Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A Anistia apela ao Sri Lanka para acabar com a violência e a discriminação contra os muçulmanos

Soldados do exército do Sri Lanka patrulham durante operações especiais de isolamento e busca em Colombo, em 25 de maio de 2019 [Lakruwan Wanniarachchi/AFP via Getty Images]

A Anistia Internacional (AI) pediu ao governo do Sri Lanka que ponha fim à violência e à discriminação contra a minoria muçulmana da ilha.

De acordo com um comunicado divulgado no domingo, a AI disse que a comunidade muçulmana do Sri Lanka, que representa quase 10 por cento da população, tem sofrido discriminação, assédio e violência consistentes desde 2013.

As descobertas, baseadas em um novo relatório intitulado “De casas em chamas a corpos em chamas: assédio, discriminação e violência antimuçulmanos no Sri Lanka” afirmam que a islamofobia está aumentando em meio a um aumento do nacionalismo cingalês-budista, particularmente após o Ataque terrorista de Domingo de Páscoa de 2019, que foi reivindicado por uma célula local do Daesh e resultou na morte de mais de 250 pessoas. Em 2016, o então governo anunciou que 32 muçulmanos do Sri Lanka de famílias ‘bem-educadas e de elite’ se juntaram ao Daesh na Síria, o que teve um efeito de radicalização na comunidade do país.

Tal discriminação evoluiu de ataques de multidões a políticas governamentais destinadas a marginalizar a comunidade muçulmana, incluindo a cremação forçada de vítimas muçulmanas de covid-19 e propostas atuais para impor a proibição do niqab (véu facial) e madrasas (escolas religiosas).

LEIA: Macron da França pede ‘perdão’ a veteranos da Argélia

Diz-se que a hostilidade antimuçulmana se intensificou em 2013, quando grupos nacionalistas budistas fizeram lobby para proibir a certificação halal de alimentos, levando a um aumento dos ataques a mesquitas e empresas muçulmanas, com impunidade.

“Embora o sentimento antimuçulmano no Sri Lanka não seja novidade, a situação regrediu drasticamente nos últimos anos. Incidentes de violência contra muçulmanos, cometidos com a aprovação tácita das autoridades, ocorreram com uma frequência alarmante. Isso foi acompanhado pela adoção pelo atual governo de retórica e políticas que têm sido abertamente hostis aos muçulmanos”, disse Kyle Ward, secretário-geral adjunto da AI.

“As autoridades do Sri Lanka devem quebrar essa tendência alarmante e cumprir seu dever de proteger os muçulmanos de novos ataques, responsabilizar os perpetradores e acabar com o uso de políticas governamentais para atacar, perseguir e discriminar a comunidade muçulmana.”

A AI acusou o atual governo do Sri Lanka, desde que assumiu o cargo no ano passado, de continuar “a visar a população muçulmana para se distrair das questões políticas e econômicas”.

Os muçulmanos do Sri Lanka, em sua maioria sunitas, são divididos em três origens étnico-sociais principais: mouros do Sri Lanka (que falam principalmente tâmil, mas traçam sua ascendência com comerciantes árabes que se estabeleceram na ilha a partir do século 8), mouros indianos e malaios.

A Gazeta Colombo do Sri Lanka informou ontem que o governo garantiu a segurança e a proteção da comunidade muçulmana. O co-porta-voz do gabinete, Dr. Ramesh Pathirana, disse: “Somos um governo responsável. Queremos reiterar o fato de que cuidaremos dos interesses de todas as comunidades do país, incluindo muçulmanos, tâmeis e cingaleses”.

Categorias
Anistia InternacionalNotíciaOrganizações Internacionaissri Lanka
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments