Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A turbulenta carreira política de Hariri do Líbano

Hariri serviu três vezes como primeiro-ministro, mas sua sorte política diminuiu nos últimos anos, com sua posição enfraquecida pela perda do apoio saudita

O principal político muçulmano sunita do Líbano, Saad Al-Hariri, disse, na segunda-feira, que não concorreria a uma próxima eleição parlamentar e estava suspendendo seu papel na vida política, instando seu partido político a fazer o mesmo, relatou a Reuters.

Hariri serviu três vezes como primeiro-ministro, mas sua sorte política diminuiu nos últimos anos, com sua posição enfraquecida pela perda do apoio saudita.

Hariri, 51, herdou o manto político de seu pai, Rafic, após seu assassinato em 2005, tornando-se o principal muçulmano sunita na política sectária do Líbano. Em 2020, um tribunal apoiado pela ONU condenou um membro do grupo xiita fortemente armado e apoiado pelo Irã, o Hezbollah, por conspirar para matar Rafic Al-Hariri. O Hezbollah nega qualquer envolvimento.

Seus primeiros anos na política foram definidos por sua estreita aliança com a Arábia Saudita e pelo confronto com aliados libaneses da Síria e do Irã, entre eles o Hezbollah. Ele liderou uma aliança libanesa apoiada pelo Ocidente chamada “14 de março”. As tensões se espalharam em um breve conflito armado em 2008, durante o qual o Hezbollah assumiu Beirute.

Ele formou e liderou seu primeiro governo de coalizão em 2009, após 14 de março, conquistou a maioria parlamentar. Esse gabinete foi derrubado em 2011, quando o Hezbollah e seus aliados renunciaram devido a tensões ligadas ao tribunal apoiado pela ONU. Por vários anos, ele ficou principalmente fora do Líbano por motivos de segurança. Ele criticou fortemente o papel do Hezbollah lutando em apoio ao presidente sírio, Bashar Al-Assad.

Tendo liderado a oposição ao arsenal do Hezbollah por anos, Hariri foi amplamente visto por deixar a questão de lado quando começou a fazer entendimentos políticos com o Hezbollah e alguns de seus aliados. Isso resultou em um acordo em 2016 que fez do político cristão aliado do Hezbollah, Michel Aoun, presidente, com Hariri se tornando primeiro-ministro pela segunda vez.

LEIA: Ministro da Informação do Líbano renuncia após desencadear crise com o Golfo

Enquanto continua a se opor à posse de armas do Hezbollah, Hariri descreveu o arsenal como uma questão regional maior do que o Líbano, em que ele disse que o foco deveria estar no combate aos problemas econômicos. Os falcões antiHezbollah o acusaram de compromissos e abandono dos princípios de 14 de março.

Sua rede política no Líbano, incluindo meios de comunicação, começou a sofrer uma crise financeira por volta de 2015. Isso foi um sinal do colapso da empresa de construção saudita de Hariri, Saudi Oger, a fonte da riqueza que ajudou a tornar Rafic Al-Hariri o líder sunita do Líbano após a guerra civil de 1975-90.

As tensões nos laços de Hariri com a Arábia Saudita, que analistas acreditam estar irritada com seus compromissos no Líbano, surgiram em 2017 quando ele foi detido durante uma visita ao Reino e forçado a declarar sua renúncia. Embora Riad e Hariri neguem isso, o incidente foi amplamente divulgado. O presidente francês, Emmanuel Macron, que mediou o fim da crise, disse que Hariri foi detido. Hariri retornou a Beirute e retirou sua renúncia.

Enfraquecido financeiramente, o Movimento Futuro de Hariri perdeu mais de um terço de seus assentos nas eleições parlamentares de 2018. Mas ele continuou sendo o maior jogador sunita e liderou outro gabinete de coalizão.

Seu último período como primeiro-ministro terminou em 2019, quando Hariri renunciou em resposta a protestos em massa contra a elite dominante, que eclodiram quando o Líbano mergulhou em uma crise financeira. Os laços de Hariri com Aoun azedaram muito, e Hariri queria que o genro de Aoun, Gebran Bassil, e outros políticos importantes fossem removidos em uma remodelação do governo, para serem substituídos por tecnocratas. Hariri e Bassil culparam um ao outro por obstruir as reformas que poderiam ter evitado a crise financeira.

LEIA: Ex-primeiro-ministro do Líbano, Saad Hariri, quer que a imunidade de oficiais seja suspensa para investigar a explosão no porto

Categorias
LíbanoNotíciaOriente MédioVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments