Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Líder da independência do Saara Ocidental diz que os combates continuarão ao longo do muro de Marrocos

Brahim Ghali, secretário-geral da Polisário e presidente da autoproclamada República Árabe Democrática Sahrawi, discursa durante o congresso extraordinário da PF, em 9 de julho de 2016 [Farouk Batiche/AFP via Getty Images]

O líder do movimento de independência do Saara Ocidental, Barhim Ghali, prometeu continuar lutando contra as forças marroquinas ao longo do muro que separa o território deserto disputado sob o controle de Rabat e da Frente Polisário apoiada pela Argélia, e fará isso até a comunidade internacional cumpra uma promessa não cumprida de autodeterminação para o povo sarauí.

Falando ontem durante o evento do Dia da Unidade Nacional no campo de refugiados de Djla, na província de Tindouf, no sul da Argélia, Ghali disse: “Não haverá paz nem estabilidade, nem uma solução justa e duradoura para o conflito marroquino-saharaui, a menos que o Conselho de Segurança da ONU assuma suas responsabilidades em responder, com franqueza e firmeza, às práticas agressivas e expansionistas do poder de ocupação marroquino”.

“A guerra já está sendo travada no terreno. E seus perigos e repercussões na região não podem ser evitados se as Nações Unidas continuarem administrando a crise em vez de resolvê-la”, alertou.

De acordo com a AP, pelo menos oito combatentes da Frente Polisário foram mortos durante o combate ou em retirada após realizarem ofensivas contra as forças marroquinas ao longo do muro.

LEIA: Tribunal superior da UE anula acordos com Marrocos sobre o Saara Ocidental

Ghali também se manifestou contra “países, empresas ou outros” que fazem negócios com o Marrocos no território disputado por apoiar “uma operação ilegal, agressiva e expansionista, e o roubo e o saque de riquezas de um povo oprimido e indefeso”.

No início deste mês, foi noticiado que Israel e Marrocos vão assinar um acordo de coprodução de drones kamikaze. O Reino, que vem discutindo planos para desenvolver drones com a Israel Aerospace Industries (IAI) desde o início do ano, também assinou um acordo de cooperação com a National Cyber ​​Directorate de Israel que permitirá a Rabat comprar “conhecimento e tecnologia” de empresas israelenses.

De acordo com o mapa oficial da ONU, o Saara Ocidental é retratado como um território disputado. Ex-colônia espanhola, o Saara Ocidental foi anexado pelo Marrocos e pela Mauritânia em 1975. Um ano depois, a Frente Polisário proclamou a República Árabe Sahrawi Democrática, com um governo no exílio baseado na Argélia. Embora a Mauritânia tenha retirado suas forças em 1979, o Marrocos se recusou a fazer o mesmo e afirmou que o Saara Ocidental é parte integrante de seu reino.

Em troca da retomada de relações diplomáticas plenas com Israel, a administração Trump dos Estados Unidos concordou em reconhecer as reivindicações territoriais do Marrocos e apoiou seu “Plano de Autonomia” sobre o Saara Ocidental.

LEIA: Israel vendeu armas secretamente ao Marrocos

Categorias
ÁfricaArgéliaIsraelMarrocosNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments