Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

“Tínhamos uma escolha – guerra ou diplomacia”, MEMO fala com Emad Kiyaei

O Monitor do Oriente Médio discutiu a importância das negociações nucleares com Emad Kiyaei, da Organização do Tratado do Oriente Médio
Emad Kiyaei
Emad Kiyaei

Na segunda-feira, 29 de novembro de 2021, delegados e diplomatas dos Estados Unidos, China, Reino Unido, França, Rússia, Alemanha e Irã reiniciaram as negociações sobre o programa nuclear de Teerã em Viena, Áustria. As negociações devem durar algumas semanas e são a primeira reunião oficial para discutir o programa nuclear do Irã desde 2015, quando, sob os governos do presidente Barack Obama e Hassan Rouhani, um acordo foi fechado. Em 2018, o ex-presidente americano, Donald Trump, retirou os EUA do acordo e espera-se que as negociações atuais possam reviver o acordo anterior.

O Monitor do Oriente Médio sentou-se com Emad Kiyaei, da Organização do Tratado do Oriente Médio (METO, na sigla em inglês), para discutir o significado das negociações. De acordo com Kiyaei: “Tínhamos uma escolha – guerra ou diplomacia. Um acordo aconteceu em 2015 e colocou todas essas medidas abrangentes em prática e pensamos que tínhamos acabado com essa questão do programa nuclear do Irã.”

O Plano de Ação Conjunto Global (PACG), mais conhecido como acordo nuclear com o Irã, que foi assinado em 14 de julho de 2015, comprometeu Teerã a reduzir seu desenvolvimento nuclear em troca de um alívio nas sanções econômicas ao país. Depois que Trump se retirou do acordo, seu governo procurou não apenas reimpor as sanções à República Islâmica, que vigoravam antes do acordo de 2015, mas também acrescentou sanções mais duras e gerais.

LEIA: O primeiro-ministro de Israel pede que os EUA ‘parem imediatamente’ as negociações nucleares com o Irã

“A [administração Trump] perseguiu os parceiros comerciais do Irã por meio do que é conhecido como sanções secundárias, então eles foram, digamos, à Coreia do Sul e disseram: ‘Tem certeza de que deseja negociar com o Irã? Se o fizer, nós cortaremos você do mercado dos EUA’. E assim, muitos parceiros comerciais iranianos em toda a Ásia e Europa decidiram que é um alto custo lidar com o Irã. Portanto, não apenas o Irã ficou sob sanções dos EUA, mas as sanções secundárias resultaram na economia iraniana sendo prejudicada “, explicou Kiyaei.

Há muito atraso e controvérsia em torno das negociações atuais. Muitos temem que o Irã não esteja interessado em restabelecer o acordo anterior, para o qual as potências externas estão tentando retornar.

“O fato de ter começado já é uma conquista. Falou-se muito que o novo governo iraniano sob (Ebrahim) Raisi não estará aberto para discutir o acordo nuclear iraniano novamente. O que ouvimos de dentro das negociações e das notícias é que, pelo menos desde o momento em que começou na segunda-feira, a delegação iraniana, diplomatas e negociadores concordaram em continuar as rodadas anteriores e não começar do zero. Isso é uma boa notícia. Eles já entraram no que é conhecido como grupos de trabalho que se concentram nessas três coisas: como remover as sanções, como garantir que o programa nuclear do Irã seja revertido e como sequenciar tudo isso ”, compartilhou Kiyaei.

Nem todo mundo está feliz com o andamento das negociações. Israel se opôs a qualquer tentativa de chegar a um novo acordo com o Irã sobre seu programa nuclear. Quando as negociações começaram, o ministro das Relações Exteriores de Israel, Yair Lapid, percorreu as capitais europeias e pediu aos governos da União Europeia (UE) que não confiassem nas intenções do Irã, enquanto o primeiro-ministro Naftali Bennett divulgou declarações ameaçando que Tel Aviv estaria pronta para uma escalada contra o Irã.

“A posição do governo israelense em relação ao Irã é bem conhecida. Eles têm sido durante anos… você pode relatar o fato de que eles dizem constantemente: ‘O Irã está à beira de uma arma nuclear, o Irã terá uma arma nuclear em 2000, no ano de 2010, estaremos a três semanas de uma bomba iraniana’. Lembre-se de que o único país com armas nucleares no Oriente Médio é Israel, o único país no Oriente Médio que não é signatário do Tratado de Não-Proliferação Nuclear é Israel. Então, quando colocarmos essas ameaças e advertências em perspectiva, temos que reconhecer a realidade de que o Irã não possui uma arma nuclear ”, conclui Kiyaei.

LEIA: Irã critica EUA por impor novas sanções

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasÁustriaEntrevistasEstados UnidosEuropa & RússiaIrãOriente Médio
Show Comments
Show Comments