Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A crise do Islã Político e da Democracia no Norte da África

Eleitores votam sobre alterações parlamentares e municipais, em uma seção eleitoral em Rabat, Marrocos , em 8 de setembro de 2021 [alal Morchidi / Agência J Anadolu]
Eleitores votam sobre alterações parlamentares e municipais, em uma seção eleitoral em Rabat, Marrocos , em 8 de setembro de 2021 [alal Morchidi / Agência J Anadolu]

Quando circulou a notícia de que o principal grupo político do Marrocos, o Partido do Desenvolvimento e da Justiça (PJD), havia sido derrotado nas últimas consultas eleitorais realizadas em setembro, porta-vozes oficiais da mídia no Egito celebraram a notícia como se a derrota do PJD fosse, em si, um golpe ao movimento da Irmandade Muçulmana egípcia. Regionalmente, comentaristas políticos que dedicaram muito de seu tempo para desacreditar vários partidos políticos islâmicos – muitas vezes em nome de um governo árabe ou outro – noticiou o fato como outra suposta prova de que o Islã político é um fracasso tanto na teoria quanto na prática.

“Regionalmente, a notícia do fracasso foi recebida com júbilo”, escreveu Magdi Abdelhadi no site da BBC em inglês. “Os comentaristas consideraram a queda do PJD como o último prego no caixão do Islã político”, acrescentou.

O que falta em tais declarações abrangentes é que aqueles que saudaram a derrota do PJD com ‘júbilo’ são principalmente a mesma multidão que rejeitou o Islã político, mesmo durante seu crescimento sem precedentes após a ‘Primavera Árabe’ em 2011; e são os mesmos mercenários intelectuais que descaradamente continuam a louvar ditadores como o general Abdel Fattah Al-Sisi no Egito e os vários monarcas árabes no Golfo.

O PJD não foi apenas derrotado, mas quase completamente demolido como resultado da votação, poupando apenas 12 dos 125 assentos obtidos em 2016. As razões por trás desse fracasso, no entanto, estão sendo mal interpretadas por várias entidades, governos e indivíduos com o objetivo de acertar velhas contas e manchar rivais políticos. O objetivo final aqui é cimentar o status quo em que o destino das nações árabes são mantidas nas garras de governantes brutais, corruptos e que se auto-engrandecem, sem tolerância para a genuína pluralidade política e a democracia.

Aqueles que insistem em ver a política árabe e do Oriente Médio por meio de noções acadêmicas generalizadas também enxergam nas consultas eleitorais marroquinas uma oportunidade perfeita para se aprofundar em declarações mais em abrangentes. Essas reações automáticas e clichês foram impulsionadas pela crise política em curso na Tunísia, cuja principal vítima, além da democracia tunisiana, é o partido Ennahda Islâmico.

Crise da democracia na Tunísia

Em 25 de julho, o presidente tunisiano Kais Saied deu início a uma série de medidas que desmontaram toda a infraestrutura democrática do país, concentrando todos os poderes em suas mãos.

Aproveitando o mau desempenho e a disfunção endêmica dos principais partidos políticos do país, incluindo o Ennahda, bem como uma crise econômica inflamada e uma crescente insatisfação entre os tunisianos comuns, Saied justificou suas ações como uma forma de “salvar o estado e a sociedade”.

LEIA: Esposas bahá’ís de jordanianos não conseguem se naturalizar

Um acadêmico sem experiência política real, Saied não forneceu nenhum roteiro para restaurar a democracia do país ou para consertar seus muitos problemas socioeconômicos. Em vez disso, em 29 de setembro, ele nomeou outra política inexperiente, também acadêmica, Najla Bouden Romdhane, para formar um governo. A escolha de Saied de selecionar uma mulher para o cargo – tornando-a a primeira mulher árabe primeira-ministra – provavelmente foi planejada para comunicar uma mensagem de política progressista e para ganhar mais tempo, mas com que objetivo?

Ao revisar o programa político de Saied desde julho, The Economist argumentou que o presidente tunisiano “anunciou pouco na forma de um programa econômico, além de planos incipientes para combater a corrupção e usar os lucros para financiar o desenvolvimento”.

A estratégia de Saied para reduzir a inflação “é pedir às empresas que ofereçam descontos”, segundo a publicação londrina, dificilmente o reordenamento radical da economia devastada de um país.

O estado de emergência da Tunísia está sendo usado para restringir liberdades? – Desenho animado [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

Frustrado pelo fracasso em traduzir a democracia emergente da Tunísia em uma diferença tangível que pode ser experimentada na vida cotidiana de pessoas comuns, desempregadas e pobres, a opinião pública da Tunísia mudou gradualmente ao longo dos anos. Esta pequena nação, que em 2011 havia buscado a salvação por meio da democracia para seu bem, agora vincula a democracia à prosperidade econômica.

De acordo com uma pesquisa de opinião pública conduzida pelo Arab Barometer em julho de 2021, três quartos dos tunisianos definem a democracia em termos de resultados econômicos. Como os resultados desejados não foram alcançados sob uma sucessão de governos que governaram o país na última década, um número semelhante, 87% dos tunisianos, apoiou as primeiras decisões de seu presidente de demitir o parlamento. Eles podem ter esperado que as medidas de Saied reverteriam a crise econômica enraizada. No entanto, à medida que fica claro que Saied não tem um plano claro para desviar a Tunísia do trágico caminho do Líbano e de outras economias fracassadas, os manifestantes estão tomando as ruas novamente, exigindo a restauração da democracia e o retorno à pluralidade.

Política Determinística vs. Política Dinâmica

Quando a Primavera Árabe começou, começando na Tunísia no início de 2011, parecia que a queda dos ditadores e a ascensão da democracia eram inevitáveis; também parecia certo o surgimento de partidos islâmicos, que, de fato, registraram vitórias substanciais em várias eleições democráticas em todo o Oriente Médio e Norte da África. O Partido da Liberdade e Justiça do Egito (FJP) – fundado pelo Movimento da Irmandade Muçulmana do país – obteve 37% dos votos nas eleições parlamentares de 2011; O PJD do Marrocos garantiu mais de 25 por cento dos assentos disponíveis no parlamento, enquanto o Ennahda obteve 89 dos 217 assentos.

Então, era comum discutir os partidos islâmicos como se fossem todos ramos do mesmo movimento ideológico – na verdade, na opinião de alguns – até mesmo um movimento político. ‘Islã político’ tornou-se sinônimo de ‘Primavera Árabe’. Alguns viram isso como uma oportunidade para os muçulmanos “moderados” – marginalizados, exilados e muitas vezes torturados e mortos – finalmente reivindicarem o que é deles por direito; outros, a saber, intelectuais e políticos israelenses e ocidentais de direita, condenaram o que viram como um ‘inverno islâmico’, alegando que a democracia e o Islã esposariam um sentimento ainda maior antiocidental e antiisraelense.

LEIA: A vida e a liberdade das mulheres sob ataque feroz

Freqüentemente, ausente da maioria dessas discussões está o contexto nacional, sob o qual todas as políticas árabes, sejam de tendência islâmica ou não, operam. No Marrocos, por exemplo, o rei Mohammed VI jogou seu próprio jogo político para garantir a sobrevivência da monarquia na era da democratização. Ele rapidamente atraiu os islâmicos para mais perto de si, ofereceu um verniz de democracia, enquanto praticamente se apegava a todos os aspectos do poder.

LEIA: O turismo doméstico é a única esperança para os artesãos em dificuldades do Marrocos

Embora leve algum tempo para chegar a uma análise conclusiva, é possível que a queda do PJD tenha sido o resultado de sua disposição de comprometer seus princípios declarados em troca de uma parcela muito limitada de poder. De fato, às vezes parecia que o partido islâmico, eleito para afastar o país do governo de um único indivíduo, estava desempenhando o papel de partido político oficial do rei. Isso se manifestou na aceitação do PJD e eventual endosso da normalização dos laços do Marrocos com o Estado de Israel em dezembro de 2020.

A recente derrota dos islamitas no Marrocos, no entanto, não deve ser vista como uma crise do Islã político, pois este é um conceito teórico em constante fluxo e aberto a várias, muitas vezes radicalmente opostas, interpretações de diferentes estudiosos e sob diferentes contextos históricos.

Enquanto o PJD, por exemplo, aprovava a normalização do rei com Israel, o Ennahda a rejeitou veementemente. Na verdade, cada partido islâmico parece se comportar de acordo com diferentes conjuntos de prioridades que são exclusivas para aquele partido, para seu cenário socioeconômico, objetivo político e, em última análise, para seus próprios interesses únicos.

Causas para otimismo

Em vez de recorrer a noções abstratas e generalizações, como a “queda de PJD (ser) o último prego no caixão do Islã político”, uma leitura alternativa e certamente mais sensata é possível:

Em primeiro lugar, a maioria dos eleitores árabes, como os de todos os lugares, julga os políticos com base no desempenho, não em exageros, slogans e gritos. Isso é verdade tanto para os partidos islâmicos quanto para os socialistas, secularistas e todos os outros; e é aplicável tanto ao Oriente Médio quanto ao resto do mundo.

Em segundo lugar, o Marrocos é um espaço político único que deve ser analisado separadamente da Tunísia e este último do Egito, ou Palestina, e assim por diante. Embora seja academicamente correto falar de fenômenos políticos, as generalizações não podem ser prontamente aplicadas aos resultados políticos cotidianos.

LEIA: A construção do Brasil sob um prisma árabe

Terceiro, o fato de que o PJD está recuando silenciosamente para as fileiras da oposição e que o Ennahda está passando por uma revisão substancial, são todos indícios de que os partidos islâmicos aceitaram, não apenas em teoria mas na prática, alguns dos principais pilares da democracia e pluralidade construtiva: alternância democrática, auto-introspecção e busca da alma.

Aqueles que se consolaram com o equívoco de que o Islã político está morto lembram, em sua auto-ilusão, a teoria de Francis Fukuyama sobre o “fim da história”, após a desintegração da União Soviética e a ascensão temporariamente inconteste dos EUA como a única superpotência do mundo. Esse pensamento provisório não é apenas irracional, mas, em si mesmo, o resultado de um pensamento positivo com motivação ideológica. No final, a história continuou em movimento, como sempre será o caso.

Embora o Partido da Justiça e Desenvolvimento, o Ennahda e outros partidos islâmicos tenham muita reflexão a fazer, devemos lembrar que o futuro não é moldado por noções determinísticas, mas por processos dinâmicos que constantemente produzem novas variáveis, portanto, resultados. Isso é verdade no Norte da África e sempre será verdade no resto do mundo.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaIsraelMarrocosOpiniãoPalestinaTunísia
Show Comments
Show Comments