Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Líder paramilitar iraquiano nega acusações de assassinato contra premiê

Qais al-Khazali, líder do grupo paramilitar Asa'ib Ahl al-Haq, em Bagdá, Iraque, 7 de maio de 2018 [AHMAD AL-RUBAYE/AFP/Getty Images]
Qais al-Khazali, líder do grupo paramilitar Asa'ib Ahl al-Haq, em Bagdá, Iraque, 7 de maio de 2018 [AHMAD AL-RUBAYE/AFP/Getty Images]

Qais al-Khazali, secretário-geral do grupo paramilitar Asa’ib Ahl Al-Haq, condenou neste domingo (28) esforços para acusar “facções de resistência” de tentar assassinar o primeiro-ministro iraquiano Mustafa al-Kadhimi.

Conforme advertiu, tais alegações podem agravar a crise em curso no país.

Em discurso televisionado, Khazali solicitou a Ali al-Sistani, principal clérigo xiita no Iraque, a intervir na situação, dado que atingiu “níveis perigosos”.

“O ataque à casa do premiê [em 7 de novembro], caso verdade, é algo grave e não pode ser tolerado de modo algum”, declarou Khazali.

No entanto, alertou que Kadhimi recusou a participação de duas “facções de resistência” — isto é, grupos paramilitares — na investigação sobre o caso.

“Enviamos uma mensagem ao comitê incumbido do inquérito”, acrescentou. “Vocês devem fornecer evidências concretas, provas reais e não alegações”.

O líder xiita Muqtada al-Sadr também reivindicou na sexta-feira (26) que os resultados da investigação sejam divulgados.

LEIA: Presidente curdo pede esforços conjuntos contra o Daesh

Categorias
IraqueNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments