Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A hipocrisia da Grã-Bretanha contra a resistência palestina

Priti Patel, Secretária de Estado para Assuntos Internos do Reino Unido, ao lado do Primeiro-Ministro Boris Johnson, durante missa fúnebre do parlamentar conservador David Amess, na Catedral de Westminster, em Londres, 23 de novembro de 2021 [STEFAN ROUSSEAU/AFP via Getty Images]
Priti Patel, Secretária de Estado para Assuntos Internos do Reino Unido, ao lado do Primeiro-Ministro Boris Johnson, durante missa fúnebre do parlamentar conservador David Amess, na Catedral de Westminster, em Londres, 23 de novembro de 2021 [STEFAN ROUSSEAU/AFP via Getty Images]

No último dia 19 de novembro, a Secretária do Interior da Grã-Bretanha Priti Patel anunciou em sua conta do Twitter que havia designado o Movimento de Resistência Islâmica (Hamas) como “organização terrorista”. O que está por trás dessa alegação, que será usada para criminalizar o apoio ao Hamas, à Faixa de Gaza, ao povo palestino ou ao movimento de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) é, na verdade, mais uma tentativa de impedir o ativismo pró-palestina e punir o ativismo pacífico e o trabalho humanitário.

Além de hipócrita, a declaração de que o Hamas seria “fundamentalmente e radicalmente antissemita” está em total desacordo com a maioria do povo palestino, que se opõe à ocupação israelense e deu ao Hamas a maioria dos votos nas últimas eleições legislativas, realizadas em 2006, elegendo 74 das 132 cadeiras no parlamento. Se as eleições deste ano não tivessem sido canceladas unilateralmente pelo presidente Mahmoud Abbas, a mando de Israel, o Hamas teria vencido mais outra vez.

O povo palestino rejeitou fortemente essa designação e mereceu uma demonstração de solidariedade por parte de todas as organizações políticas e militares palestinas, que se manifestaram em apoio ao Hamas dizendo, em comunicado, que “o povo palestino e suas forças políticas e nacionais estão unidos em rejeitar e condenar a designação britânica do Hamas como organização terrorista.”

LEIA: Reino Unido perde a oportunidade de redimir-se sobre a questão palestina

A Grã-Bretanha foi efetivamente quem deu vida ao projeto sionista e continua defensora da ocupação colonial de Israel na Palestina histórica. Foi através da famigerada carta do chanceler James Balfour ao líder da Federação Sionista da Grã-Bretanha, barão Lionel Walter Rothschild, em 1917, que o Império Britânico se declarou favorável ao estabelecimento de um tal “lar nacional” para os judeus nas terras palestinas.

Pela responsabilidade assumida no processo de partilha, por meio do plano aprovado em 1947, que entregou ilegal e injustamente 52% do território palestino a imigrantes europeus, não é exagero afirmar que a Grã-Bretanha é a maior responsável pela catástrofe palestina (Nakba), como cúmplice do processo sionista de limpeza étnica.

Os britânicos apoiaram fartamente os terroristas das gangues judaicas Haganah, Stern e Irgun, responsáveis pelo ataque que explodiu, em 1946, o Hotel King David, em Jerusalém, onde viviam familiares e funcionários do governo britânico, deixando 91 mortos e 45 feridos. O autor intelectual do atentado foi Menachem Begin, que depois ocupou o cargo de primeiro-ministro israelense. Não é por acaso que os sionistas transformaram Israel em uma base terrorista contra a nação palestina e os países vizinhos.

Após a partilha, os britânicos entregaram todo o poder aos sionistas, incluindo bases militares, veículos, armas e munições, que se somaram aos equipamentos modernos fornecidos pela União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) e pelo Bloco Socialista, por pressão do Partido Comunista de Israel.

Em 19 de dezembro de 1947, os dirigentes sionistas e a União Soviética firmaram um acordo para o fornecimento de armas, ratificado em Nova York entre Moshe Sherlak, representando os sionistas, e o então chanceler Andrei Gromyko. O armamento foi entregue às milícias sionistas via Checoslováquia, sob ocupação do exército soviético.

A resistência do povo palestino contra a ocupação não é terrorismo, mas um direito exercido com base no Direito Internacional e Humanitário, na Carta das Nações Unidas e em diversas resoluções da Organização das Nações Unidas (ONU), entre elas as de nº 2.649/1970, 2.787/1971 e 3.103/1974, que reconhecem a legitimidade da luta dos povo para resistir ao domínio colonial e estrangeiro, empregando todos os meios à sua disposição, sejam pedras, fuzis ou foguetes e drones.

Ocupação de 1967, Naksa – charge [Sarwar Ahmed/ Monitor do Oriente Médio]

A ministra Patel justificou sua ordem de proscrição ao descrevê-la como esforço fundamental para proteger a comunidade judaica do Reino Unido e combater o antissemitismo. Postura essa que é descabida, pois é sabido que o Hamas não tem atividades formais no Reino Unido. Portanto, é difícil acreditar que esse movimento de resistência represente algum tipo de ameaça à comunidade judaica, onde quer que seja. Designar o Hamas como “terrorista” significa efetivamente rotular os palestinos como “terroristas”, o que não faz nenhum sentido.

A acusação de antissemitismo é muito conveniente e útil quando faltam argumentos e como forma de intimidar os críticos de Israel e desviar a atenção dos problemas reais da ocupação. O Hamas afirma categoricamente em seu programa (2017) que sua luta é contra “o projeto sionista, jamais contra os judeus por motivos religiosos. O Hamas não trava uma luta contra os judeus porque são judeus, mas trava uma luta contra os sionistas que ocupam a Palestina.”

O Hamas não é um “movimento terrorista”, mas um partido político com existência legal, reconhecido pelo povo palestino e internacionalmente. É um componente genuíno e integral do movimento de libertação nacional palestino, não sendo cabível a falsa designação dada pela ministra Priti Patel, uma das defensoras mais fanáticas de Israel no governo britânico.

O lobby sionista pressiona os britânicos porque sabe que a resistência palestina, liderada pelo Hamas, tem registrado muitos progressos políticos e militares, e conquistado apoio internacional, ao mesmo tempo que a ocupação demonstra declínio perante o mundo, já não conseguindo mais esconder seus crimes de genocídio e apartheid cometidos contra os palestinos.

LEIA: Uma política está conduzindo a Grã-Bretanha para a extrema direita

Os sionistas pressionam a Grã-Bretanha, os Estados Unidos e outros países para que sancionem os palestinos porque sabem que o Hamas não mudará de posição em relação à libertação da Palestina e ao status de Jerusalém, como capital palestina e cidade ecumênica da humanidade. Caso queira justiça, por que a Grã-Bretanha não se posiciona pela punição dos crimes de guerra e lesa-humanidade praticados pelos sionistas contra o povo palestino?

A resistência é um direito do qual os palestinos não abrem mão. É um direito legítimo do povo palestino contra a ocupação e as reiteradas violações dos direitos humanos, bem como os crimes de guerra por parte de Israel. O povo palestino continuará exercendo esse legítimo direito até que a ocupação terrorista sionista seja expulsa de suas terras.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestinaReino Unido
Show Comments
Show Comments