Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Enviado da ONU: Israel deve ser responsabilizado por sua ocupação

Relator Especial das Nações Unidas (ONU) sobre a Palestina, Michael Lynk entrega uma mensagem em vídeo em 18 de maio de 2018 em Genebra [FABRICE COFFRINI/AFP via Getty Images]

O Relator Especial da ONU para os Direitos Humanos nos territórios palestinos ocupados, Michael Lynk, disse na quinta-feira que a comunidade internacional deve responsabilizar Israel por sua ocupação da Palestina.

Seus comentários vieram em uma declaração que ele emitiu para marcar o quinto ano desde que o Conselho de Segurança da ONU aprovou uma resolução pedindo o fim de todas as atividades de assentamento nos territórios palestinos.

“No quinto aniversário da adoção da Resolução 2334 pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas, a comunidade internacional tem que levar a sério suas próprias palavras e suas próprias leis”, disse ele.

Ele acrescentou: “Sem uma intervenção internacional decisiva para impor responsabilidade sobre uma ocupação irresponsável, não há esperança de que o direito palestino à autodeterminação e ao fim do conflito seja realizado a qualquer momento no futuro previsível”.

Lynk ressaltou que a Resolução 2334 da ONU afirma que os assentamentos israelenses constituem “uma violação flagrante sob o direito internacional”, e que todas as atividades de assentamento no território palestino ocupado, incluindo Jerusalém Oriental, “devem cessar imediata e completamente”.

“Se esta resolução tivesse sido realmente aplicada pela comunidade internacional, e obedecida por Israel, muito provavelmente estaríamos à beira de uma paz justa e duradoura”, disse o Relator Especial.

No entanto, ele disse: “Israel está desafiando a resolução, sua ocupação está mais arraigada do que nunca, a violência que emprega contra os palestinos para sustentar a ocupação está aumentando e a comunidade internacional não tem estratégia para acabar com a ocupação militar mais longa do mundo”.

LEIA: Organização de Cooperação Islâmica condena ataques de colonos israelenses aos palestinos

O Relator Especial observou que “nos 20 relatórios entregues ao Conselho de Segurança desde que a Resolução foi adotada, o Secretário-Geral ou seu representante declarou em cada ocasião que Israel não cumpriu nenhuma das instruções do Conselho de Segurança”.

Então, ele se perguntou: “Não está claro agora que a liderança política israelense não tem interesse e nenhum incentivo, para acabar com a ocupação?”.

Ele afirmou que “uma estatística acima de tudo ilustra a notável relutância da comunidade internacional em impor suas próprias direções a respeito da ocupação israelense”.

De acordo com sua declaração, a estatística afirma: “Em 2016, quando a Resolução 2334 foi adotada, estimava-se que havia 400.000 colonos israelenses na Cisjordânia e 218.000 em Jerusalém Oriental. Cinco anos depois, há 475.000 colonos na Cisjordânia e 230.000 em Jerusalém Oriental, um aumento de 12 por cento”.

Ele enfatizou que “esta realidade dinâmica no terreno está correndo muito à frente das tépidas críticas da comunidade internacional sobre a conduta ilegal de Israel”.

Concluindo sua declaração, o funcionário da ONU disse: “Somente uma abordagem baseada em responsabilidade, igualdade e plenos direitos para todos pode criar a possibilidade de um futuro próspero e compartilhado tanto para os palestinos quanto para os israelenses”.

Categorias
IsraelNotíciaONUOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments