Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Há mais na crise do gás entre Irã e Turquia do que se percebe

Presidente turco Recep Tayyip Erdogan ( dir.) se reúne com o presidente iraniano Ebrahim Raisi (esq) na 15ª Cúpula da Organização de Cooperação Econômica em Ashgabat, Turcomenistão, em 28 de novembro de 2021. [Presidência da TUR/Murat Cetinmuhurdar - Agência Anadolu]
Presidente turco Recep Tayyip Erdogan ( dir.) se reúne com o presidente iraniano Ebrahim Raisi (esq) na 15ª Cúpula da Organização de Cooperação Econômica em Ashgabat, Turcomenistão, em 28 de novembro de 2021. [Presidência da TUR/Murat Cetinmuhurdar - Agência Anadolu]

O Irã anunciou que interrompeu o fluxo de gás natural para a Turquia por dez dias, a partir de 20 de janeiro, devido a uma “falha técnica”. Isso resultou em uma crise de eletricidade para as fábricas na Turquia. Foram levantadas questões sobre a validade da justificativa iraniana e a realidade por trás da ação. Está relacionado, por exemplo, com os recentes movimentos da Turquia para a reconciliação com os Estados do Golfo?

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, chamou seu colega iraniano, Ebrahim Raisi, no sábado para discutir esta questão, juntamente com as relações bilaterais e assuntos regionais, mas a crise continua, apesar do anúncio de Teerã de que o fluxo de gás para a Turquia foi retomado. Ancara apontou que o Irã não cumpriu seus compromissos, no entanto, e que a quantidade de gás que está enviando agora não é o que foi acordado. A arbitragem internacional será utilizada, disse a Turquia, se o Irã não cumprir suas obrigações.

Segundo relatos da mídia, uma delegação turca em Teerã descobriu que o Irã havia cortado o fornecimento de gás para atender à demanda doméstica. Uma “falha técnica” era, portanto, simplesmente falsa e há mais nisso do que aparenta. É necessário procurar em outro lugar para descobrir a verdadeira causa da crise do gás entre a Turquia e o Irã.

LEIA: Turquia e Israel buscam normalizar laços apesar de apreensões mútuas

A Turquia anunciou há algum tempo o seu novo programa económico para travar a queda do valor da lira, cujo sucesso depende da produção e exportação. Com o processo produtivo em andamento, as exportações turcas atingiram níveis recordes. No entanto, com cortes de energia devido à falta de gás para as centrais, o processo de produção foi dificultado, desferindo um golpe no programa de recuperação econômica. Isso, por sua vez, sem dúvida, constrangeu o governo diante do povo turco, fazendo com que parecesse incapaz de fornecer energia no meio do inverno.

Analistas acreditam que os esforços de reconciliação de Ancara no Golfo, e mesmo com a Armênia, também podem estar por trás do movimento de gás de Teerã. Tais esforços começaram a dar frutos. O príncipe herdeiro de Abu Dhabi, Mohammed Bin Zayed Al-Nahyan, visitou a capital turca no final de novembro, e Erdogan disse que visitará os Emirados Árabes Unidos e a Arábia Saudita em fevereiro. As negociações para normalizar as relações entre a Turquia e a Armênia começaram há cerca de duas semanas, com representantes reunidos em Moscou.

Tudo isso preocupa Teerã e ameaça seus interesses. A medida para cortar o fornecimento de gás pode ter sido uma mensagem a Ancara de que não está feliz com esses esforços de reconciliação em geral e com a reaproximação Turquia-Golfo em particular.

Quaisquer que sejam as causas da crise do gás, elas destacam claramente a importância da independência energética e de fontes alternativas de abastecimento. A Turquia precisa diversificar suas fontes com urgência, para que não possa ficar “refém” dessa maneira. Intensificou sua exploração de petróleo e gás, em terra e no mar, no esforço de ser autossuficiente em energia. Ancara anunciou a descoberta de 540 bilhões de metros cúbicos de gás natural no Mar Negro e ampliou seus investimentos em projetos de energia renovável e nuclear. A primeira unidade da Usina Nuclear de Akkuyu deverá ser concluída na primavera de 2023, e o campo de gás do Mar Negro entrará em serviço no próximo ano. Enquanto isso, a Turquia ainda precisa importar petróleo e gás até que a autossuficiência desejada seja alcançada.

LEIA: Bukele faz a primeira visita de um presidente salvadorenho à Turquia

No entanto, um especialista em assuntos de energia e consultor do Ministério das Relações Exteriores, Caner Can, observa que a dependência da Turquia em relação à Rússia e ao Irã para o gás natural diminuiu significativamente nos últimos quinze anos, caindo para 44,65% do total de importações de gás natural da Turquia. em 2020, de 81,9% em 2005; a proporção disso do Irã era de apenas 11% em 2020. Isso significa que Ancara percebe que essa dependência não apenas ameaça seus interesses nacionais, mas também seus planos futuros e a independência de sua política externa, e está tomando as medidas adequadas para remediar a situação.

Este artigo apareceu pela primeira vez em árabe em Arabi21 em 26 de janeiro de 2022

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoEuropa & RússiaIrãOpiniãoOriente MédioTurquia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments