Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

“Se eu trocasse Jerusalém pelo Reino Unido, um colono tomaria meu lugar”

Depois de se mudar para o Reino Unido para concluir um mestrado, a jerusalemita Hana Alamleh se recusou a encontrar um emprego e se estabelecer na Europa, optando por voltar para sua casa para protegê-la dos colonos
A palestina de Jerusalém, Hana Alamleh, visita o complexo da Mesquita de Al-Aqsa pela primeira vez desde seu retorno do Reino Unido a Jerusalém
A palestina de Jerusalém, Hana Alamleh, visita o complexo da Mesquita de Al-Aqsa pela primeira vez desde seu retorno do Reino Unido a Jerusalém

Na quarta-feira, 29 de setembro, a jerusalemita Hana Alamleh fazia as malas para a viagem de volta à Palestina, depois de ter ficado um ano no Reino Unido. A jovem de 24 anos recebeu a bolsa da Fundação Said para cursar o mestrado em sociolinguística na Universidade de Essex no ano acadêmico de 2020/2021.

Para os jovens palestinos, partir para a Europa é uma oportunidade de ouro para escapar da violência e da agitação nos territórios palestinos ocupados e planejar seu futuro. Hana foi uma exceção.

Originária do bairro de Shuafat, na Jerusalém Oriental ocupada, que está inteiramente sob a soberania de Israel, a família de Hana mora em uma casa alugada em Jerusalém. Aproximadamente metade da renda de seu pai é usada para pagar o aluguel, outro quarto é pago ao governo israelense como “imposto imobiliário”, o que sobra é gasto no sustento da família.

“Devido às dificuldades financeiras da minha família, fui forçada a trabalhar como professora particular oito horas por dia depois da faculdade para ajudar nas despesas da família”, explica Hana.

Como consequência direta da ocupação, os árabes recebem menos do que os judeus em Israel. Aqueles que desejam ser tratados com igualdade devem passar por um árduo processo no Ministério das Finanças ou trabalhar para se tornarem cidadãos israelenses. A família de Hana se recusa a fazer isso.

LEIA: Reino Unido perde a oportunidade de redimir-se sobre a questão palestina

O vice-diretor do Waqf Islâmico (dotaçõees) de Jerusalém, Sheikh Najeh Bkirat, disse ao MEMO que, para os habitantes de Jerusalém, obter a cidadania israelense é um “reconhecimento explícito” da soberania do estado de ocupação sobre Jerusalém Oriental, e “abole a identidade palestina”.

“Israel é uma mera potência ocupante de Jerusalém Oriental”, explica ele.

“A lei israelense deve ser aplicada igualmente aos residentes árabes e judeus de Israel, mas há um comportamento discriminatório liderado pelo estado contra os árabes”, acrescenta Hana.

Como seu pai possui apenas uma autorização temporária para ficar em Jerusalém, ele está proibido de receber seguro saúde, pode entrar em algumas cidades israelenses, dirigir dentro de Jerusalém e manter um emprego de destaque.

Não são apenas os habitantes de Jerusalém que são restringidos, as forças de ocupação israelenses estabeleceram postos de controle, bloqueios de estradas e outros controles para governar o movimento palestino na Cisjordânia ocupada.

Enquanto buscava seu diploma de graduação na Universidade de Birzeit, perto da cidade de Ramallah, na Cisjordânia, Hana foi repetidamente atrasada nos postos de controle israelenses por horas. Lá, ela teve que passar por rigorosos controles de segurança e recebeu ordens para tirar algumas de suas roupas e jóias em público.

“Depende do humor do soldado israelense … Certa vez, uma senhora palestina grávida deu à luz em um veículo depois de ser arbitrariamente mantida em um posto de controle israelense”.

Mais tarde, para continuar seus estudos no Reino Unido, Hana teve que obter um documento de viagem do Ministério do Interior de Israel e comparecer a uma entrevista com um policial israelense. Lá ela foi questionada: “Qual é a sua nacionalidade?”

Hana: “Palestina”.

Oficial israelense: “Jerusalém é um território israelense?”

Hana: “Não, é a capital da Palestina.”

Como resultado de suas respostas, diz Hana, o oficial emitiu seus documentos de viagem com o nome incorreto e listada como “sem nacionalidade”. Ela finalmente solicitou um visto de estudante e abriu uma conta bancária no Reino Unido usando documentos de viagem da Jordânia.

Hana Alamleh em uma viagem para Edimburgo durante seu período no Reino Unido.

Hana Alamleh em uma viagem para Edimburgo durante seu período no Reino Unido.

Enquanto estava no Reino Unido, Hana teve uma vida diferente, ela foi capaz de viajar diretamente para seu destino sem parar em postos de controle, ver soldados hostis e fortemente armados ou ser humilhada por ser árabe.

No caminho de volta para Jerusalém, no entanto, os maus-tratos retornaram e ela foi interrogada no Aeroporto Ben Gurion de Tel Aviv. “Ser árabe foi um bom motivo para os soldados israelenses me humilharem no aeroporto. Eles verificaram tudo que eu carregava, até meus produtos higiênicos”, explica Hana.

Questionada sobre o motivo de seu retorno a Jerusalém, Hana diz: “Eu tinha uma profunda convicção de que se eu deixasse Jerusalém, os colonos israelenses tomariam meu lugar. Rejeitei meu potencial no Reino Unido em favor de Jerusalém, minha terra e a terra de meu avô.”

Categorias
EntrevistasEuropa & RússiaIsraelOriente MédioPalestinaReino Unido
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments