Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Câmara dos EUA proíbe importações chinesas de Xinjiang por trabalho forçado

Capitólio dos EUA é visto da plataforma de observação da Old Post Office Tower, em 11 de janeiro de 2019, em Washington, DC [Chip Somodevilla / Getty Images]
Capitólio dos EUA é visto da plataforma de observação da Old Post Office Tower, em 11 de janeiro de 2019, em Washington, DC [Chip Somodevilla / Getty Images]

A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou uma legislação para proibir as importações da província chinesa de Xinjiang devido a preocupações com o trabalho forçado dos perseguidos muçulmanos uigures.

Na votação realizada ontem na Câmara dos Deputados, seus membros votaram esmagadoramente 428-1 a favor da “Lei de Prevenção do Trabalho Forçado de Uyghur”, que proibiria todas as importações da província noroeste da China de Xinjiang, onde as autoridades chinesas estão administrando uma vasta rede de campos de detenção.

Nesses “campos de reeducação” que abrigam mais de um milhão de muçulmanos uigures nativos, as autoridades chinesas cometeram crimes contra a humanidade, incluindo a prática de tortura, o abuso sexual e a esterilização à força de mulheres, bem como o trabalho forçado de uigures para produzir bens e produtos para exportação internacional.

Washington insiste, portanto, que todos os produtos importados da província de Xinjiang são resultado de trabalho forçado. A China negou repetidamente os relatórios e evidências dos campos de detenção e, em vez disso, afirma que está enfrentando o terrorismo e o extremismo reeducando pacificamente os detidos.

Apesar de ter sido aprovado pela Câmara dos Representantes, o ato agora deve passar pelo Senado e depois ser assinado pelo presidente Joe Biden para ser implementado e transformado em legislação.

Ele surge em meio a uma série de ações recentes dos Estados Unidos e de outras nações ocidentais contra a China devido aos abusos de seus direitos humanos. Na segunda-feira, o governo Biden anunciou que boicotaria diplomaticamente os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 em Pequim, o Reino Unido e a Austrália também anunciaram que seguiriam o exemplo.

LEIA: Casa Branca anuncia boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Categorias
Ásia & AméricasChinaEstados UnidosNotícia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments