Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A Grã-Bretanha precisa de diplomatas capazes, não de spin doctor

Embaixador Britânico Neil Wigan (dir) e Elazar Stern, Ministro de Inteligência de Israel (esq) [@Elazar_stern/ Twitter]

Houve um tempo em que os mandarins do British Foreign & Commonwealth Office eram famosos por sua astúcia e sutileza. Isso não é mais o caso. O departamento tornou-se tão ideologicamente dirigido que alguns diplomatas costumam ser vistos dançando ao som de seus mestres políticos, com pouca consideração por sua profissão.

Portanto, quando o primeiro-ministro Boris Johnson declarou que ele é “um sionista apaixonado”, seus subordinados se sentiram compelidos a falar e agir da mesma maneira.

O embaixador da Grã-Bretanha em Israel, Neil Wigan, não fez nenhuma tentativa de ser discreto ou justo em seu artigo na página de opinião Yedioth Ahronoth em 22 de novembro. Sob o título ‘As asas política e militar do Hamas são as duas faces da mesma moeda’, Wigan lembrou o recente confronto militar entre as facções da resistência palestina lideradas pelo Hamas e Israel. “Durante o conflito no início deste ano, os israelenses fugiram para abrigos enquanto os foguetes do Hamas caíam.”

Visto que foi escrito principalmente para um público israelense, o embaixador não viu necessidade de fazer a conexão entre causa e efeito ou explicar o contexto. Em vez disso, ele convenientemente escolheu ignorar as semanas anteriores de ataques de colonos aos locais sagrados islâmicos e cristãos em Jerusalém.

Significativamente, enquanto as famílias palestinas no bairro de Sheikh Jarrah em Jerusalém Oriental estavam sendo ameaçadas de despejo de suas casas para abrir caminho para colonos judeus, a Grã-Bretanha estava ocupada consolidando sua ampla cooperação militar com Israel.

LEIA: É um absurdo a Grã-Bretanha proscrever o Hamas

Ninguém esperava que a Grã-Bretanha atendesse ao chamado dos palestinos indefesos. Afinal, eles haviam assinado apenas seis meses antes um acordo de cooperação militar com Israel afirmando o papel de Tel Aviv como “um parceiro estratégico chave”. Na época, o Embaixador Wigan não conseguiu conter sua alegria ao twittar que estava “encantado em anunciar que os chefes do Estado-Maior de Defesa do Reino Unido e de Israel assinaram um novo acordo para aprofundar ainda mais nossa cooperação militar”.

Nesse contexto, não foi surpresa que a Grã-Bretanha permanecesse um espectador ineficaz enquanto soldados israelenses atacavam fiéis palestinos todas as noites na Mesquita de Al-Aqsa – a terceira mesquita mais sagrada do Islã. Inevitavelmente, esses atos de provocação que coincidiram com o mês do Ramadã levaram ao confronto aberto em maio de 2021.

Embora a questão da lista negativa do braço político do Hamas tenha sido considerada por muito tempo, o momento real da decisão levanta a questão: por que agora? É uma tática comum dos governos desviar a atenção de suas crises domésticas buscando uma conquista de política externa.

Al-Aqsa permanecerá no coração dos palestinos – charge [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Nenhuma das razões citadas para justificar a criminalização do Hamas foi inovadora; eles foram todos uma repetição de afirmações feitas décadas atrás. Portanto, o momento da decisão parecia calculado para desviar a atenção do espectro de corrupção que atualmente espreita o governo conservador em Whitehall.

Inevitavelmente, a cultura da corrupção criou a imagem de um governo disfuncional e sem leme. Não admira que uma pesquisa nacional realizada na semana passada tenha revelado que 76 por cento do eleitorado britânico estavam profundamente preocupados com a ‘conduta desonesta ou fraudulenta por parte dos que estão no poder’.

Sob essa luz, tanto a decisão do Ministro do Interior quanto o artigo de Wigan são parte integrante de um esforço conjunto para reconquistar o respeito e a confiança do eleitorado britânico; embora às custas do povo palestino. Para esse fim, a questão do Hamas foi uma pista falsa.

Apesar disso, havia algo curiosamente perturbador no artigo. O autor, em sua pressa de agradar seus senhores políticos e aliados israelenses, ignorou o fato de que a ministra do Interior ainda não havia apresentado seu projeto de lei ao parlamento. Conseqüentemente, ao discuti-lo em um jornal estrangeiro antes de o parlamento debater, ele constituiu uma demonstração deplorável de desprezo pelo poder legislativo.

O presidente da Câmara dos Comuns, Sir Lindsey Hoyle, sem dúvida terá notado esse ato de desprezo, até porque em ocasiões anteriores repreendeu ministros do governo por informarem a mídia sobre os assuntos antes de apresentá-los ao parlamento.

Certamente, se a Grã-Bretanha estivesse genuinamente preocupada em defender o Estado de Direito e proteger os direitos humanos universais, responsabilizaria Israel pela prática do crime de apartheid contra o povo palestino. A questão do apartheid israelense não é uma conspiração antissemita pró-palestina; é a opinião de ongs israelenses como Yesh Din e B’Tselem, bem como da Human Rights Watch (HRW), com sede nos Estados Unidos.

Em janeiro de 2021, o B’Tselem publicou um relatório condenatório confirmando que havia ‘um regime de supremacia judaica desde o rio Jordão até o mar Mediterrâneo’. O relatório foi intitulado sem remorso ‘Isto é o Apartheid’.

LEIA: Ministro britânico é criticado por elogiar apenas a contribuição judaica no combate ao coronavírus

Como signatária do Estatuto de Roma, a Grã-Bretanha é obrigada por tratado a adotar medidas legislativas, judiciais e administrativas para levar a julgamento e punir as pessoas responsáveis ​​pelo crime de apartheid. Isso vai acontecer? Certamente não sob o governo atual, que está mais comprometido com a proteção da imagem pública de Israel do que com a defesa dos direitos humanos.

Mas ainda há um vislumbre de esperança por uma Palestina livre. Por toda a Europa, as pessoas de consciência estão cada vez mais exigindo justiça e o fim do colonialismo e do apartheid dos colonos israelenses. Isso foi fortemente demonstrado em julho de 2021, quando 160 acadêmicos de 21 países assinaram uma carta aberta pedindo à Comissão Europeia que boicotasse as universidades israelenses que apóiam as políticas de apartheid do país e as violações dos direitos humanos.

Em última análise, nenhuma série de leis draconianas intimidará ou deterá o público britânico e europeu de apoiar a justa causa palestina. No mínimo, tais medidas irão apenas energizar o apoio à Palestina, em vez de miná-lo. É por isso que a Grã-Bretanha precisa urgentemente de diplomatas capazes para representá-la, não apenas em Israel, mas também no cenário mundial.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoEuropa & RússiaIsraelOpiniãoPalestinaReino Unido
Show Comments
Show Comments