações Unidas para o Coordenador de Assuntos Humanitários (OCHA).

Com essas estatísticas, fica claro que as sutilezas diplomáticas e as declarações públicas contra a expansão e a demolição de assentamentos são fúteis. Nem mesmo as investigações do Tribunal Penal Internacional (TPI) fizeram nada além de provocar explosões de raiva de Israel, mesmo enquanto continua a pressionar agressivamente para normalizar a expansão colonial. Como a ONU, a UE tem os meios pelos quais pode marginalizar Israel política e economicamente, mas seus regulamentos sobre direitos humanos são mero enfeite no papel, assim como a estrutura de direito internacional da ONU quando se trata de responsabilizar Israel.

Quando a UE fala de expansão de assentamentos, refere-se a moradias e deslocamentos. Ambos estão agora associados ao paradigma humanitário que reprime mais críticas a Israel. Afinal, atender às necessidades imediatas é considerado como trazer alívio, e a comunidade internacional construiu argumentos políticos inteiros em apoio ao trabalho humanitário. O máximo que esses relatórios podem alcançar é um aumento na ajuda dos doadores, o que só aumentará a determinação de Israel de destruir moradias e infraestrutura palestinas.

Se a UE se concentrasse na estrutura colonial ilegal de Israel, a narrativa mudaria das demolições para a política. A ajuda humanitária pode simplificar o envolvimento internacional, mas complica a vida do povo palestino, como tem acontecido há décadas desde a Nakba de 1948. O relatório da UE, detalhado como é sobre a destruição israelense de moradias palestinas, é igualmente claro sobre o fato de que os palestinos não devem se envolver politicamente, mas sim existir como participantes passivos no espetáculo financiado por doadores que está apoiando a expansão colonial de Israel primeiro e acima de tudo.

LEIA: O genocídio palestino e uma estranha “esquerda”

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
BlogBlogs - PoliticsIsraelOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestinaUnião Europeia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments