Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Os líderes mundiais irão resolver a crise dos refugiados na COP26?

Meninas refugiadas afegãs assistem a uma partida de futebol perto do local onde estão hospedadas na base do Exército Americano de Ft. McCoy, em 30 de setembro de 2021, em Ft. McCoy, Wisconsin [Barbara Davidson/Getty Images]

A mudança climática no Afeganistão não apenas alimentou conflitos, mas também provocou uma grande crise de refugiados. A maior parte do Afeganistão é seca e quente durante boa parte do ano e, de 1950 a 2010, o país sem litoral aqueceu 1,8 graus Celsius – cerca do dobro da média global, mas é responsável apenas por uma pequena fração das emissões de gases de efeito estufa. O combate a essas emissões exige a tomada de medidas e enormes investimentos em tecnologia e infra-estrutura. Em agosto, graves inundações resultaram em mais de cem mortes, com centenas de casas destruídas.

Qual é a principal razão para estes desastres naturais?

Em vez de enfrentar este problema, os governos da região fecharam uma a uma suas fronteiras e tentaram bloquear a entrada de refugiados em fuga.

Os refugiados afegãos, no entanto, não são a causa da crise. As nações mais ricas são as que causam mais danos em termos de emissões de CO2 e destruição da biodiversidade por meio de seus estilos de vida. Sua venda de armas para alimentar conflitos em países devastados pela guerra, como o Afeganistão, também contribuiu para o deslocamento em massa de polupulações civis.

Um estudo estima que a mudança climática poderia levar 1,5 bilhões de pessoas a migrar até 2050. Neste contexto, vários analistas têm tentado colocar números sobre os futuros fluxos de migrantes climáticos, frequentemente chamados de “refugiados climáticos”. A previsão mais amplamente repetida é que haverá pelo menos duzentos milhões desses refugiados até 2050.

LEIA: ONU: relatório sobre clima é “alerta vermelho”

O Reino Unido sediará a 26ª Conferência das Partes da Mudança Climática da ONU (COP26) em Glasgow por doze dias a partir de 31 de outubro e destacará como a mudança climática desencadeia uma crise de refugiados. Enquanto os participantes se preocupam com o custo do aluguel de pavilhões na COP26, já que é consideravelmente mais alto do que na COP25 em Madri, observadores e ativistas estão perguntando se os líderes mundiais irão realmente aproveitar a ocasião para enfrentar a crise global de refugiados.

A polícia escocesa monta uma patrulha de oficiais perto do local da SSE Hydro, em Glasgow, em 4 de outubro de 2021, enquanto a cidade se prepara para sediar a COP26 da Conferência das Nações Unidas sobre o Clima, em novembro. [ANDY BUCHANAN/AFP via Getty Images]

Apesar de décadas de advertências de alguns pesquisadores, os refugiados climáticos não são reconhecidos pela lei e não têm qualquer direito em Estados estrangeiros. Os perigos enfrentados pelos refugiados climáticos têm sido negligenciados por décadas. A última convenção sobre refugiados foi assinada em 1951 pelas Nações Unidas depois que 70.000-80.000 refugiados judeus foram aceitos na Grã-Bretanha. Portanto, a COP26 deve produzir soluções fortes para os refugiados climáticos. No entanto, pode haver uma falta de vontade política internacional para encontrar uma solução para o fluxo futuro de refugiados climáticos.

Haverá promessas de grandes ações para reduzir as emissões de carbono e combater a mudança climática. Em vez de exibir seus países nos pavilhões, produzindo declarações simbólicas e pouco mais, os legisladores e líderes deveriam tocar nas muitas questões importantes – como a migração climática – que precisam de atenção urgente.

A este respeito, o Reino Unido, como país anfitrião, tem uma enorme responsabilidade. O Reino Unido deve reconhecer que tem uma oportunidade chave para apontar a falta de proteção para os refugiados climáticos. Alok Sharma renunciou a seu papel de ministro de negócios do Reino Unido a fim de liderar a cúpula das Nações Unidas sobre mudanças climáticas COP26 em fevereiro. Em junho, durante a conferência da ONU, ele disse “ele está consciente da migração pela mudança climática”. Ele e sua equipe devem, portanto, reconhecer que não houve progresso desde a COP21 sobre refugiados climáticos e Glasgow será uma oportunidade para proteger os refugiados climáticos, providenciando uma nova constituição para as pessoas que têm que fugir de suas pátrias devido a catástrofes naturais causadas por tais mudanças.

LEIA: ONU aceita candidatura do Egito para sediar conferência climática de 2022

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
AfeganistãoArtigoÁsia & AméricasEuropa & RússiaONUOpiniãoOrganizações InternacionaisReino Unido
Show Comments
Show Comments