Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Egípcios lotam bancos para sacar dinheiro após rumores de flutuação da moeda

Egípcios fazem fila em caixa eletrônico no Cairo, 3 de fevereiro de 2011 [PATRICK BAZ/AFP/Getty Images]

Cidadãos egípcios correram aos bancos após rumores de que o Banco Central voltará a impor a flutuação da moeda nacional. Em 2016, tais medidas foram adotadas sob pretexto de reformas em troca de um empréstimo de US$12 bilhões do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Como parte do programa, o governo deve desvalorizar a libra e desatrelar seu valor do dólar. Entretanto, na ocasião anterior, a medida agravou as dificuldades econômicas da população, dado que a desvalorização da moeda implicou em um surto inflacionário.

Segundo reportagem da rede Al-Araby Al-Jadeed, neste fim de semana, houve discussões entre clientes e funcionários do Banco Internacional Comercial, no centro da capital, devido a empecilhos para realizar saques e transferências nos caixas eletrônicos.

O Banco Central instituiu limite diário de 50 mil libras egípcias (US$3.175) na boca do caixa e 70 mil libras egípcias (US$4.445) nos caixas eletrônicos. Desde 13 de janeiro, clientes têm problemas para receber transferências, pois os serviços digitais permanecem desatualizados.

LEIA: Primeira produção em árabe do Netflix é perseguida no Egito por ‘ofender a sociedade’

Após rumores de uma nova crise circularem na última semana, o governo egípcio emitiu instruções à imprensa para não reportar as filas nas agências bancárias, além de censurar notícias sobre a flutuação da moeda, e enfatizou “estabilidade”.

Todavia, o Egito vivencia uma crise econômica evidente, com carestia em produtos essenciais, como alimentos e combustíveis, sobretudo após cortes em subsídios públicos.

Recursos estrangeiros, incluindo turismo e investimentos, sofrem queda desde 2011, quando a população depôs o longevo ditador Hosni Mubarak. A crise agravou-se em 2013, quando Abdel Fattah el-Sisi assumiu o poder via golpe militar; a pandemia de coronavírus elevou o problema.

Cerca de 60% da população egípcia é considerada pobre ou vulnerável.

O presidente e general, no entanto, tenta omitir temores ao conclamar “paciência”. Seus críticos destacam como a corrupção de seu governo piorou a situação econômica. Há dois anos, os cidadãos voltaram a tomar as ruas, sob forte repressão, para pedir sua renúncia.

As péssimas condições de vida, incluindo a incapacidade de algumas famílias de sequer comprar pão, foi um dos fatores que culminaram na revolução popular de janeiro de 2011.

Categorias
ÁfricaEgitoFMINotícia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments