Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Ataque aéreo deixa mortos e feridos em um centro de detenção no Iêmen

Civis inspecionam um edifício destruído por um ataque aéreo executado por forças da coalizão militar saudita, no Iêmen [Mohammed Hamoud/Agência Anadolu]

Mais de cem pessoas morreram ou foram feridas por um ataque aéreo executado nesta sexta-feira (21) contra um centro de detenção no território iemenita, após bombardeios noturnos que ratificaram a recente escalada no país.

As informações foram divulgadas pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV).

“Há mais de cem mortos e feridos … os números continuam a subir”, destacou Basheer Omar, porta-voz da entidade no país assolado pela guerra.

Um vídeo divulgado pelo movimento houthi registrou o trabalho de resgate para retirar corpos dos escombros, então empilhados na via pública.

Saada, no noroeste do Iêmen, é um dos principais redutos dos rebeldes iemenitas.

A coalizão saudita intensificou seus bombardeios contra alvos supostamente houthis, após o grupo iemenita conduzir um ataque sem precedentes contra os Emirados Árabes Unidos, na segunda-feira (17), além de disparos transfronteiriços contra cidades sauditas.

O incidente foi descrito como o pior ataque estrangeiro desde 8 de outubro de 2016, quando a coalizão saudita bombardeou um funeral comunitário na região de Sanaa.

LEIA: Especialistas prevêem desafios políticos no Iêmen em 2022

Segundo um correspondente da Reuters, muitos dos mortos eram refugiados africanos.

Mais ao sul, em Hodeidah, outro vídeo registrou corpos soterrados e sobreviventes atordoados, após um bombardeio saudita contra a infraestrutura local de telecomunicações. O Iêmen ficou então sem sinal de internet, segundo observadores externos.

A ong Save the Children confirmou em nota que três crianças e mais de 60 adultos faleceram devido aos ataques aéreos desta sexta-feira; contudo, sem maiores detalhes.

A organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) constatou que os hospitais de Saada receberam cerca de 200 feridos devido à ofensiva contra o centro de detenção. “Estão todos tão sobrecarregados que não podem receber nenhum paciente”, reiterou o comunicado.

“Ainda há muitos corpos no local do ataque e muitos desaparecidos”, declarou Ahmed Mahat, chefe do MSF no território iemenita. “É impossível sabermos quantas pessoas foram mortas; certamente parece um ato hediondo de violência”, acrescentou.

Alertas de represália

A Arábia Saudita lidera uma coalizão militar com apoio das potências ocidentais, incumbida de intervir no Iêmen desde 2015, para restabelecer o governo aliado de Abd Rabbuh Mansour Hadi, destituído no ano anterior por rebeldes houthis — por sua vez, alinhados a Teerã.

Anwar Gargash, porta-voz emiradense, reafirmou o direito de “autodefesa” de seu país.

“Os Emirados têm o direito legal e moral de proteger suas terras, sua população e sua soberania e exercerá seu direito à autodefesa para impedir atentados terroristas do grupo houthi”, insistiu Gargash a Hans Grundberg, enviado especial dos Estados Unidos.

A guerra no Iêmen representa uma catástrofe para milhões de pessoas, expulsas de suas casas e à margem da fome. A Organização das Nações Unidas (ONU) descreve a situação no país como a pior crise humanitária do mundo.

São estimadas 377 mil mortes desde o início do conflito até 2021, tanto direta quanto indiretamente — isto é, por ação das armas ou mesmo da fome e de doenças.

LEIA: Escassez de fundos obriga o PMA da ONU a cortar ajuda alimentar ao Iêmen

Publicado originalmente em Middle East Eye

Categorias
Arábia SauditaCruz VermelhaIêmenMSFNotíciaOrganizações InternacionaisOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments