Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Iraquianos votam nas eleições parlamentares como um boicote de palco para testar a democracia

Escriturários começam a contar votos após a “votação especial” para as forças de segurança, deslocados e prisioneiros terminar dois dias antes de o resto da nação votar nas eleições parlamentares em Bagdá, Iraque, em 8 de outubro de 2021 [Murtadha Al-Sudani/Agência Anadolu]
Escriturários começam a contar votos após a “votação especial” para as forças de segurança, deslocados e prisioneiros terminar dois dias antes de o resto da nação votar nas eleições parlamentares em Bagdá, Iraque, em 8 de outubro de 2021 [Murtadha Al-Sudani/Agência Anadolu]

Os iraquianos votaram em pequeno número no domingo em uma eleição parlamentar que muitos disseram que boicotariam, tendo perdido a fé no sistema democrático criado pela invasão liderada pelos EUA em 2003, relatou a Reuters.

A elite governante dominada pelos xiitas, cujos partidos mais poderosos têm alas armadas, deverá varrer a votação, com o movimento liderado pelo clérigo xiita populista Moqtada al-Sadr, que se opõe a toda interferência estrangeira e cujos principais rivais são grupos xiitas aliados do Irã, vistos emergir como a maior facção do parlamento.

Tal resultado não alteraria dramaticamente o equilíbrio de poder no Iraque ou no Oriente Médio em geral, dizem autoridades iraquianas, diplomatas e analistas estrangeiros, mas para os iraquianos pode significar que um ex-líder da insurgência e islâmico conservador poderia aumentar seu domínio sobre o governo.

Na cidade de Sadr, em Bagdá, uma seção eleitoral instalada em uma escola para meninas viu um lento, mas constante, gotejamento de eleitores.

O voluntário eleitoral Hamid Majid, 24, disse que votou em sua antiga professora, uma candidata dos sadristas.

“Ela educou muitos de nós na área para que todos os jovens votem nela. É a hora do Movimento Sadrista. As pessoas estão com eles”, disse Majid.

Uma autoridade eleitoral disse à Reuters que o comparecimento estava baixo no meio da tarde, sem dar detalhes. A participação foi baixa em todo o país, disseram testemunhas à Reuters.

Em várias partes de Bagdá, os alto-falantes das mesquitas foram usados ​​para instar os iraquianos a votar.

A eleição está sendo realizada vários meses antes do início de uma nova lei destinada a ajudar candidatos independentes – uma resposta aos protestos antigovernamentais em massa de dois anos atrás.

“Não vou votar e minha família também não vai votar”, disse Murtadha Nassir, um homem de 27 anos da cidade de Nassiriya, no sul do país, que participou de protestos e viu amigos serem mortos a tiros pelas forças de segurança.

LEIA: Homens armados atacam centro de votação em Diyala, no Iraque, e dois ficam feridos

“Esses grupos que estão sendo votados são todos aqueles que nos almejam.”

No entanto, alguns iraquianos estavam ansiosos para votar naquela que é a quinta votação parlamentar do Iraque desde 2003 – e têm esperança de mudança. Na cidade de Kirkuk, no norte, Abu Abdullah disse que chegou para votar uma hora antes da abertura das seções eleitorais.

“Vim desde cedo para ser o primeiro eleitor a participar de um evento que, espero, trará mudanças”, disse ele, acrescentando:

Esperamos que a situação melhore significativamente.

Pelo menos 167 partidos e mais de 3.200 candidatos estão competindo pelos 329 assentos no parlamento, de acordo com a comissão eleitoral. As eleições iraquianas costumam ser seguidas de conversas prolongadas sobre um presidente, um primeiro-ministro e um gabinete.

O vice-presidente dos Emirados Árabes, Mohammed bin Rashid Al Maktoum [à esq.], é recebido pelo primeiro-ministro iraquiano, Mustafa Al-Kadhimi, no aeroporto de Bagdá em Bagdá, Iraque, em 28 de agosto de 2021 [Sala de Imprensa do primeiro-ministro iraquiano/Agência Anadolu]

O vice-presidente dos Emirados Árabes, Mohammed bin Rashid Al Maktoum [à esq.], é recebido pelo primeiro-ministro iraquiano, Mustafa Al-Kadhimi, no aeroporto de Bagdá em Bagdá, Iraque, em 28 de agosto de 2021 [Sala de Imprensa do primeiro-ministro iraquiano/Agência Anadolu]

Kadhimi disse a repórteres enquanto fazia sua votação:

Apelo ao povo do Iraque: ainda há tempo. Vá e vote no Iraque e vote em seu futuro.

O governo de Kadhimi convocou a votação no início em resposta aos protestos antiestabelecimento em 2019 que derrubaram o governo anterior.

As demandas dos manifestantes incluíam a remoção de uma elite governante que a maioria dos iraquianos considera corrupta e mantém o país em ruínas. As manifestações foram brutalmente reprimidas e cerca de 600 pessoas foram mortas ao longo de vários meses.

O Iraque está mais seguro do que há anos e o sectarismo violento está menos presente desde que o Iraque derrotou o Estado Islâmico ultradurista sunita em 2017 com a ajuda de uma coalizão militar internacional e do Irã.

Mas a corrupção endêmica e a má gestão significaram que muitos dos 40 milhões de iraquianos estão sem trabalho e sem saúde, educação e eletricidade.

“Por que não vou votar? Porque não tenho fé nas pessoas. Aqueles que elegemos, o que fizeram?”, perguntou Mohammed Hassan, um morador de Basra.

“A mesma coisa. Olha o lixo, a sujeira. Onde estão os projetos? Os projetos do governo anterior, onde estão?”

Influência estrangeira

Os Estados Unidos, os países árabes do Golfo e Israel de um lado e o Irã do outro competem pela influência no Iraque, o que proporcionou uma porta de entrada para Teerã apoiar representantes da milícia na Síria e no Líbano.

A invasão de 2003 derrubou Saddam Hussein, um muçulmano sunita, e catapultou para o poder a maioria xiita e curda do país, oprimidos sob Saddam. Isso desencadeou anos de violência sectária, incluindo a conquista de um terço do país pelo Estado Islâmico entre 2014 e 2017.

Washington está removendo todas as tropas de combate dos EUA como parte de um acordo com o governo iraquiano.

Essa decisão veio sob pressão dos partidos xiitas dominantes do Iraque, muitos deles apoiados pelo Irã, que pediu a remoção das forças dos EUA após a morte do comandante militar iraniano Qassem Soleimani em Bagdá em 2020.

Categorias
IraqueNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments