Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A passagem da geração fundadora expôs a crise de liderança de Israel

Pessoas se reúnem para fazer uma manifestação em apoio aos palestinos em 15 de maio de 2021 [Seyit Aydoğan/ Agência Anadolu]

Mais de 73 anos se passaram desde a “declaração de independência” do estado de ocupação de Israel. Desde então, reivindicou muitas conquistas de segurança e militares, mas o estado carece de liderança. Não há manual para líderes. A gravidade desta crise foi exposta pelo falecimento de toda a “geração fundadora”.

A crise da liderança vai além da governança, tomada de decisões, imunidade interna e imunidade internacional, porque tudo isso está ligado à personalidade e ao carisma do líder, que os líderes israelenses carecem mais do que nunca. Isso é especialmente verdadeiro para aqueles com influência significativa sobre a opinião pública israelense.

Muitos israelenses entendem a gravidade desta questão, dadas as grandes mudanças políticas que estão varrendo a região. Uma guerra em grande escala não foi descartada, mesmo na ausência de líderes com experiência e capacidade de tomar decisões importantes sem hesitação ou imprudência.

Os líderes israelenses dos últimos anos se envolveram em corrupção e suborno, mesmo no topo da árvore política. Falhas militares e estagnação política têm afligido governos sucessivos.

A liderança passou para a segunda e terceira geração de israelenses, sem que eles tenham que fazer muito esforço. Uma hipótese política é que Israel carece de uma liderança capaz de superar desafios estratégicos, a ponto de alguns israelenses dizerem – sem exagero – que o país enfrenta uma crise existencial.

LEIA: O embaixador de Israel na ONU não consegue lidar com a verdade sobre suas violações dos direitos humanos

Esta crise de liderança é encontrada em muitas áreas da vida em Israel, incluindo política, militar, segurança e economia. Na verdade, é notável que os líderes de Israel nos últimos anos tenham tentado emular a política dos “pais fundadores”, que se baseava em manobras políticas, evasão e mantendo linhas de comunicação abertas com todas as partes para encontrar soluções. No entanto, os governos sucessores não a dominaram devido à falta de habilidade e conhecimento dos políticos. Portanto, não é surpresa que a liderança israelense hoje seja incapaz de chegar a um acordo sobre a paz com os palestinos ou superar as questões internas que enfrentam.

Isso poderia explicar o retorno gradual ao governo dos generais, o que pode restaurar alguma confiança na liderança, por estarem acostumados com personalidades com arquivos cheios de “conquistas militares”. Sua presença no topo da pilha política pode dar aos israelenses algum grau de conforto, confiança e sensação de segurança, mesmo que seja apenas psicológico. Isso apesar do fato de que, nos últimos anos, muitos desses generais falharam miseravelmente em seus objetivos, arrastando sua reputação para a lama.

O planejamento unidimensional nas ofensivas militares de Israel contra os palestinos na Faixa de Gaza produziu sucessos limitados a um custo excessivo. Podemos chamar isso de “perda líquida”, embora essas tenham sido as mais planejadas de todas as guerras de Israel.

LEIA: E se os palestinos concordassem em viver sob ocupação?

A responsabilidade por esses fracassos não recai apenas sobre os generais e outros oficiais superiores, mas também sobre os “pensadores políticos”. Quando o exército estava preocupado com o planejamento militar, os líderes políticos de Israel não tinham as habilidades para controlá-los, então eles pararam.

Embora a liderança militar pareça à primeira vista estar livre de corrupção e suborno, esses soldados também passam por crises de vez em quando. Houve uma série de erros administrativos e lapsos organizacionais cometidos por altos funcionários do Ministério da Defesa e do exército, como vazamento de documentos das mesas de oficiais superiores, revelação de segredos que colocavam em perigo a vida de soldados e conluio entre oficiais de alto calibre . Aparentemente, alguns generais até participaram do orçamento alocado para operações militares secretas na Síria e no Iraque, passando-o nas férias de fim de semana com suas famílias.

Tais alegações e rumores, verdadeiros ou não, prejudicaram seriamente a reputação do exército israelense e afetaram a confiança do público nele. Existe agora uma espécie de competição barata entre seus comandantes seniores. Isso faz com que a crise da liderança política se espalhe para os militares em uma sociedade extremamente militarizada. Israel precisa urgentemente de verdadeiros líderes em ambos os campos.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoEuropa & RússiaIsraelOpiniãoOriente MédioPalestinaReino Unido
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments