Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Papa urge que refugiados não sejam devolvidos a áreas de risco, como a Líbia

Refugiados apreendidos pela Guarda Costeira da Líbia, a 33 km do litoral de Garabulli, 60 km leste da capital Trípoli, em 19 de outubro de 2021 [Stringer/Agência Anadolu]

Neste domingo (24), o Papa Francisco exortou os países a não devolverem refugiados a áreas de risco, onde sofrem violência e condições desumanas análogas a campos de concentração.

Os apelos do pontífice, durante sua bênção dominical, sucederam esforços da União Europeia para superar divergências sobre os refugiados. Ao longo da última década, a crise migratória alimentou grupos e regimes nacionalistas e populistas por todo o bloco.

“Temos de pôr fim à devolução de refugiados a países que não são seguros … incluindo milhares de migrantes, refugiados e outros que precisam de proteção na Líbia”, declarou Francisco.

Segundo o chefe máximo da Igreja Católica, é preciso priorizar resgates no Mar Mediterrâneo, permitir o desembarque ordenado, fornecer alternativas ao encarceramento e abrir rotas regulares de imigração e requerimento de asilo.

Francisco pediu ainda à comunidade internacional para “manter suas promessas” e encontrar soluções duradouras para gerenciar o fluxo migratório de países como a Líbia.

“Muitos desses homens, mulheres e crianças são sujeitos a violência desumana”, reiterou.

“O quão sofrem aqueles que retornam! Há verdadeiros lagers por aqui”, insistiu o pontífice, recorrendo ao vocábulo alemão frequentemente utilizado na Itália para referir-se a campos de concentração. Falando aos refugiados, acrescentou:

Jamais vos esquecerei! Ouço seus lamentos!

Neste mês, o Alto-Comissariado das Nações Unidas para Direitos Humanos reivindicou um inquérito sobre força “desproporcional e desnecessária” adotada na Líbia para deter refugiados africanos, incluindo balear e mesmo executar aqueles que tentassem fugir.

LEIA:Europa não deve reduzir direitos dos refugiados, alerta premiê de Luxemburgo

No sábado (23), um dia antes dos apelos de Francisco, ocorreu a última sessão do julgamento de Matteo Salvini, ex-ministro e líder da extrema-direita na Itália, acusado de sequestro por impedir que um barco de refugiados atracasse no país, em 2019.

A União Europeia, não obstante, reforçou regras e barreiras contra a chegada de um milhão de refugiados através do Mediterrâneo, há cerca de seis anos, e fechou acordos com Turquia e Líbia, entre outros, para conter o fluxo migratório no meio do caminho.

Categorias
ÁfricaEuropa & RússiaLíbiaNotíciaVaticano
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments