Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Tenho segredos que podem abalar o Estado argelino, diz Said Bouteflika

Said Bouteflika (centro), conselheiro e irmão do falecido presidente da Argélia, Abdelaziz Bouteflika, em 19 de maio de 2012, em Argel, Argélia [Farouk Batiche/AFP/Getty Images]

Said Bouteflika, conselheiro e irmão do falecido presidente argelino, Abdelaziz Bouteflika, disse preferir o silêncio a revelar segredos que abalariam os alicerces do Estado.

Isso veio em seu último discurso perante o tribunal criminal na terça-feira, antes de ser condenado a dois anos de prisão com execução, sob a acusação de interferir no trabalho do judiciário.

Acrescentou que foi vítima de plataformas de redes sociais e de jornalistas, afirmando que foi implicado nesse caso por uma investigação conduzida por um coronel.

Ele disse: “(O coronel) me ameaçou, e eu fui testemunha neste caso, então me tornei acusado com base em um relatório falso, uma pergunta e uma resposta sem que eu respondesse às perguntas”.

Ele continuou: “Eu fiz a promessa de seguir o caminho do primeiro, de acordo com o que meu irmão Abdelaziz Bouteflika disse ao falecido Houari Boumediene […] Durma bem, agora eu sei como os homens morrem”.

Concluiu: “Se Deus quiser, morro em silêncio e com dignidade, porque tenho segredos que, se os revelasse, teríamos abalado os pilares do querido Estado argelino. Sou vítima das redes sociais e dos jornalistas”.

LEIA: Argélia frustra ataque de separatistas com apoio de Israel

Said Bouteflika, Ali Haddad e o ex-inspetor-geral do Ministério da Justiça, Ben Hashem Al-Tayeb, enfrentam várias acusações, incluindo o crime de incitação à falsificação de documentos oficiais, incitação ao preconceito e participação em incitação ao preconceito e abuso, além de obstruir a boa governança e a participação na obstrução da justiça.

Em 25 de setembro de 2019, o tribunal militar de Blida condenou Said Bouteflika e outros funcionários a 15 anos de prisão pelo crime de “conspirar contra a autoridade do Estado e minar a autoridade do exército”, antes de decidir a absolvição durante o recurso em janeiro passado.

Said Bouteflika está na prisão de El-Harrach desde dezembro de 2020, depois de ter sido condenado em três casos de corrupção.

Said gozou de grande poder durante o governo de seu irmão na Argélia, principalmente durante sua doença, ou seja, após 2013.

Categorias
ÁfricaArgéliaNotícia
Show Comments
Show Comments