Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Conflito Irã-AIEA é volta à discussão antes das negociações de Viena

Chefe da Organização de Energia Atômica do Irã, Mohammad Eslami discursa durante a Conferência Geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), em Viena, Áustria, em 20 de setembro de 2021 [Joe Klamar / AFP via Getty Images]

O conflito está se formando entre o Irã e a agência nuclear da ONU sobre o monitoramento do programa nuclear do país antes da retomada das negociações do acordo nuclear em Viena, informou a Agência de Notícias Anadolu.

Um novo relatório da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) que observa um aumento significativo no estoque de urânio altamente enriquecido do Irã foi recebido com ceticismo em Teerã.

O representante interino do Irã na agência nuclear da ONU com sede em Viena, Mohammad Reza Ghaebi,, rejeitou o relatório da AIEA divulgado na quarta-feira (17)  pediu aos Estados membros da Agência que “não façam declarações precipitadas ou politicamente motivadas” sobre a cooperação do Irã com a agência nuclear da ONU.

Em resposta ao relatório, ele  disse que a cooperação entre os dois lados continuará “apesar das diferenças em questões técnicas”, sem dar mais detalhes.

Segundo o iraniano,  Teerã já notificou a Agência de seu movimento para enriquecer urânio com até 60 por cento de pureza, além do limite estipulado no acordo nuclear de 2015 assinado entre o Irã e as potências mundiais.

LEIA: Bennett não se reunirá com o embaixador dos EUA em protesto contra o acordo nuclear do Irã 

O relatório da AIEA cita o chefe da Agência, Rafael Grossi, como expressando “profunda preocupação” com a presença de material nuclear em “três locais não revelados” no Irã, que afirma não serem conhecidos da Agência.

Ele diz que Teerã continua bloqueando sua investigação sobre as atividades nucleares não declaradas do país e que “não cooperou” na detecção de partículas de urânio em “três locais não declarados” ou respondeu a questões de “uso de material nuclear” em um quarto local.

O relatório afirma ainda que os inspetores da agência foram “assediados fisicamente” ao entrar nas instalações nucleares iranianas, acrescentando que tais procedimentos de segurança “violam” o acordo sobre os “privilégios e imunidades” da AIEA, do qual o Irã faz parte.

Novos desenvolvimentos

O relatório da AIEA detalha os novos desenvolvimentos em quatro locais preocupantes, incluindo “nenhuma interação entre a agência e o Irã” no armazém Turquz-Abad e na usina nuclear de Teerã, alimentando preocupações sobre questões de salvaguarda nesses locais; buscando informações de Teerã sobre a “possível presença” de urânio natural no local de Lavizan-Shian; e observando que o Irã “ainda não forneceu uma explicação” para a presença de partículas antropogênicas de urânio no local de Marivan.

Na instalação nuclear de Karaj, que foi atingida por um ataque de sabotagem em junho que o Irã atribuiu a Israel, o relatório diz que a Agência “não foi capaz de instalar câmeras de reposição na oficina e / ou verificar se a produção de tubos de rotor de centrífuga e o fole foi retomado. ”

Curiosamente, o relatório trimestral chega dias antes da reunião do conselho de governadores da AIEA, de 24 a 26 de novembro, alimentando especulações de que uma resolução anti-Irã poderia ser considerada na reunião.

Grossi deu a entender durante sua visita aos Estados Unidos em outubro que censurar o Irã na próxima reunião do conselho em Viena era uma possibilidade.

No entanto, o que pode impedir é a visita do chefe da AIEA a Teerã na próxima semana, durante a qual deve manter conversas com o ministro das Relações Exteriores do Irã, Hossein Amir-Abdollahian, e com o chefe da Agência Nuclear, Mohammad Eslami.

Conversas de Viena

A próxima rodada de negociações nucleares em Viena, marcada para 29 de novembro, também foi ofuscada pelo novo relatório da AIEA, que, segundo especialistas, pode dar aos EUA e à Europa força para pressionar o Irã.

O Irã, que tomou uma série de medidas para reduzir seus compromissos sob o acordo nuclear de 2015 desde maio de 2019, um ano após a retirada dos EUA do acordo, incluindo o aumento de suas atividades de enriquecimento nuclear, condicionou a reversão dessas medidas à suspensão das sanções ao Irã.

Por outro lado, os EUA e seus aliados europeus pediram ao Irã que volte à mesa de negociações e cumpra integralmente o acordo nuclear.

Dirigindo-se à sessão da Assembleia Geral da ONU na quarta-feira, o enviado do Irã à ONU, Majid Takht-Ravanchi, alegou que a retirada dos EUA do acordo nuclear, a reimposição de sanções e o não cumprimento da Resolução 2231 do Conselho de Segurança da ONU levaram ao impasse.

LEIA: “Exercício naval dos EUA, Israel, Emirados e Bahrein é uma mensagem para o Irã”.

Ele expressou a disposição do Irã em retornar ao cumprimento total do acordo, desde que os EUA suspendam as sanções e garantam que “não violarão suas obrigações novamente”.

O enviado afirmou ainda que a cooperação do Irã com a AIEA continuará sem obstáculos e que “não há problema” com a implementação dos acordos de salvaguardas.

Ele passou a condenar os supostos ataques israelenses às instalações nucleares do Irã e o assassinato de cientistas nucleares iranianos, incluindo Mohsen Fakhrizadeh, cujo primeiro aniversário de morte é na próxima semana.

Ele disse que Israel se recusou a aderir ao Tratado de Não Proliferação (TNP), instando o órgão nuclear da ONU a “lidar com a questão sem qualquer viés político”.

Categorias
AIEAÁsia & AméricasEstados UnidosIrãNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioUnião Europeia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments