Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Eles me trataram como criminoso por falar a verdade, diz jornalista sírio detido na Jordânia

Veículos da polícia vigiando o campo de Azraq para refugiados sírios, o mais novo campo na Jordânia que hospeda 54 mil refugiados no deserto do nordeste em Azraq, Jordânia, em 13 de julho de 2017 [Jordan Pix / Getty Images]
Veículos da polícia vigiando o campo de Azraq para refugiados sírios, o mais novo campo na Jordânia que hospeda 54 mil refugiados no deserto do nordeste em Azraq, Jordânia, em 13 de julho de 2017 [Jordan Pix / Getty Images]

Era uma manhã comum de segunda-feira na Jordânia quando eles vieram me buscar. Por volta das 11h30 do dia 15 de novembro, a campainha tocou. Eu não esperava ninguém, mas para minha surpresa, três agentes de inteligência estavam na minha porta. Antes que eu tivesse um momento para processar, eles me levaram para fora e me disseram para ficar em silêncio.

O Serviço de Inteligência Geral da Jordânia veio atrás de mim. Eles já tinham vindo atrás de mim e me entregue à Segurança Geral, que me interrogou sobre minhas atividades. Eles me interrogaram sobre minhas aparições na mídia em vários canais da TV por satélite e minha presença em várias salas de bate-papo do aplicativo Clubhouse, onde falei contra a legitimação do regime sírio e como o presidente sírio Bashar Al-Assad se beneficiaria economicamente com a normalização das relações entre Jordânia e Síria.

Eles me trataram como um criminoso, e os policiais que me prenderam me espancaram como um animal na frente de minha esposa e filhos pequenos. Eles abusaram verbalmente de mim e me acusaram de esconder meu equipamento, apesar de eu ter entregue tudo, inclusive os telefones de minha família.

LEIA: “Nunca fomos tratados como humanos”, diz refugiado sírio

Eles entraram em minha casa e rapidamente confiscaram todos os meus dispositivos. Minha câmera, meu iPad, meu telefone e meu laptop. Antes que eu percebesse, eu estava enfiado em um carro e partindo para o desconhecido.

Meu crime? Os serviços de inteligência vieram atrás de mim porque eu havia falado sobre o tão falado gasoduto árabe. Sua função é ajudar a resolver a crise de energia no Líbano, e envolveria a construção de um gasoduto no Egito, passando pela Jordânia e até o Líbano. O único obstáculo no caminho era o regime sírio, já que o tubo teria que passar pela Síria e ser mantido pelo regime. Quando o Egito e a Jordânia foram excluídos do programa de sanções dos EUA – conhecido como Ato de César – que tornou a Síria de Assad um estado pária, decidiu-se que o oleoduto seguiria em frente.

Os oficiais ameaçaram me entregar ao regime sírio, onde eu desapareceria no buraco negro dos serviços de inteligência, que certamente me matariam por meu trabalho como repórter. Ser um jornalista sírio que busca falar a verdade é um jogo perigoso e você faz inimigos em todas as frentes; especialmente se você expor o lado feio da ditadura brutal de Assad.

Fiquei na seção de transporte de detentos da Diretoria de Segurança Pública até o dia seguinte. Eles me transferiram para a Diretoria de Segurança do Governadorato de Zarqa e então fui detido por uma noite inteira até ser transferido para o campo de Azraq.

Campo de Azraq para refugiados sírios no norte da Jordânia, em 2 de agosto de 2018. [KHALIL MAZRAAWI / AFP via Getty Images]

Campo de Azraq para refugiados sírios no norte da Jordânia, em 2 de agosto de 2018. [KHALIL MAZRAAWI / AFP via Getty Images]

Um dos oficiais pareceu ter pena de mim e ofereceu-me uma ‘intimação especial’, que dizia: “Mohamed Ibrahim é transferido para a quinta aldeia do campo de Azraq, com a garantia de que nunca mais irá embora.” Depois disso, fui levado para o centro de segurança do acampamento e testei para a covid-19. À tarde, quando os resultados deram negativos, fui transferido do “Departamento de Quarentena” para obter documentos para o campo, e fui enviado para a “Quinta Aldeia” no campo de Azraq para refugiados sírios na Jordânia.

Eu estou lá agora e as condições são difíceis. Fica no meio de um deserto, gelado à noite, e os serviços de assistência social praticamente inexistem. Recebi cobertores, roupas de cama e alguns utensílios, e uma refeição tão horrível que mal consegui comer. Agora eu compro minha própria comida nas várias barracas disponíveis na área.

Posteriormente, recebemos informações de repórteres que trabalhavam na Síria de que uma lista havia sido compilada pela Diretoria de Inteligência da Força Aérea Síria com os nomes de jornalistas e ativistas que o regime tinha em sua mira. Então, a mando de Al-Assad, as pessoas desta lista foram detidas e presas pelo estado jordaniano. Alguns foram forçados a suspender seu trabalho e funcionários de publicações como o Syria Direct foram deportados.

LEIA: Quero que o mundo compartilhe a experiência palestina por meio do meu livro, diz jornalista sueca

Ainda não fui acusado de nenhum crime. É impossível, pois não cometi nenhum. Não cometi nenhum crime nem violei as leis de residência desde que cheguei à Jordânia em 2015. Não desejo fazer declarações ofensivas, nem violar uma única letra da lei jordaniana.

Tudo que fiz foi meu trabalho de jornalista. Eu expus a propaganda russa sobre suas atividades no sul da Síria, escrito sobre milícias apoiadas pelo Irã e seu papel nas mudanças demográficas em meu país, procurei contar ao mundo sobre as violações dos direitos humanos de Al-Assad e adverti contra a normalização das relações com dele. Condenei as isenções feitas pela administração dos EUA ao infame Ato Caesar, que permitiu aos Estados árabes fortalecerem os laços com o regime sírio.

Levantei-me e falei porque quero impedir que autoridades normalizem laços com um regime brutal, comandado por um ditador implacável, que regularmente mata e desaparece meus contemporâneos no campo jornalístico. Queria responsabilizar o governo jordaniano por legitimar as atrocidades cometidas por Al-Assad. Fui preso por isso e ameaçado de ser entregue a serviços de inteligência assassinos. Escrevo isso com grande risco para minha segurança, visto que fui proibido de falar sobre minha situação para publicações ocidentais. Ore por mim, ore por meus colegas e amigos que corajosamente vão lá todos os dias para relatar a verdade.

Os nomes foram alterados para proteger a identidade de Mohamed Ibrahim

Categorias
ÁfricaEgitoEntrevistasEstados UnidosJordâniaLíbanoOriente MédioSíria
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments